Inversões de sentido na fábula A cigarra e a formiga: modos de subjetivação em conflito

  • Joanita Baú de Oliveira Universidade do Estado da Bahia, Pós-Crítica.

Resumo

Resumo: A fábula A cigarra e a formiga é bastante conhecida por apresentar uma moral que adverte contra a indolência e alerta sobre a necessidade do trabalho. Ela trata de um tema que tangencia diretamente os modos de subjetivação, porque a atividade laboral implica nas formas como os indivíduos se constituem como sujeitos de saberes, poderes e ações morais. Contudo, ao longo do tempo, inúmeras recriações da referida narrativa contribuíram para modificações de suas significações. Essas inversões de sentidos levam a indagar sobre que fatores as suscitaram e que condições sócio históricas permitiram o seu aparecimento. Em busca de resposta, o presente trabalho compara versões distintas dessa fábula, procurando identificar como o discurso do outro é retomado, mantido, alterado, por um novo discurso. Enfoca-se, especialmente como a partir de uma oposição entre trabalhadores e artistas/vagabundos, representados, respectivamente pela formiga e a cigarra, atribuem-se valores diversos ao trabalho e a arte.

Palavras-chave: Fábula. Discurso. Arte. Trabalho. Subjetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-04-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 253
  • PDF downloads: 6406