Figurações do estado de exceção em Zélia Gattai

memórias de uma testemunha anarquista-libertária

Autores

  • Arlinda Santana Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v3n1.p137

Palavras-chave:

Estado de exceção, Memórias, Testemunho, Zélia Gattai

Resumo

Neste artigo, pretende-se realizar um estudo acerca das figurações do estado de exceção nas obras memorialísticas de Zélia Gattai bem como, da possibilidade de se vislumbrar a escrita de memórias como um testemunho dos horrores vividos. Para tanto, se tomará como objeto de análise as obras memorialísticas da autora.

[Recebido: 28 agos. 2015 – Aceito: 8 nov. 2015]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlinda Santana Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural da Universidade do Estado da Bahia (UNEB/DEDC II), com a pesquisa “Memórias e outras histórias: a escrita feminina de memórias em Zélia Gattai”. Atua como Professora de Língua Portuguesa e Lite-ratura da Rede Estadual.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, Giorgio. Bartleby o de la contigencia. In: G. Deleuze, G. Agamben, J. L. Pardo. Preferiría no hacerlo. Valencia: Pretextos, 2005, p. 93-136.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha – Homo sacer III. São Paulo: Boitempo, 2008.

ARANTES, Paulo Eduardo. Extinção. São Paulo: Boitempo, 2007. (Estado de Sítio).

BARTHES, Roland. Crítica e verdade. Trad. Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Col. Debates).

BRANCO, Lúcia Castello. O que é escrita feminina. São Paulo: Brasiliense, 1991. (Coleção Primeiros Passos).

DELEUZE, Gilles. Bartleby, ou a fórmula. In: DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997, p. 80-103.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. Porto/Portugal: Edições Afrontamento, 1976.

GATTAI, Zélia. Anarquistas, graças a Deus. São Paulo: Cia. das Letras, 2009 [1979].

GATTAI, Zélia. Um chapéu para a viagem. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 1993 [1982].

GATTAI, Zélia. Jardim de inverno. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1989.

GATTAI, Zélia. Senhora dona do baile. São Paulo: Círculo do Livro, 1984.

GUIMARÃES, Manuel Luiz Salgado. O presente do passado: as artes de Clio em tempos de memória. In: ABREU, Martha, SOIHET, Rachel, TEIXEIRA, Rebeca. Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

MELVILLE, Herman. Bartleby, o escriturário. Disponível em: http://claudioulpiano.org.br.s87743.gridserver.com/?p=3772. Acesso em: 10/15/2014.

SANTOS, Laymert Garcia dos. A exceção à regra. In: ARANTES, Paulo Eduardo. Extinção. São Paulo: Boitempo, 2007, p. 7-21. (Estado de Sítio).

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Histórias que nunca terminam. In: GATTAI, Zélia. Anarquistas, graças a Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 319-323.

SINHORI, João, GOMES, Cerize Aparecida Nascimento. Literatura Testemunhal na Ditadura Militar: conexões entre história e literatura. 2010, p. 4. Disponível em: http://revistas.unicentro.br/index.php/revista_interfaces/article/viewFile/913/959. Acesso em: 20 dez. 2012.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Círculo do Livro, 1991.

ZIZEK, Slavoj. Bem vindo ao deserto do real: cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo, 2003.

Publicado

2016-03-01

Como Citar

SANTOS, A. S. Figurações do estado de exceção em Zélia Gattai: memórias de uma testemunha anarquista-libertária. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 3, n. 1, p. 137–166, 2016. DOI: 10.30620/gz.v3n1.p137. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/3282. Acesso em: 17 jun. 2024.