Carolina Maria de Jesus

a morada da palavra

Autores

  • Fernanda Rodrigues de Miranda Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v3n1.p117

Palavras-chave:

Autobiografia, Carolina Maria de Jesus, Escrita afro-feminina, Literatura periférica

Resumo

Neste artigo tratamos da escrita autobiográfica de Carolina Maria de Jesus (1914-1977), destacando os livros Quarto de despejo: diário de uma favelada (1960); Casa de Alvenaria (1961) e Diário de Bitita (1986). A escritora inscreve na narrativa uma experiência pautada nos lugares de raça, gênero e classe que desloca o lugar comum do sujeito tradicional do discurso autobiográfico, fazendo emergir uma nova voz na literatura brasileira.

[Recebido: 9 set. 2015 – Aceito: 8 nov. 2015]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Rodrigues de Miranda, Universidade de São Paulo - USP

Doutoranda na área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa (DLCV/USP). Bacharelado em Letras pela Universidade de São Paulo (2009) e mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (2013).

Referências

ANDREWS, George R. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). São Paulo: EDUSC, 1998.

DANTAS, Audálio. O drama da favela escrito por uma favelada: Carolina Maria de Jesus faz um retrato sem retoques do mundo sórdido em que vive. Folha da Noite. São Paulo, ano XXXVII, n. 10.885, 9 maio de 1958.

DANTAS, Audálio. Retrato da favela no diário de Carolina. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, n. 36, p. 92-98, 20 jun. 1959.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio. (Org.). Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

JESUS, Carolina Maria de. Casa de Alvenaria: diário de uma ex-favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1961.

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico. De Rousseau a internet. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

MEIHY, J. C. Sebe Bom& LEVINE, Robert. (Org.). Cinderela Negra: a saga de Carolina de Jesus. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

MEYER, Regina Maria Prosperi. Metrópole e Urbanismo São Paulo anos 50. Tese de doutorado. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, USP, 1991.

PERPÉTUA, Elzira Divina. Traços de Carolina Maria de Jesus: gênese, tradução e recepção de Quarto de Despejo. Tese de doutorado não publicada, Programa de Doutorado em Literatura Comparada, Faculdade de Letras da UFMG: 2000.

SANTOS, Joel Rufino dos. Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: 34, 2000.

TEREZA, Maria. Negrices em Flor. São Paulo: Edições Toró, 2000.

Publicado

2016-03-01

Como Citar

MIRANDA, F. R. de. Carolina Maria de Jesus: a morada da palavra. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 3, n. 1, p. 117–135, 2016. DOI: 10.30620/gz.v3n1.p117. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/3281. Acesso em: 21 fev. 2024.