Literaturas subterrâneas

literaturas que circulam para além do cânone escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v10n1.p161

Palavras-chave:

Literaturas subterrâneas, Circuitos literários, (Des)legitimação artística

Resumo

 O objetivo deste texto é apresentar elementos concretos que comprovam a circulação de materialidades literárias, para além do livro editado e canonizado, bem como circuitos artístico-literários criados por artistas de Fortaleza para fazerem circular suas literaturas subterrâneas, para além da legitimação escolar/acadêmica. Parte de nossa pesquisa de Doutorado, seguimos uma abordagem qualitativa (MINAYO, 2007), ancorado na pesquisa biográfica em educação (DELORY-MOMBERGER, 2014) de modo a cartografar processos formativos, circuitos e materialidades de jovens escritores/as de Fortaleza. Como conclusão, além da vasta materialidade encontrada circulando pela cidade, percebe-se uma vasta produção de circuitos artístico-literários não canônicos, cujos artistas (i)legítimos se produzem ao produzirem literaturas subterrâneas que escorrem por ruas, saraus, centros culturais, dentre outros espaços.

[Recebido em: 9 mar. 2022 – Aceito em: 22 set. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sahmaroni Rodrigues de Olinda, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutor em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará / Université Paris 13 Sorbonne/Nord. Pesquisador integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Didática e Formação Docente. Docente do curso de Pedagogia FACEDI – UECE/ Itapipoca. Escritor com três livros publicados: Cantos (contos), O amante (novela), Um cemitério de almas puras (Contos).

Referências

ABREU, Márcia. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

BAUER, Martin W; JOVCHELOVICH, Sandra. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W., GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 90-113.

BOURDIEU, Pierre, (Débat avec Roger Chartier). La lecture: une pratique culturelle. (CHARTIER, Roger dir). Pratiques de la lecture. Paris: Petite Biblioteque Payot, 2003. p. 277-306.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 2009

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.

CHARTIER, Roger. “Escutar os mortos com os olhos”. Revista Estudos Avançados, São Paulo: USP, n. 69, 2010.

CHARTIER, Roger. Do livro à leitura. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2011, p. 77-106.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELORY-MOMBERGER, Christine. De la recherché biographique en education: fondements, méthodes, pratiques. Paris: Téraèdre, 2014.

HEINICH, Nathalie. Être écrivaIn: création et identité. Paris: Editions La Découverte, 2000.

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In. NÓVOA, Antônio; FINGER, Mattias (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulos, 2010. p. 31-58.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2004.

FREITAS, Maria Teresa. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: FREITAS, Maria Teresa; JOBIM, Solange; SOUZA, Sonia Kramer (Org.). Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003. p. 26-38.

LAHIRE, Bernard. La condition littéraire: la double vie des écrivains. Paris: La Découverte, 2006.

NAJMANOVICH, Denise. O Sujeito Encarnado. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. Le maitre ignorant: cinq leçons sur l’émancipation intellectuelle. Paris: Fayard, 1987.

RANCIÈRE, Jacques. La mésentente: politique et philosophie. Paris: Galilée, 1995.

RANCIÈRE, Jacques. Le partage du sensible: esthétique et politique. Paris: La fabrique éditions, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. Le philosophe et ses pauvres. Paris: Éditions Flammarion, 2007.

Publicado

2022-11-03

Como Citar

OLINDA, S. R. de. Literaturas subterrâneas: literaturas que circulam para além do cânone escolar. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 10, n. 1, p. 161–181, 2022. DOI: 10.30620/gz.v10n1.p161. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/13809. Acesso em: 15 jun. 2024.