A SUA FORMA DE ENSINAR ME MOTIVA E EU PERCEBO QUE APRENDO? UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A MOTIVAÇÃO ACADÊMICA

Palavras-chave: Motivação Acadêmica, Nível Percebido de Aprendizagem, Práticas Pedagógicas.

Resumo

O estudo buscou analisar a associação entre práticas pedagógicas no ensino de Contabilidade, apresentadas como ativas ou passivas, motivação acadêmica e nível percebido de aprendizagem. O estudo sustenta que práticas ativas estariam associadas a uma maior motivação e a um nível percebido de aprendizagem mais elevado. A pesquisa envolveu 490 estudantes de Ciências Contábeis de quatro instituições de ensino superior da Bahia. Os dados do estudo foram coletados por meio de questionário, contendo três escalas: práticas pedagógicas; motivação acadêmica e nível percebido de aprendizagem. Ao todo, as escalas continham 61 quesitos do tipo escala Likert, separados em dois cenários, apresentados com questionários distintos (práticas pedagógicas ativas e práticas pedagógicas passivas), e foram analisados com base na Teoria da Autodeterminação. Os resultados evidenciaram que práticas pedagógicas ativas estariam associadas a uma maior motivação acadêmica dos estudantes e a um maior nível percebido de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, T. S. et al. (2015). Problemas percebidos no exercício da docência em contabilidade. Revista Contabilidade e Finanças, v. 26, n. 67, p. 93–105.

CORNACCHIONE, E. B.; CASA NOVA, S. P. de C; MIRANDA, G. J. (2012). Os saberes dos professores-referência no ensino de contabilidade. Revista Contabilidade e Finanças, v. 23, n. 59, p. 142–153.

CRUZ, N. V. S. (2015). O que me ensina a aprender? Uma análise do uso da tecnologia da informação e comunicação no processo de ensino-aprendizagem em contabilidade no estado da Bahia. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

FRANCO, M. A. S. (2015). Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 3, p. 601–614.

HAIR, J. F. J. et al. (1998). et al. Multivariate data analysis, 5th Edition, Prentice Hall, New Jersey. HELM, C. (2015). Determinants of competence development in accounting in upper secondary education. Empirical Research in Vocational Education and Training, v. 4, n. November.

KLOBAS, J. E; RENZI, S; NIGRELLI, M. L. (2007). A scale for the measurement of self-efficacy for learning at university. Dondena Working Paper, n. 2, p.1-14, September.

LEAL, E. A. et al. (2013). Teoria da autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de ciências contábeis. Revista Contabilidade e Finanças, v. 24, n. 62, p. 162-173, jul.

LOPES, L. M. S. et al. (2015). Aspectos da motivação intrínseca e extrínseca: uma análise com discentes de ciências contábeis da Bahia na perspectiva da teoria da autodeterminação. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v.5, n.1, p.21-39.

LUCAS, U.; TAN, P. L. (2013). Developing a capacity to engage in critical reflection: Students’ “ways of knowing” within an undergraduate business and accounting programme. Journal Studies in Higher Education, v. 38, n. July, p. 104–123.

MASCARELL, M. D. M.; CABEDO, J. L. G. (2014). Entorno virtual de aprendizaje y resultados académicos: evidencia empírica para la enseñanza de la Contabilidad de Gestión. Revista de Contabilidad, v. 17, n. 2, p. 108–115.

OPDECAM, E. et al. (2014). Preferences for team learning and lecture-based learning among first year undergraduate accounting students. Research in Higher Education, v. 55, n. June, p. 400–432.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. (2000). Self-determination theory and facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychologist, v. 55, n.1, 68-78.

SILVA, U. B. da. (2014). Aprenda o que eu ensino, mas não ensine o que eu aprendo: percepções e constatações no ensino de contabilidade da Bahia. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

SILVA, U. B. da; BRUNI, A. L. (2017). O que me ensina a ensinar? Um estudo sobre fatores explicativos das Práticas Pedagógicas no Ensino da Contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 11, n. 2, art. 5, p. 214-230, abr./jun. 2017.

VALLERAND, R. J. et al. (1992). The academic motivation scale: a measure of intrinsic, extrinsic and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement, v. 52.

VENDRUSCOLO, M. I.; BERCHT, M. (2015). Prática pedagógica de docentes de ciências contábeis da região sul e sudeste do Brasil: um estudo da percepção da afetividade. ConTexto, v. 15, n. 29, p. 113–128.

Publicado
2021-02-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 100
  • PDF downloads: 74
Seção
ARTIGOS