PRODUÇÃO ACADÊMICA COM ENFOQUE NOS TERMOS GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS E A ABNT ISO 31000 NO PERÍODO ENTRE 2000 E 2019: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO

Palavras-chave: Gestão de risco; Gerenciamento de risco; Bibliometria; ABNT ISO 31000.

Resumo

A possibilidade de uma ampliação do entendimento dos conceitos de risco, gestão de riscos, gerenciamento de riscos e da ABNT ISO 31000 podem contribuir com a mitigação de possíveis gaps relacionados ao tema no ambiente organizacional.Neste contexto esta pesquisa objetivou identificar as características e estruturas do panorama do risco organizacional nas empresas a partir de trabalhos científicos publicados e indexados em bases acadêmicas nos últimos 18 anos. O presente estudo bibliométrico identificou e analisou 119 pesquisas brasileiras publicadas entre 2000 e 2019, nos periódicos de cunho científico e acadêmico, sendo o Spell, Scielo e o Google Acadêmico, com delimitadores de pesquisa quanto ao “título” e “resumos”, utilizando como metodologia a pesquisa bibliográfica, cuja natureza é quantitativa com o uso do método de análise bibliométrica. Quanto aos resultados obtidos, foi constatado o conceito de gestão de risco apresenta uma relevante capilaridade em discussões acadêmicas, mas a norma ISO 31000 ainda é pouco bordada em pesquisa no Brasil outra característica relevante é que periódicos da área de contabilidade apresentaram uma maior frequência de discussão de temas relacionados a gestão de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeanne Caroline de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Graduada em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Referências

ALMEIDA, M. C. Auditoria: um curso moderno e completo. São Paulo: Atlas, 1996.

ANS- Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução CONSU nº 60, de 15 de julho de 2014. Dispõe sobre a política de gestão de riscos da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Disponível em: < http://www.ans.gov.br/images/stories/A_ANS/Transparencia_Institucional/gestao_de_riscos/politica-gestao-de-riscos-ans.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2019.

ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: Atlas, 2002.

ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em questão, v. 12, n. 1, p. 11-32, 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 31010. Gestão de Riscos - Princípios e Diretrizes, Brasil, 2009.

Australian/New Zealand Standards. Standard for Risk Management AS/NZS 4360. Stratfield, NSW: Standards Association of Australia, 1999.

BARRIOS, M.; BORREGO, A.; VILAGINÉS, A.; OLLÉ, C.; SOMOZA, M. A bibliometric study of psychological research on tourism. Scientometrics, Budapeste, v. 77, n. 3, p. 453-467, 2008. doi: 10.1007 / s11192-007-1952-0

BASTIAS, H. H. Introducción a la ingeniería de prevención de perdidas.Conselho RegionalFaz Estado de São Paulo da Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes. São Paulo. 1977. 290 p.

BENSON, A. P. An engineer’s introduction to risk management: Engineering and Process Economics, v. 2, n. 4, p. 255-257, 1977. doi.org/10.1016/0377-841X(77)90003-1

BERNSTEIN, P. L. Desafio aos Deuses: A fascinante história do risco. Rio de Janeiro. Editora: Campus, 1997.

CARLSSON-WALL, M.; KRAUS, K.; MEIDELL, A.; TRAN, P. Managing risk in the public sector - The interaction between vernacular and formal risk management systems. Financial Accountability & Management, v. 35, n. 1, p. 3-19, 2018.

CHENG, T. C. E.; YIP, F. K.; YEUNG, A. C. L. Supply risk management via guanxi in the Chinese business context: The buyer’s perspective. International Journal of Production Economics, v. 139, n. 1, p. 3–13, 2012. doi.org/10.1016/j.ijpe.2011.03.017

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway. Gerenciamento de riscos corporativos: Estrutura integrada. Jersey City: PricewaterhouseCoopers LLP, 2007. Disponível em: http://www.coso.org/Publications/erm/COSO_ERM_ExecutiveSummary_Portuguese.pdf. Acesso em: 20 de dezembro 2019.

DAMODARAN, A. Gestão estratégica do risco: uma referência para a tomada de riscos empresariais. Trad. Félix Nonnenmacher. Porto Alegre: Bookman, 2009.

DI PIETRO, M. S. Z. Direito Administrativo. 20 ed. 2. reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

FERMA – Federation of European Risk Management Associations. Norma de gestão de Riscos. 2003, p. 2. Disponível em: <https://www.ferma.eu/taxonomy/term/20>. Acesso em: 07 out. 2019.

Fontelles, M. J.; Simões, M. G.; Farias, S. H.; Fontelles, R. G. S. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista Paraense de Medicina, v. 23, n. 3, p. 1-8, 2009.

FORESTI, N. Estudo da contribuição das revistas brasileiras de biblioteconomia e ciência da informação enquanto fonte de referência para a pesquisa. 1989. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Biblioteconomia da Universidade de Brasília, UnB, Brasília, 1989.

GEPHART, R. P., MAANEN, J. V.; OBERLECHNER, T. 2009. Organizations and risk in late modernity. OrganizationStudies, v. 30, n. 2-3, p. 141–155. doi:10.1177/0170840608101474

GESPUBLICA - Orçamento e Gestão. Ministério do Planejamento. Guia de Orientação para o Gerenciamento de Risco. Brasília: SEGEP, 2013.

GIDDENS, A. Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

GUIA PMBOK. Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos. 6. ed. São Paulo: Project Management Institute, 2017.

HILL, S. Uma Base Para o Desenvolvimento de Estratégias de Aprendizagem para a Gestão de Riscos no Serviço Público. In. CADERNOS ENAP. N.23: Brasília: Escola Nacional de Administração Pública, 2003.

KERZNER, H. Strategic planning for project management using a project management maturity model. New York: John Wiley & Sons, 2002.

LALONDE, C.; BOIRAL, O. Managing risks through ISO 31000: A critical analysis. Risk Management, v. 14, n. 4, p. 271-300, 2012. doi:10.1057/rm.2012.9

LUPTON, D. Risk and sociocultural theory: New directions and perspectives. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1999.

MERCHANT, K. A.; STEDE, W. A. Van Der. Management Control Systems. 2. ed. Harlow: Pearson, 2007.

MORETTI, S. L. A.; CAMPANARIO, M. A. A Produção Intelectual Brasileira em Responsabilidade Social Empresarial – RSE sobre a Ótica da Bibliometria. Revista de AdministraçãoContemporânea – RAC, v. 13, n. 5, p. 68-86, 2009.

NORRMAN, A.; JANSSON, U. Ericsson’s proactive supply chain risk management approach after a serious sub‐supplier accident. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v. 34, n. 5, p. 434–456, 2004. doi.org/10.1108/09600030410545463

PMI - Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos (Guia PMBOK). Project Management Institute Inc. Editora Saraiva: São Paulo, 2017.

POWER, M. The Risk Management of Everything. London: Demos, 2004.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e pesquisa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

RUPPENTHAL, J. E. Gerenciamento de riscos. Santa Maria: Colégio Técnico Industrial de Santa Maria e Rede e-Tec Brasil, 2013. Disponível em:<http://estudio01.proj.ufsm.br/cadernos_seguranca/sexta_etapa/gerenciamento_riscos.pdf> Acesso em: 24 set. 2019.

STRELNIK, M. Corporate restructuring as a risk treatment method. Verslas: teorijairpraktika, v. 17, n. 3, p. 225-233, 2016. doi:10.3846/btp.2016.658

TBS- CANADIAN CENTRE FOR MANAGEMENT DEVELOPMENT (CCMD). Building trust: a foundation of risk management. Action-Research Roundtable on Risk Management. Ottawa: Canadian Centre for Management Development, 2001.

TCU- Tribunal de Contas da União. Critérios Gerais de Controle Interno na Administração Pública. Atlas: São Paulo, 1996.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da informação, v. 31, n. 2, p. 369-379, 2002.

VERBANO, C.; VENTURINI, K. ManagingRisks in SMEs: A Literature Review andResearch Agenda. Journal of Technology Management & Innovation, v. 8, n. 3, p. 33–34, 2013. doi:10.4067/s0718-27242013000400017

WILDAVSKY, A. No Risk is the Highest Risk of All. American Scientist, v. 67, n. 1, p. 32-37, 1979.

ZONATTO, V. C. S; BEUREN, I. M. Evidenciação das Características Básicas Recomendadas pelo Coso (2004) para a Gestão de Riscos em Ambientes de Controle no Relatório da Administração de Empresas Brasileiras com ADRs. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 10, n. 1, p. 83-104, 2012. DOI: https://doi.org/10.19094/contextus.v10i1.191.

Publicado
2020-11-05
Métricas
  • Visualizações do Artigo 252
  • PDF downloads: 228
Seção
ARTIGOS