“DEFENDENDO O CONSELHEIRO”: A IMAGEM DO LÍDER CONSELHEIRISTA ERIGIDA NOS CORDÉIS DO ESCRITOR EUCLIDENSE JOSÉ ARAS

  • Ilza Carla Reis de Oliveira

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados da pesquisa de Mestrado em Estudos Linguísticos (UEFS), de cunho bibliográfico e documental, concluída em 2018, tendo como foco a análise dos discursos em torno do personagem central do movimento de Belo Monte, Antonio Conselheiro. O objetivo foi realizar um contraponto entre a sua imagem construída pelo olhar do outro e pelo seu próprio olhar, a fim de observar o funcionamento desses discursos, a partir dos corpora constituído por três das primeiras notícias acerca do líder conselheirista, veiculadas pelos jornais da época, dois poemas de cordel, escritos pelo euclidense José Aras, e seis das prédicas manuscritas pelo  próprio Conselheiro, registradas em dois livros. Neste artigo, especificamente, trataremos das formações imaginárias construídas sobre Antonio Conselheiro nos dois cordéis de José Aras, intitulados “Defendendo Conselheiro” e “Repousa Peregrino”, apoiando-se, principalmente, na noção de Formações Imaginárias, no escopo da Análise de Discurso pecheutiana. As análises apontam que o jogo de imagens presentes nos discursos que insurgem dos cordéis - dos sujeitos entre si, do referente (Antonio Conselheiro) e as condições de produção que constituem esses discursos - incidem no que é dito, como é dito e, por consequência, nos efeitos de sentido que emergem a partir desses dizeres.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-11-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 17
  • PDF downloads: 75