INFÂNCIAS NEGRAS NO BRASIL: Produção de conhecimento interseccional desde o Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negros/as (COPENE

  • Flávia de Jesus Damião

Resumo

O  presente trabalho se constitui como parte integrante de uma pesquisa de doutorado concluída. A pesquisa foi realizada no DMMDC. Neste artigo temos por objetivo caracterizar a produção de conhecimento acerca das infâncias negras, a partir da intersecção entre relações étnico-raciais e de gênero, nos trabalhos do VIII Congresso Brasileiro de Pesquisadores e Pesquisadoras negras (COPENE) realizado em  2014. De caráter interdisciplinar, o  trabalho apresenta uma abordagem teórica que transita nas fronteiras de diferentes campos teóricos e políticos. No campo dos  estudos da infância, a discussão de Jeans Qvortrup (2004) é significativa para nós. Na área das relações étnico-raciais destacamos as proposições de Petronilha Gonçalves e Silva e Luis Alberto Gonçalves (2000). Nas relações de gênero e do feminismo negro, autoras como Jane Felipe de Souza (2005) e bell hooks (1995) são referencias acolhidas. Metodologicamente, este trabalho apresenta uma abordagem qualitativa  de pesquisa. Para a realização do mesmo, primeiro realizamos uma leitura dos resumos dos trabalhos contidos nos anais do VIII COPENE, a partir da eleição de alguns descritores. Em seguida,  selecionamos os trabalhos que contemplassem os descritores eleitos.  Depois elaboramos a montagem de um quadro que apresenta os trabalhos, as autoras/es e as instituições. Feito isso, partimos para quarto momento que foi a leitura na integra dos textos selecionados para procedermos à discussão. As analises iniciais apontam  a carência de trabalhos que elejam a  intersecção entre as categorias raça, gênero e geração quando temos em pauta as questões das crianças negras pequenas brasileiras e suas infâncias.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 13
  • PDF downloads: 19