Game design e educação: formação docente e produção de jogos para alfabetização

Luciana Augusta Ribeiro do Prado, Fabíola de Azeredo Missel, Dulce Márcia Cruz

Resumo


Desde o século XX, os jogos digitais são protagonistas das transformações tecnológicas intensas que, por meio da convergência das mídias, promovem mudanças na comunicação e na aprendizagem na cultura digital. Em muitas escolas, já é comum o uso de jogos digitais pelos professores em suas aulas. No entanto, os professores desempenham o papel de usuários e não de sujeitos ativos na autoria de jogos. Neste sentido, este artigo parte do pressuposto de que isso ocorre, dentre outras razões, pelo fato dos professores não conhecerem o processo de produção, ou seja, o game design. Nossa proposta é refletir sobre o game design e a formação docente, argumentando que o desenvolvimento de jogos pode ampliar a utilização desse artefato da cultura digital nas práticas pedagógicas dos professores. Para alcançar esse objetivo, o texto descreve as atividades de produção de protótipos de jogos digitais (em forma de tabuleiro) por pós-graduandos na disciplina Game Design e Educação, ofertada no Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal de Santa Catarina, no ano de 2018. Para análise, foram selecionados os jogos produzidos com temática de alfabetização e letramento, tendo em vista as demandas educacionais relativas ao analfabetismo funcional no Brasil. Concluímos que a formação do professor para o game design – criação e elaboração de jogos vinculados ao planejamento pedagógico – contribui também para o protagonismo estudantil na autoria dos games.


Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO EDUCATIVA, 2018. Instituto Paulo Montenegro. Indicador de analfabetismo funcional – INAF BRASIL 2018: Resultados Preliminares: pesquisa gera conhecimento, o conhecimento transforma. Disponível em:https://drive.google.com/file/d/1ez- 6jrlrRRUm9JJ3MkwxEUffltjCTEI6/view. [Acesso em 31 jan 2019].

BASTOS, B. et al, 2008. Introdução à educação digital: caderno de estudo e prática. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a distância. Brasília. Disponível em: http://webeduc.mec.gov.br/Proinfo- integrado/Material%20de%20Apoio/apostila_press.pdf [Acesso em 3 jan 2019].

BRASIL, 2012. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: planejando a alfabetização e dialogando com diferentes áreas do conhecimento: ano 1: unidade 4 / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB.

_____,1997. Parâmetros Secretaria de curriculares

Educação nacionais: Fundamental. matemática/ Secretaria de MEC/SEF. Educação Fundamental. Brasília,

_____, 1998. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 3v.: il.

COUTO, E.; PORTO, C. SANTOS, E. A., 2016. Apresentação: Uso de aplicativos na educação. In: COUTO, Edvaldo et al. App-learning: experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 11-20.

Cruz, D. M., 2018. Programa da Disciplina de Game Design e Educação. Programa de Pós-Gradução em Educação – Linha Educação e Comunicação. Universidade Federal de Santa Catarina.

EICKE, J. G.; CRUZ, D. M. Prototipagem no game design: o jogo de tabuleiro como ferramenta de teste de game educativo. In: Proceedings of SBGAMES 2017 - Workshop G2 - Games na Graduação. Curitiba, PR. v. G2. p. 1391- 1393.

RAMOS, D. K.; CRUZ, D. M., 2018. A tipologia de conteúdos de aprendizagem nos jogos digitais: o que podemos aprender?. In: Ramos, D. K.; Cruz, D. M. (org.). Jogos digitais em contextos educacionais. Curitiba: CRV, 21- 45.

FANTIN, M., 2011. Mídia-educacão: aspectos históricos e teórico-metodológicos. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 1, n. 14, p.27-40, 2011. Semestral. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor. [Acesso em 21 jan 2019] 27-40.

GARONE, P. & NESTERIUK, S., 2016. Problematização do Design de Games para à Educação a Distância no contexto da cultura digital. XV SBGames. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/ 157484.pdf [Acesso em 21 jan 2019] 1998-1201.

GATTI, B. A., 2010. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, 31(113), Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302010000400016 [Acesso em 31 jan 2019].

GEE, J. P., 2009. Bons videogames boa aprendizagem. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/vi ewFile/15838/14515 [Acesso em 31 jan 2019], 167-178.

JENKINS, H., 2009. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph.

JOHNSON, L., et al., 2012. Technology Outlook for Brazilian Primary and Secondary Education 2012-2017: An NMC Horizon Project Regional Analysis. Austin, Texas: The New Media Consortium. Disponível em: https://www.nmc.org/pdf/2012-technology-outlook- brazilian-primary-and-secondary-education.pdf [Acesso em 28 jan 2019]

KISHIMOTO, T, M., et al. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO, T, M., Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000. Cap. 1. 13-43

MATTAR, J, Y NESTERIUK, S., 2016. Estratégias do Design de Games que podem ser incorporadas à Educação a Distância. RIED: Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 19 (2), 91-106.

MORTATTI, M. R. L., 2010. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação (Impresso), v. 15, p. 329-341.

PAAVILAINEN, J., Mobile Game Prototyping with the Wizard of Oz. Disponível em: http://gamelab.uta.fi/gamespacetool/FILES/Articles/Paav ilainen_MobileGamePrototypingWizardOz.pdf [Acesso em 3 mar 2017].

SALEN, K.; ZIMMERMAN, E., 2012. Regras do jogo: fundamentos do design de jogos: principais conceitos: volume 1. São Paulo: Blucher.

SANTAELLA, L., 2013. Gamificação: a ubiquidade dos games. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus. p.219-230.

SCHUYTEMA, P. L., 2008. Design de games: uma abordagem prática. Cengage Learning.

SENA, S. DE, 2017. Jogos Digitais Educativos: Design Propositions para GDDE. 2017. 209 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia e Gestão de Conhecimento, Universidade de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/1780 89 [Acesso em 25 set 2018].

SEVERINO, A. J., 2007. Modalidades e metodologias de pesquisa científica. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007. p.117-126

SHELL, J., 2011. The Art of Game Design: A Book of Lenses. Rio de Janeiro: Elsevier.

SOARES, M., 2016. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto.

TAVARES, R., 2009. Fundamentos de game design para educadores e não especialistas. In: Santaella, L.; Feitoza, M. Mapa do Jogo: A diversidade cultural dos games. São Paulo: Cengage Learning. 239-249.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.