Desconstrução do Cânone: A polifonia de vozes e gêneros literários na obra Metade cara, metade máscara, de Eliane Potiguara

Rosana Carvalho da Silva Ghignatti

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar a obra literária, histórica e autobiográfica da escritora Eliane Potiguara (2004) e suas nuances específicas que a definem como literatura de autoria indígena. Será feita uma reflexão sobre o recente processo da prática escritural indígena no Brasil, e a importância desta escrita para a divulgação dos valores da cultura indígena no tocante aos seus mitos, rituais, costumes e múltiplas linguagens artísticas e literárias. Pelo próprio caráter híbrido da obra em análise, iremos destacar os aspectos históricos da colonização portuguesa no Brasil e suas nefastas consequências para as comunidades indígenas; as características memorialísticas que perpassam toda a obra da autora, vista como autobiográfica; a representação da mulher indígena no contexto contemporâneo e a importância dos valores ancestrais que consolidam a cultura indígena como plural e ricamente humana.  Como embasamento teórico para este trabalho destacam-se as pesquisas de Daniel Munduruku (2012); Graça Graúna (2004); Florencia Garramuño (2004); Édouard Glissant (2005); Spivak (2010) e outros que serão citados ao longo do artigo.


Palavras-chave


América Latina; Cultura indígena: Literatura indígena

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Valdeci Rezende. “História e literatura: algumas considerações”. Revista de Teoria da História. Ano 1, Número 3, junho – 2010. Universidade Federal de Goiás. p. 94-109.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CHAVES, Flávio Loureiro. História e literatura. 3 ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1999.

GARRAMUÑO, Florência. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Tradução de Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

GRAÚNA, Graça. “Identidade indígena: uma leitura das diferenças”. In: Metade cara, metade máscara. De Eliane Potiguara. São Paulo: Global, 2004. p. 17-21.

JECUPÉ, Kaká Werá. Todas as vezes que dissemos adeus. São Paulo: TRIOM, 2002.

MATOS, Cláudia Neiva de. “Escritas indígenas: uma experiência poéticopedagógica”. Boitatá (UEL), Londrina/PR, v. 12, p. 29-51, 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/boitata/volume-12-2011/B1203.pdf. Acesso em: 20 de abril de 2018)

MUNDURUKU, Daniel. Meu avô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória. Ilustrações de Rogério Borges. São Paulo: Studio Nobel, 2005.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SPIVAK, C. G. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Gular Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.