Pode uma favelada falar?

Daniela de Jesus Lima

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar como a intersecção de raça, gênero e classe é utilizada na obra Quarto do despejo de Carolina Maria de Jesus para dar ethos de autenticidade ao Ser que residem em condições de vulnerabilidade. Do ponto de vista estrutural, o artigo está divido em três seções. Na primeira, apresenta a autora, a obra e a literatura negra enquanto demarcador de existência de um “eu - negro” que se posiciona politicamente e ideologicamente na escrita. Em seguida, discute o conceito de pobreza, identidade favelada, assim como, a posição subordinada que estes sujeitos ocupam nas relações econômicas e culturais em uma sociedade de classe. Em seguida, analisa como os coletivos favelados produzem a sua subsistência e as formas pelas quais a reprodução da estrutura racista brasileira se dá através dos aparelhos do Estado. Conclui que Quarto do Despejo é uma obra contemporânea crucial para uma leitura crítica dos brutais processos sócio-estruturais aos quais os favelados são submetidos no país, assim como, dos mecanismos que produz e reforçam as suas condições de produção de subsistência.

Palavras-chave: Oprimido, Relação Etnico-Racial, Carolina Maria de Jesus


Palavras-chave


Relação Etnico-Racial

Texto completo:

PDF

Referências


CORTAZZO, Uruguay. Branquitude e crítica literária. In: SILVA, Denise Almeida; EVARISTO, Conceição (Org.). Literatura, história, etnicidade e educação: estudos nos contextos afro-brasileiros, africanos e da diáspora africana. Frederico Westphalen: EdURI, 2011. p. 119-130.

DUSSEL, E. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1996.

JESUS, Carolina. M. Quarto do Despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2014.

TEIXEIRA, Níncia. A Escrita empoderada de Carolina Maria de Jesus: a voz da resistência no cenário das impossibilidades. Revista de Pós-graduação em Letras, v. 14, n.2. Ano. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.