EDUCAÇÃO E SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO EM PRÓTESE E ÓRTESE – INTEGRANDO ENSINO E PESQUISA

  • Menilde A. S. Bião Faculdade Estácio Feira de Santana Departamento de Fisioterapia, Brasil.
  • Marcelo M de Oliveira Faculdade Estácio Feira de Santana Departamento de Fisioterapia, Brasil.
  • Jamilton A Dias Faculdade Estácio Feira de Santana Departamento de Fisioterapia, Brasil.
  • André V. A. de Carvalho Faculdade Estácio Feira de Santana Departamento de Fisioterapia, Brasil.

Resumo

Este artigo consiste em um relato de experiência sobre as atividades realizadas pelo Projeto de Extensão em Prótese e Órtese: Integrando Ensino e Pesquisa, na Faculdade Estácio no município de Feira de Santana. O projeto desenvolveu ações de Ensino, Pesquisa e Extensão para produção de conhecimento na área de Tecnologia Assistiva com enfoque em prótese e órtese com o objetivo de capacitar estudantes e/ou profissionais para habilitação/reabilitação de pessoas com deficiência, usuárias de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção, além de compartilhar conhecimento sobre Tecnologia Assistiva (TA) com a comunidade acadêmica, usuários e/ou familiares e profissionais do município. Buscou-se realizar palestras, oficinas com experiência de aprendizado: avaliação, prescrição e moldagem, visitas técnicas, seminários, desenvolvimento de protótipos de baixo custo com os alunos da disciplina de órtese e prótese, exposições dinâmicas e esclarecedoras que proporcionaram entendimento claro e objetivo para todos. Os objetivos do projeto foram alcançados, com cerca de 450 estudantes e 40 profissionais beneficiados com esclarecimentos sobre os direitos da pessoa com deficiência e esclarecimentos sobre os aspectos legais para aquisição de recursos de TA, além de 50 pacientes beneficiados com recursos de Tecnologia Assistiva disponibilizados pelo projeto: próteses para membro superior (3D), órteses suropodálicas e meios auxiliares de locomoção. O Projeto contribuiu para educação e construção de conhecimento em Tecnologia Assistiva dos sujeitos envolvidos. 


Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, A., Matsukura, T., 2014. Revisão sobre Avaliações para Indicação de Dispositivo de Tecnologia Assistiva. Rev. Ter Ocup Univ São Paulo. 25 (2): 199-207.

Berch, R., 2013. Introdução à Tecnologia Assistiva.

Disponível em:

http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assisti

a.pdf. Acessado em: 29. Agos. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Trabalho e

da Educação na Saúde. Confecção e manutenção de órteses,

próteses e meios auxiliaries de locomoção: confecção

manutenção de próteses de membrosinferiores, órteses

suropodálicas e adequação postural em cadeia de

rodas/Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho

e da Educação na Saúde – Brasilia: Ministério da

Saúde,2013.

Brasil. Decreto 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui

Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência –

Plano Viver sem Limite. 2011.Disponível em

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ATO20112014/201

Decreto/D7612.htm.> Acesso em 30 de setembro de 2016.

Baião,J.2012 Funcionalidades e Tecnologias da impressora

D. Itatiba: Universidade São Francisco.

Carvalho J, 2003Amputações de Membros Inferiores: Em

Busca da Plena Reabilitação. São Paulo: Manole; 2003.

Guimarães M., 2015 Inclusão laboral da pessoa com

deficiência: proposta de ferramentas para identificação da

capacidade funcional, das exigências da tarefa e do

desempenho. 2015.Tese (Doutorado) – Universidade Federal

de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação, Programa

de Pós-Graduação.

IBGE, 2011 – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Tabulação Avançada do Censo Demográfico 2010. Rio de

Janeiro.

Jonhon, T; Boule, G; Bell, G.J; Bell, R., 2018“Walking a

matter of quantity and quality physical activity for type 2

diabetes management, “Applied Phisiology, Nutrition and

Metabolism, v. 33, n. 4, p. 797 – 801, 2008.

May,J.2004. Avaliação e Tratamento após amputação de

membro inferior.In: O’SULIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J.

Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 5. ed. São Paulo:

Manole, pp. 619-640.

Merino, D., 2014. Metodologia para prática projectual do

design: com base no projeto centrado no usuário e com

ênfase no design universal. 2014. 1 v. Tese (Doutorado) –

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico,

Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção.

OMS. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. São Paulo.

ISBN 978-85-64047-02-0. 2011.

OMS, Um manual prático para o uso da Classificação

Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

(CIF). Versão preliminar para discussão. Outubro de 2013.

Genebra.

World Health Organization. International Classification of

FunctioningD., 2001 isability and Health (ICF). Geneva:

World Health Organization.

Publicado
2020-03-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 444
  • PDF downloads: 393
Edição
Seção
Artigos