Exergames como objeto de pesquisa: o que se tem produzido nos Programas de Pós-graduação Stricto sensu do Brasil?

Resumo

Este estudo se debruça sobre a investigação nacional em nível de pós-graduação Stricto sensu, com o objetivo de mapear e analisar a produção brasileira sobre a investigação dos exergames. Foram realizadas buscas na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações e no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES, utilizando a seguinte string de busca: (exergam* OR “active vídeo gam*”). Aplicados os critérios deinclusão e exclusão, compuseram o corpus deste trabalho 47 pesquisas desenvolvidas nos Programas de Pós-graduação Stricto sensu do Brasil. Após as análises, pudemos identificar que apesar da investigação dos exergames ser recente, o interesse, por parte dos pesquisadores, vem aumentado gradualmente. Os estudos desenvolvidos apresentam diversidade nos aspectos geográficos, históricos e metodológicos, constituindo um campo de pesquisa multidisciplinar, plural e em crescente expansão. 

Referências

ALMEIDA, A. S. de. Efeitos do treinamento físico com exergame e do treinamento funcional em indivíduos com doença de Parkinson. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

ALVES, A. K. S. TeamBridge: Middleware para adaptação de games e controles de reabilitação motora. 2018. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Software) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

ALVES, L. Games e educação: desvendando o labirinto da pesquisa. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 177–186, 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/761. Acesso em: 20 jun. 2019.

ALVES, R. da S. Influência da prática de exergames na fadiga muscular e suas repercussões em pacientes com câncer. 2015. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, 2015.

ARAGÃO, R. B. Efeitos de exergames na autoestima, imagem corporal e antropometria de crianças com sobrepeso/obesidade. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação Física e Esporte) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2018.

ARAÚJO, J. G. E. Educação, dança e tecnologia: contribuições pedagógicas dos exergames no ensino-aprendizagem da dança. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde e Biológicas) – Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, 2017.

BARROS, M. de L. N. Exergames: o papel multidisciplinar do design no desenvolvimento de jogos de exercício físico-funcional para auxílio no combate da obesidade infantil. 2012. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

BEZERRA, M. R. S. Adaptações cardiorrespiratórias e neuromotoras ao uso de exergames em crianças participantes de aulas de educação física. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

CANABRAVA, K. L. R. Gasto energético e intensidade das atividades físicas dos jogos ativos de vídeo games em crianças e adolescentes. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.

CARGNIN, D. J. Desenvolvimento e avaliação de um sistema de jogos sérios baseado em interfaces naturais para reabilitação de membros superiores. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

CARNEIRO, M. L. da N. Efeito do treino com exergames no desempenho cognitivo e funcional de idosos sem demência. 2015. Dissertação (Mestrado em Neurociência Cognitiva e Comportamento) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

CARVALHO, M. F. de. Move4Math: Jogos Sérios para Alfabetização Matemática. 2017. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, 2017.

CARVALHO, L. de M. Classificação automática para avaliar exercícios físicos feitos por crianças quando participam de exergames em smartphones. 2015. Dissertação (Mestrado em Informática Aplicada) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2015.

CUNHA NETO, J. S. da. GoNet v2: uma ferramenta de avaliação e tratamento dinâmico da amplitude de movimento. 2017. Dissertação (Mestrado em Informática Aplicada) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2017.

FALCADE, A. C. Análise do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca obtido pela ergoespirometria durante um jogo virtual. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2012.

FARIAS, E. H. et al. MOLDE: a Methodology for Serious Games Measurement-Oriented Level Design. In: PROCEEDINGS OF SBGAMES, 2014, Porto Alegre. Anais eletrônicos [...]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2014/files/papers/art_design/full/A&D_Full_MOLDE.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

FERREIRA, A. R. Exergames e Saúde Mental: uma pesquisa-intervenção em um CAPS da cidade de Maceió. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2018.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257–272, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000300013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 30 out. 2018.

FINCO, M. D. Laboratório de exergames na educação física: conexões por meio de videogames ativos. 2015. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

GOMES, K. R. Possibilidades do uso do Exergames na Educação Física. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Tiradentes, Sergipe, 2014.

GUARNIERI, R. Confiabilidade e viabilidade do jogo Moviletrando para melhorar as habilidades de alfabetização e aritmética de indivíduos jovens com deficiência intelectual. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, 2017.

GUIMARAES, A. V. Efeitos do treinamento com exergames e do exercício físico aeróbio no desempenho cognitivo e na variabilidade da frequência cardíaca de idosos. 2015. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

GULARTE, D. Jogos eletrônicos: 50 anos de interação e diversão. Teresópolis: Novas Idéias, 2010.

KRUG, M. M. Gasto energético, consumo de oxigênio, equivalentes metabólicos e frequência cardíaca durante a prática de exergames. 2016. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

LAVARDA, M. D. Sistema de plataformas de força e identificação de movimentos por processamento de imagem para aplicação em treinamento do equilíbrio baseado em biofeedback. 2016. Dissertação (Mestrado em Engenharia Biomédica) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

LINS, N. C. de L. Impacto de uma intervenção com vídeogame ativo na percepção da imagem corporal e nos comportamentos de compulsão alimentar de adolescentes com excesso de peso. 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2017.

MACDOWELL, A. V. G. de A. Uma API para Exergames Móveis com eventos centrados em microlocalização baseada em BLE Fingerprinting. 2016. Dissertação (Mestrado em Informática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MATSUO JÚNIOR, C. T. Desenvolvimento e validação de um exergame para tratamento de hipertensos. 2013. Dissertação (Mestrado em Engenharia Biomédica) – Universidade de Mogi das Cruzes, Mogi das Cruzes, 2013.

MENEGHINI, V. Prática de exergames e exercícios aeróbios: percepção de pessoas de 55 anos e mais. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

MOLINA, K. I. Efetividade de um programa de exercícios usando vídeo games associado à fisioterapia convencional na capacidade funcional em idosos frágeis quando comparado à fisioterapia convencional isolada. 2015. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MONTEIRO JUNIOR, R. S. Efeito do exercício físico baseado em realidade virtual no desempenho cognitivo e funcional, sintomas de depressão e medo de cair em idosos institucionalizados. 2016. Tese (Doutorado em Medicina) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

MOREIRA, J. S. Efeito da educação alimentar e nutricional associada a exergames sobre percepção de alimentação saudável e qualidade muscular de idosas. 2018. Dissertação (Mestrado emAlimentação e Nutrição) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

NAKAMURA, A. L. Exergames: jogos digitais para longeviver melhor. 2015. Dissertação (Mestrado em Tecnologia da Inteligência e Design Digital) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

NUNES, M. B. Running Wheel: proposta e análise de um exergame motivacional para corrida. 2014. Dissertação (Mestrado em Computação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

OLIVEIRA, P. F. de. Efeito da prática de exergame no desempenho funcional e alteração de temperatura da articulação do ombro de pacientes com câncer. 2017. Dissertação (Mestrado em Biociências Aplicada à Saúde) – Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, 2017.

PATRICIO, D. S. Gamificação: uma ferramenta para aumentar a frequência de atividade física em adolescentes com excesso de peso. 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2017.

PEREIRA, F. C. Exergames: fator motivacional para a prática de atividades físicas. 2016. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2016.

PESQUISA GAME BRASIL. Pesquisa Game Brasil 2019. 2019. Disponível em: https://www.pesquisagamebrasil.com.br/. Acesso em: 20 jun. 2019.

PONTE, J. M. Efeitos de um programa de cinesioterapia por meio de interação virtual em mulheres idosas. 2013. Dissertação (Mestrado em Envelhecimento Humano) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2013.

QUEIROZ, B. M. de. Efeitos do exercício físico com exergames e em ergômetros no desempenho motor de idosos. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing, 2018. Disponível em: https://www.r-project.org/

RAIMUNDO, J. Z. Comparação do desempenho de idosos fisicamente ativos com idosos sedentários em exergames. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, 2017.

RIBEIRO, S. D. C. O uso do exergame como ferramenta digital de aprendizagem no apoio à prática da Educação Física na escola pública de Tempo Integral. 2015. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2015.

SALGADO, K. R. Press start: os exergames como ferramenta metodológica no ensino do atletismo na educação física escolar. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

SANTOS, M. R. S. Serious game no tratamento de obesidade infantil: uma proposta de ambiente virtual com monitoramento remoto. 2014. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

SCHIER, A. R. de M. Videogames e Saúde Mental: novas possibilidades de intervenção com o uso da tecnologia. 2018. Tese (Doutorado em Psiquiatria e Saúde Mental) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

SCHROEDER, R. B. Wobu-bble: Jogo Sério para o Equilíbrio Dinâmico de Pacientes com Hemiparesia. 2017. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, 2017.

SILVA, F. F. da. Caracterização Eletromiográfica do Quadríceps Femoral em Ambiente Simulado pelo Console Nintendo WII®. 2016. Tese (Doutorado em Engenharia Biomédica) – Universidade Camilo Castelo Branco, Sâo Paulo, 2016.

SOUZA, T. R. de. Gasto energético e volume total de atividade física durante a prática de jogos eletrônicos ativos. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

SOUZA, K. O. Efeitos dos exergames no perfil psicomotor de crianças com síndrome de Down. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

SPANHOL, M. R. Parâmetros bioquímicos e funcionais de idosos praticantes de exercício físico regular versus realizado com exergames. 2017. Dissertação (Mestrado em Envelhecimento Humano) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2017.

TRIPPO, K. V. Projeto postura legal: por uma educação postural integrada numa abordagem Walloniana. 2013. Dissertação (Mestrado em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2013.

VAGHETTI, C. A. O. Exergames em rede: a Educação Física no cyberspace. 2013. Tese (Doutorado em Ciências: Química da Vida e Saúde) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2013.

VAGHETTI, C. A. O.; BOTELHO, S. S. da C. Ambientes virtuais de aprendizagem na Educação Física: uma revisão sobre a utilização de exergames. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 64–75, 2010. Disponível em: http://cienciasecognicao.tempsite.ws/revista/index.php/cec/article/view/292. Acesso em: 20 fev. 2019.

YANG, S.; OH, Y. Defining Exergames & Exergaming. Proceedings of Meaningful Play 2010, Michigan, p. 1–17, 2010. Disponível em: http://meaningfulplay.msu.edu/proceedings2010/mp2010_paper_63.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

Publicado
2020-03-30
Edição
Seção
Artigos