Atualização de mapa territorial em Unidade Básica de Saúde, com utilização de técnica de geoprocessamento: um relato de experiência

  • Samir Pacheco Rios Duarte UNEB
  • Géssica Souza de Almeida UNEB
  • Bianca Souza Bacelar Lima UNEB
  • Eliana Maria de Carvalho UNEB

Resumo

A atenção básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde em um determinado território.Portanto este trabalho teve como objetivo desenvolver o geoprocessamento e georreferenciamento para a atualização do mapa territorial da área de abrangência da Unidade de Saúde de Missão de Sahy, território da zona rural do município de Senhor do Bonfim-BA. Este relato de experiência foi realizado por quatro discentes do curso de Enfermagem da Universidade Estadual da Bahia como atividade do Estágio Supervisionado I na Atenção Primária em Saúde. A construção do mapa trouxe informações espaciais e geográficas, como também informações e caracterização da população no sentido de compreender o território e sua população, facilitando melhor diagnóstico da situação de vida da comunidade trazendo possibilidades para uma gestão mais próxima da realidade dos problemas locais, além de considerar o mapa como ferramenta tecnológica necessária na rotina das Unidades Básicas de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE.(2017). Portaria nº 2436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica. Brasilia, DF.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção a saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontanea – Brasilia: Ministerio da saúde, 2011. 56 p: il.

MAFUANI, F. Estágio e sua importância para a formação do universitário. Instituto de Ensino superior de Bauru. 2011.

JUSTO, .L G. et al. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s.l.], v. 21, n. 1, p.1345-1354, 2017. FapUNIFESP (SciELO).

FERRETTI, F et al. Sleep quality in the elderly with and without chronic pain. Brazilian Journal Of Pain, [s.l.], v. 1, n. 2, p.141-146, 2018.GN1 Genesis Network.

SOUZA, L D A dos S. Missão do Sahy : Hãm ha Topa, yãymaih xix ayuhuk (Terra de Deus, índios e não-índios) / por Leila Damiana Almeida dos Santos Souza. - 2013. 129 f.: il.

GUIMARÃES, R. B. Geografia e saúde coletiva no Brasil. Saúde e Sociedade, [s.l.], v. 25, n. 4, p.869-879, dez. 2016. FapUNIFESP (SciELO).

MOREIRA, K. F. A.et al. (2019). Aprendendo, ensinando e mapeando território: vivências de acadêmicos de

enfermagem. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(4), e240.

CAMINHA, N. de O et al. O perfil das puérperas adolescentes atendidas em uma aternidade de referência de Fortaleza-Ceará. Esc.Anna Nery [online].2012, vol.16, n.3, pp.486-492.ISSN 1414-8145.

REBOLLEDO EAS, NETO FC, GIATTI LL. Experiencias, beneficios y desafíos del uso de geoprocesamiento para el desarrollo de la atención primaria de salud. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e153.

PINA, M de F de Conceitos básicos de Sistemas de Informação Geográfica e Cartografia aplicados à saúde. Maria de Fátima de Pina e Simone M. Santos. Brasília: OPAS, 2000.

PINTO, L. F.; ROCHA, C. M. F. Inovações na AtençãoPrimária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologiade comunicação e informação para apoio à gestão local.Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, p.1433-1448,2016.

Publicado
2020-03-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 326
  • PDF downloads: 444
Edição
Seção
Artigos