ENERGIA E SUSTENTABILIDADE: PANORAMA DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

Palavras-chave: Sustentabilidade, Energia, Matriz Energética, Fluxo Energético

Resumo

A dependência energética da sociedade atual alinhada com a crescente degradação ambiental potencializa a escassez de recursos, colocando no cerne das discussões contemporâneas temas relacionados a sustentabilidade. Para possibilitar o emprego de práticas sustentáveis em uma região é necessário compreender como é organizada sua matriz energética. O presente estudo objetiva fornecer um panorama da matriz energética brasileira em comparação as práticas realizadas a nível mundial. Para atingir o objetivo proposto foi adotado um estudo teórico com classificação procedimental de pesquisa bibliográfica e documental. Sendo assim, abrangidos os seguintes fatores para análise: oferta e destinação da energia mundial e nacional; níveis de emissão de dióxido de carbono por setor de aplicação; e o histórico, projeções e expectativas de fomento a energias renováveis no Brasil. Os resultados alcançados permitiram posicionar o país em relação ao nível mundial de práticas sustentáveis no ramo de energia, esboçando de forma percentual e gráfica como são utilizadas estas fontes energéticas de maneira setorial, além de expor como as práticas de um governo em relação ao estimulo ao uso de energias sustentáveis e com baixo teor de emissão de gases do efeito estufa podem alterar a matriz energética de um país. Por fim, o trabalho demonstra que a metodologia adotada permitiu  a consolidação de um alinhamento lógico entre os fatores estudados, sendo proposto a realização de um estudo para levantamento de quais recursos tecnológicos o Brasil tem domínio e expertise, para que possam ser utilizados em larga escala para aumentar a eficiência energética dos setores que mais demandam o consumo final de energia no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Miguel dos Santos, Universidade de Taubaté - UNITAU
Engenheiro Eletricista, graduado pela Universidade de Taubaté (2017), pós-graduado em nível Lato-Sensu em Engenharia de Desenvolvimento de Projetos Eletrônicos, pela Faculdade Cidade Verde (2018), pós-graduado em nível Lato-Sensu em Engenharia de Controle e Automação Industrial pela Faculdade Única de Ipatinga (2019). Mestrando em Gestão e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Taubaté. Atualmente atua como mecânico de instrumentos de aeronaves no Batalhão de Manutenção e Suprimento de Aviação do Exército. Experiência como instrutor de disciplinas de sistemas aviônicos de aeronaves convencionais e modernizadas pelo Centro de Instrução de Aviação do Exército. Possui experiência em projetos de instrumentação eletrônica de aeronaves para extração de dados. 
Marilsa de Sá Rodrigues, Universidade de Taubaté - UNITAU
Possui graduação em Psicologia pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras (1975), mestrado e doutorado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie Professor assistente III da Universidade de Taubaté.Coordenadora da linha de pesquisa em gestão de recursos socioprodutivos. Líder do grupo de pesquisa em Planejamento, Gestão e Desenvolvimento de Carreiras em âmbito Regional. Tem experiência na área de Psicologia Organizacional e Gestão de Pessoas, atuando principalmente nos seguintes temas: habilidades sociais, carreira e diagnóstico organizacional. Participa do GT- Relações Interpessoais e Competência Social ANPEPP.
Monica Franchi Carniello, Universidade de Taubaté - UNITAU
Possui graduação em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1993), mestrado em Comunicação e Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2000) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005), pós-doutorado pela Universidade Metodista (2010) e pós-doutorado pela Universidade do Minho - Portugal (2015). Atualmente é professora assistente doutora da Universidade de Taubaté, onde atua no Departamento de Comunicação Social, no Mestrado Profissional em Gestão e Desenvolvimento Regional e no Mestrado Acadêmico em Planejamento e Desenvolvimento Regional e da Faculdade de Tecnologia de Pindamonhangaba (FATEC). Tem experiência na área de Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação e desenvolvimento regional, capital social, comunicação e território, comunicação pública e governamental. 

Referências

Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Fatores de Conversão. Brasilía, 2020. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br. Acesso em: 20 mai. 2020.

BIGARANI, F. A.; ZAPPAROLI, I. D.; DO NASCIMENTO, S. P. Relação mundial per capita entre renda e emissão de dióxido de carbono. Economia & Região, v. 2, n. 2, p. 25-47, 2015.

BRASIL. Lei n° 13.263, de 23 de março de 2016. Estabelece os Percentuais de Adição de Biodiesel ao óleo Comercializado no Território Nacional. Presidência da República. Brasília, DF, 23 mar. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13263.htm. Acesso em: 26 mai. 2020.

BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Editora Garamond, 2018.

CARDOSO JR, J. C.; NAVARRO, C. A. O Planejamento Governamental no Brasil e a experiência recente (2007 A 2014) do programa de aceleração do Crescimento (PAC). 2016.

DONEV, J. Energy Education - Total Primary Energy Supply. University of Calgary. Calgary, 2017. Disponível em https://energyeducation.ca/encyclopedia/Total_primary_energy_supply. Acesso em 11 mai. 2020.

DRUMM, F. C. Poluição atmosférica proveniente da queima de combustíveis derivados do petróleo em veículos automotores. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 18, n. 1, p. 66-78, 2014.

FIRMIANO, M. R. A relação entre consumo de energia, emissão de CO2 e crescimento econômico no Brasil: análises para o período de 2000 a 2013. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. Disponível em http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/33994/1/2015_tcc_%20mrfirmiano.pdf. Acesso em 11 mai. 2020.

FREIRE, L. Energias renováveis complementares: benefícios e desafios. 2014.

GOLDEMBERG, J. Energia e Sustentabilidade. Revista de Cultura e Extensão USP, v. 14, p. 33-43, 2015.

International Energy Agency (IEA). Data and Statistics. Paris, 2020. Disponível em https://www.iea.org/data-and-statistics. Acesso em 11 mai. 2020.

LETCHER, T. M.; WILLIAMSON, A. Forms and Measurement of Energy. 2004.

MANTOVANI, P. R. A.; NEUMANN, P. N.; EDLER, M. A. R. Matriz Energética Brasileira: Em busca de uma nova alternativa. Revista Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 4, n. 1, 2017.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (MME). Balanço Energético Nacional. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.epe.gov.br. Acesso em: 11 mai. 2020.

MORAIS, J. M. ODS 7 - Assegurar o Acesso Confiável, Sustentável, Moderno e a Preço

Acessível à Energia Para Todos. IPEA, 2019. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9205/1/Cadernos_ODS_Objetivo_7.pdf. Acesso em: 11 mai. 2020.

NASCIMENTO, T.; MENDONÇA, A. T. B. B.; CUNHA, S. Inovação e sustentabilidade na produção de energia: o caso do sistema setorial de energia eólica no Brasil. Cadernos EBAPE. BR, v. 10, n. 3, p. 630-651, 2012.

NETO, A. B. F.; CORRÊA, W. L. R.; PEROBELLI, F. S. Consumo de Energia e Crescimento Econômico: uma Análise do Brasil no período 1970-2009. Análise Econômica, v. 34, n. 65, 2016.

PINTO, M. C. O. Uma história de dois PACS: a gestão dos investimentos públicos em infraestrutura a partir do Programa de Aceleração do Crescimento. 2017.

PRODANOV, C. C.; DE FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico-2ª Edição. Editora Feevale, 2013.

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ministério do Planejamento. Brasília, 2018. Disponível em: http://pac.gov.br. Acesso em 24 mai. 2020.

Publicado
2021-01-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 2462
  • PDF downloads: 2090
Como Citar
Santos, R. M. dos, Rodrigues, M. de S., & Carniello, M. F. (2021). ENERGIA E SUSTENTABILIDADE: PANORAMA DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA. Scientia: Revista Científica Multidisciplinar, 6(1), 13-33. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/scientia/article/view/9396