PSICOLOGIA E SUSTENTABILIDADE EM DIÁLOGO: UM OLHAR TRANSPESSOAL

  • Ana Maria Amorim Assis de Melo Universidade do Estado da Bahia
  • José Bonifácio do Amparo Sobrinho Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Psicologia transpessoal, Sustentabilidade, Sociedade sustentável, Psicologia

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de identificar os aspectos e as demandas levantadas pela Psicologia ao tema Sustentabilidade. Para isto se utilizou o método de revisão integrativa, que visa a síntese crítica da literatura de forma integrada e, com isso, gerar novas perspectivas ao tema. A partir destas informações identificou as articulações entre a Psicologia Transpessoal e a Sustentabilidade presentes na literatura no Brasil, propondo sugestões operacionais para a aplicação teórica à prática de profissionais doutrinados nesta abordagem. A pesquisa foi encaminhada a partir da revisão de artigos que apresentam as contribuições da Psicologia ao tema Sustentabilidade, e com livros vinculados à formação da sociedade sustentável sob a perspectiva das orientações das matrizes teóricas da psicologia Transpessoal. A análise dos resultados foi realizada a partir da abordagem qualitativa, apontando categorias que favorecem a identificação do estado de arte acerca do fenômeno Sustentabilidade, a partir do embasamento teórico Transpessoal, bem como a integração das demandas identificadas no campo, apresentadas em tópicos reflexivos. Este documento está organizado em 5 seções: a primeira introduz a discussão, sendo seguida pela descrição metodológica. Os resultados são apresentados na terceira seção, a partir da classificação dos estudos associados à contribuição da Psicologia para a Sustentabilidade, e à Psicologia Transpessoal para a Sustentabilidade e mapeamento das categorias de análise sugeridas pelos autores, a saber: alienação, identidade, responsabilidade individual, autogestão comunitária, corpo e memória muscular, sustentabilidade afetiva, democracia, e ação no meio rural e no meio urbano; Na quarta seção é proposta a discussão dos achados, organizados em torno dos tópicos temáticos "Sociedade Sustentável”, “Psicologia e Sustentabilidade", e "Psicologia Transpessoal: a percepção integral do ser sustentável”. Neste último é sugerida a operacionalização do Mapa da Sustentabilidade como recurso técnico na utilização da Psicologia Transpessoal à Sustentatilidade. Por fim, na quinta seção são realizadas as considerações finais, as críticas e encaminhamentos de futuras pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Amorim Assis de Melo, Universidade do Estado da Bahia
Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), com ênfase em processos clínicos e de saúde. Tem experiência em Avaliação Neuropsicológica e habilitação cognitiva. Atua em Psicologia Clínica. 
José Bonifácio do Amparo Sobrinho, Universidade do Estado da Bahia
Doutorando e Mestre em Psicologia Social e do Trabalho pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), com formação em Gestalt-Terapia pelo Instituto de Gestalt-Terapia da Bahia (IGTBA). Atualmente leciona componentes associados à Psicologia Social e Abordagens Fenomenológico-existenciais na Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

BERNARDES, J. de S. A Formação em Psicologia Após 50 Anos do Primeiro Currículo Nacional da Psicologia – Alguns Desafios Atuais. Psicologia: Ciência e Profissão, 32 (num. Esp.), 216-231, 2012. Disponível em <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6134978>. Acesso em: 30/11/2018.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é, o que não é. 4. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

BOTARELLI, A. O Psicólogo nas políticas de proteção social: uma análise dos sentidos e da práxis. São Paulo, 2008 (Tese de Doutorado) Programa de Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Disponível em: <https://tede.pucsp.br/bitstream/handle/17265/1/Adalberto%20Botarelli.pdf>. Acesso em: 16/12/2018.

CORRÊA, D. A.; BASSANI, M. A. Cuidado ambiental e responsabilidade: possível diálogo entre Psicologia Ambiental e Logoterapia. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 20, n. 4 p. 639-649, out./dez, 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/28453/pdf>. Acesso em: 07/10/2018.

FUKS, M. Refleções sobre o paradigma da economia ecológica para a gestão ambiental. Estudos Avançados, 26 (74), Rio de Janeiro, 2012 . Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v26n74/a08v26n74.pdf>. Acesso em: 16/12/2018.

HUSSERL, E. Ideias para uma Fenomenologia Pura e para uma Filosofia Fenomenológica. São Paulo: Ideias & Letras. 2006.

KUHN, T. S. The Structure of Scientific Revolutions. University of Chicago Press, Chicago, 1962.

MACIEL, T. M. F. B.; ALVES, M. B. A importância da Psicologia Social Comunitária para o Desenvolvimento Sustentável. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 10(2), São João del-Rei, jul./dez, 2015. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ppp/v10n2/05.pdf>. Acesso em: 07/10/2018.

MALVEZZI, M. Identidade e sustentabilidade: os caminhos do homem-fronteira na atualidade. Psicologia & Sociedade, 29, e171993, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e171993.pdf>. Acesso em: 01/10/2018.

MANSANO, S. R. V. Espaço urbano, natureza e relações sociais: por uma sustentabilidade afetiva. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 17(3), 49-59. São Paulo, SP, jan.-abr. 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v18n1/04.pdf>. Acesso em: 07/10/2018.

MANSANO, S. R. V.; CARVALHO, P. R. Psicologia, Filosofia e Meio Ambiente: delineando o conceito de sustentabilidade afetiva. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro v. 16 n. 3 p. 696-714, 2016. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/31445/23372>. Acesso em: 07/10/2018.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Nova Cultura, 1996.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda 21. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21>. Acesso em: 20/10/2017.

NINIS, A. B.; BILIBIO, M. A. Homo sapiens, homo demens e homo degradandis: a psiquê humana e a crise ambiental. Psicologia & Sociedade; 24 (1), 46-55, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24n1/06.pdf>. Acesso em: 01/10/2018.

ROYSEN, R. O corpo e a adoção de práticas sustentáveis: estudo de caso em uma ecovila. Psicologia & Sociedade, 30, e164236, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v30/1807-0310-psoc-30-e164236.pdf>. Acesso em: 01/10/2018.

SALDANHA, V. A Psicoterapia Transpessoal. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1999.

SMUTS, J. C. Holism and evolution. New York: The Gestalt Journal Press, 1996.

TORRACO, R. J. Writing Integrative Literature Reviews: Guidelines and Examples. Human Resource Development Review, 4(3), 356-367, 2005. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1534484305278283>. Acesso em: 01/10/2018.

Weil, P. Holística: Uma Nova Visão e Abordagem do Real. São Paulo: Palas Athena, 1990.

WILBER, K. A Visão Integral: Uma Introdução à Revolucionária Abordagem Integral da Vida, de Deus, do Universo e de Tudo Mais. São Paulo: Cultrix, 2008.

Publicado
2021-01-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 392
  • PDF downloads: 559
Como Citar
Amorim Assis de Melo, A. M., & do Amparo Sobrinho, J. B. (2021). PSICOLOGIA E SUSTENTABILIDADE EM DIÁLOGO: UM OLHAR TRANSPESSOAL. Scientia: Revista Científica Multidisciplinar, 6(1), 164-182. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/scientia/article/view/8931