CRISTALIZAÇÕES SOCIAIS: UM OLHAR SOBRE O SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO

Palavras-chave: Prisões brasileiras. Ressocialização. Norma hegemônica. Poder.

Resumo

O estudo intitulado “Cristalizações sociais: um olhar sobre o sistema prisional brasileiro” busca descrever como ocorreu e ainda ocorre a naturalização de determinados discursos, cristalizando-os no status de verdade. Esse fenômeno denuncia a urgência de uma reavaliação acerca da real função das prisões brasileiras e do seu modo de ressocialização. Tendo em vista tais inquietações, a questão motivadora da pesquisa é: Como cristalizações sociais atravessam nossa sociedade e se manifestam no sistema prisional brasileiro? Para a realização deste estudo foi adotada a metodologia de pesquisa bibliográfica de natureza qualitativa. Os dados que estruturam o trabalho foram coletados por meio de livros, periódicos, revistas cientificas, relatórios do Ministério da Justiça e sites do Governo. A pesquisa aponta que o poder é relacional e circula no meio social impondo aos indivíduos classificados como desviantes da norma hegemônica a severidade da ideologia das camadas dominantes. Aqui se coloca a importância da produção de uma análise crítica acerca do sistema prisional brasileiro, visto que sua uma população é majoritariamente composta por jovens negros de baixa escolaridade, o que acoima uma configuração prisional voltada para atender objetivos específicos da sociedade, cujos critérios não coadunam com a pretensa ideia de ressocialização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ueliton Andre Santos Silva, Universidade do Estado da Bahia
Mestrando em Crítica Cultural pela Universidade do Estado da Bahia-Campus II. Graduado em Psicologia pelo Centro Universitário UNIRB. Integrante do Grupo de Estudos em Resiliência, Educação e Linguagens-GEREL/CNPq-UNEB.  Apresenta interesse por estudos ligados aos seguintes temas: Educação, ensino-aprendizagem, desenvolvimento humano e letramento sociocultural.

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo, 10ª edição, Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2007.

ANDRADE, U. S. de; FERREIRA, F. F. Crise no Sistema Penitenciário Brasileiro: capitalismo, desigualdade social e prisão. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, Salvador. 2015. Disponível em:<https://www5.bahiana.edu.br/index.php/psicologia/article/viewFile/537/537>. Acesso em 20 de junho de 2018.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Geral. Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil / Secretária-Geral da Presidência da República e Secretaria Nacional de Juventude. – Brasília: Presidência da República, 2015. Disponível em:< https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/01/Mapa_do_Encarceramento_-_Os_jovens_do_brasil.pdf>. Acesso em 20 de fevereiro de 2020.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: Teorias da sujeição. Tradução de Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Editora Autentica, 2017.

CANDIOTTO, Cesar. Disciplina e segurança em Michel Foucault: a normalização e a regulação da delinquência. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2012. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24nspe/04.pdf>. Acesso em 18 de março de 2020.

DEPEN. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Dezembro de 2019. Atualizado em 09 de abril de 2020. Disponível em:< http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen>. Acesso em 22 de maio de 2020.

________. Levantamento nacional de informações penitenciárias Infopen - junho de 2014. Ministério da Justiça, 2014. Disponível em:< https://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf>. Acesso em 22 de abril de 2020.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2008.

___________. A Ordem do Discurso. 13 ed. Tradução Laura F. A. Sampaio. São Paulo: Loyola, 2006.

__________. As Verdades e as formas Jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2002.

__________. História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

__________. Vigiar e punir: Histórias da Violência nas Prisões. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

MELO, Z. M. (2005). Os Estigmas: a deterioração da identidade social. Unicap. Disponível em: <http://www.sociedadeinclusiva.pucminas.br/anaispdf/ estigmas.pdf>. Acesso em: 18 de junho de 2018.

MOUTINHO, J. J. U; PUCKAR, P. de O. C. Humanização: Contribuições para o processo de reintegração social de presos. Psicologia.pt. 2017. Disponível em:<http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1074.pdf.> Acesso em 22 de junho de 2018.

SILVA, Ueliton André dos Santos; SANTOS, Jandira Dantas. Sistema prisional brasileiro: história, memória e novas contribuições no processo de construção social. Revista Scientia, v. 3, n.8, p. 64-78, 2018. Disponível em:< https://revistas.uneb.br/index.php/scientia/issue/viewIssue/Revista%20Scientia%20n.8/372>. Acesso em 20 de abril de 2020.

Publicado
2020-09-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 11
  • PDF downloads: 11