MORTALIDADE POR ESQUISTOSSOMOSE MANSONI NO ESTADO DE PERNAMBUCO NO PERÍODO 2011 A 2019

Palavras-chave: Esquistossomose, Mortalidade, Vulnerabilidade

Resumo

A esquistossomose mansoni é uma doença negligenciada de importância na saúde pública no Brasil atingindo principalmente as populações mais vulneráveis no Nordeste, sendo Pernambuco um dos estados com elevada magnitude para a mortalidade por esquistossomose no Brasil. Este trabalho objetivou analisar a mortalidade por esquistossomose no estado de Pernambuco entre 2011 e 2019. Trata-se de um estudo observacional descritivo que utilizou dados secundários de domínio público para a produção dos resultados. Verificou-se que a taxa de mortalidade se mantém com importância no estado sendo de 1,89 por 100 mil habitantes no período estudado, sendo mais expressiva na Zona da Mata, chegando a 4,37, em 2015. Apresentou uma maior mortalidade nas faixas etárias acima de 40 anos, com um significativo APVP no período (10.280,95), atingindo mais a população feminina (53%), a cor/raça parda, com menos de 3 anos (58%) de estudo. A mortalidade por esquistossomose vem diminuindo ao longo do tempo com o avanço da tecnologia e medicina, através de diagnóstico e tratamentos mais eficazes e das melhorias nas condições de vida, contudo ainda apresenta uma expressiva mortalidade uma vez que poderia ser evitada através da promoção a saúde, com políticas públicas intersetoriais, diminuindo a vulnerabilidade social e programática.

 

 

Palavras chaves: Esquistossomose, mortalidade, vulnerabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edvania Maria da Silva, Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Pernambuco - Brasil

Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade de Pernambuco.

Ednaldo Luiz da Silva, Mestrando em Educação Física pela Universidade Federal de Pernambuco - Brasil

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Jaizyara Mary Silva, Mestranda em Hebiatria pela Universidade de Pernambuco - Brasil

Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade de Pernambuco.

Márcia Andrea Oliveira da Cunha, Professora na Universidade de Pernambuco - Brasil

Doutora em Saúde Pública pelo Instituto Aggeu Magalhães – FIOCRUZ. Sanitarista da Secretaria de Saúde do Recife.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Campos JV. Aspectos Epidemiológicos e Distribuição Espacial dos Portadores de Esquistossomose Atendidos no Hospital das Clínicas – Pernambuco no período de 2010 a 2012 [dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2014. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12968.

Silva PCV, Domingues ALC. Aspectos epidemiológicos da esquistossomose hepatoesplênica no Estado de Pernambuco, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2011; 20(3):327-36. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/rev_epi_vol20_n3.pdf

Barbosa CS, Silva CB, Barbosa FS. Esquistossomose: reprodução e expansão da endemia no Estado de Pernambuco no Brasil. Rev. Saúde Pública. 1996; 30(6): 609-16;1996. Dispponível em: https://www.scielo.br/j/rsp/a/xJHBf5B7NnLr3SLNV6bW56y/?lang=pt

Leite B HS, Rodrigues GGP, Fernandes VV Medeiros CS, Correia AA, Souza IFAC. Incidência de Esquistossomose Mansônica em Pernambuco no Período Compreendido entre 2010 a 2016. Cad Ciências Biológicas e de Saúde. 2017, 3(2): 57. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/facipesaude/article/view/5156.

Marcelino JMR. Avaliação da implementação das ações de vigilância epidemiológica da esquistossomose mansoni: um estudo de caso no município de União dos Palmares, AL [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2010. Disponível em: www.bvssp.icict.fiocruz.br

Barbosa CS, Favre TC, Amaral, RS, Pieri OS. Epidemiologia e controle da Esquistossomose mansoni. In: Carvalho OS, Coelho PMZ, Lenzi HL, orgs. Schitosoma mansoni e esquistossomose: uma visão multidisciplinar. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008, 964-1008. Disponível em: https://books.scielo.org/id/37vvw/pdf/carvalho-9788575413708-35.pdf

França, RF. Análise do impacto do Programa Sanar nas ações de controle da esquistossomose em municípios endêmicos no estado de Pernambuco [dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/25508.

Melo, CB. Mapeamento das condições ambientais favoráveis ao desenvolvimento da esquistossomose na região sul do estado de Sergipe [tese]. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe; 2014. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFS-2_6c0020a60e55a95a12cf2f33ad0ab06b

Secretaria Estadual de Saúde (PE). Esquistossomose, guia operacional para a redução em Pernambuco. Pernambuco: Secretaria Estadual de Saúde; 2012.

Cavalcanti YW, Pereira AC. Epidemiologia como Ferramenta de Pesquisa em Saúde. In Batista AUD, Castro RD (org). Métodos e técnicas de pesquisa aplicadas à odontologia. João Pessoa: Editora UFPB; 2019. Disponível em: http://www.editora.ufpb.br/sistema/press5/index.php/UFPB/catalog/view/147/573/3032-1

Bonita R, Beaglehole, R, Kjellström, T. Epidemiologia básica [tradução e revisão científica Juraci A. Cesar]. 2.ed. São Paulo: Santos Editora; 2010

Barata RCB. O desafio das doenças emergentes e a revalorização da epidemiologia descritiva. Rev. Saúde Pública [internet]. 1997 [acesso em 2020 jun 05]; 31(5): 531-7. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsp/a/sxNGQSWzZ37Ry7QM5mwhLJK/?lang=pt

Secretaria Estadual de Saúde (PE). Plano Estadual de Saúde 2020-2023. Conselho Estadual de Saúde [versão preliminar] [internet]. 2010 [acesso em 2020 jun 20]. Disponível em: http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/plano_estadual_de_saude_2020-2023.pdf

Ministério da Saúde (BR) Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM. 2020 [acesso em 2020 jul 15] Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10pe.def.

Resendes APC, Santos RS, Barbosa CS. Internação hospitalar e mortalidade por esquistossomose mansônica no Estado de Pernambuco, Brasil, 1992/2000. Cad. Saúde Pública. 2005, 21(5):1392-1401. Diponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2005.v21n5/1392-1401/

Secretaria Estadual de Saúde (PE). Plano Integrado de Ações para o Enfrentamento às Doenças Negligenciadas no Estado de Pernambuco/ SANAR – 2015 – 2018. Recife: Secretaria Estadual de Saúde; 2015.

Oliveira ECA, Pimentel TJF, Araujo JPM, Oliveira LCS, Fernando VCN, Loyo RM, et. al. Investigação sobre os casos e óbitos por esquistossomose na cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, 2005-2013. Epidemiol. Serv. Saúde. 2018, 27(4): e2017190. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742018000400020

Ferreira ILM, Silva TPT. Mortalidade por Esquistossomose. Rev Patologia Tropical. 2007, 36(1): 67-74. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/iptsp/article/view/1817

Publicado
2021-11-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 109
  • PDF downloads: 150
Como Citar
Silva, E. M. da, Silva, A. C. C. da, Silva, E. L. da, Silva, J. M., & Cunha, M. A. O. da. (2021). MORTALIDADE POR ESQUISTOSSOMOSE MANSONI NO ESTADO DE PERNAMBUCO NO PERÍODO 2011 A 2019. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e11210. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/11210
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)