O álbum de guerra de Flávio de Barros

da história à memória (1897-2022)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v12n2.p117

Palavras-chave:

Memoria, Canudos, Fotografias de guerra, Euclides da Cunha, Sertão

Resumo

A partir da análise cruzada de algumas fotografias do álbum Canudos de Flávio de Barros e da informação biográfica sobre o "fotógrafo expedicionário", é possível compreender como estas imagens de propaganda de guerra se tornaram fontes históricas de valor etnográfico no século XX, quando foram incluídas na primeira edição de Os Sertões, em 1902, e ainda mais a partir da década de 1980, quando essas imagens têm sido utilizadas por historiadores e empresários de memória que, em Canudos, intentam reabilitar a experiência de vida comunitária que foi Belo Monte.

[Recebido em: 20 nov. 2022 – Aceito em: 15 dez. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rozeaux Sebastien, Universidade Toulouse Jean Jaurès - UT2J/França

É professor adjunto de história moderna e contemporânea na universidade Toulouse Jean Jaurès (França), e membro do laboratório Framespa. Especialista em história do Brasil contemporâneo, trabalha nas áreas da história cultural, da história social e da história ambiental. É membro do conselho consultivo da Revista do Instituto histórico e geográfico brasileiro e diretor da revista e-Storia. Além de artigos publicados em revistas na França, em Portugal e no Brasil, escreveu dois livros, Préhistoire de la lusophonie. Les relations culturelles luso-brésiliennes au 19e siècle (em 2019, livro que será publicado em português pela Hucitec no decorrer do ano) e Letras Pátrias. Les écrivains et la création d’une culture nationale au Brésil (2022). Nos últimos anos anda pesquisando novos terrenos, nos sertões do Nordeste. Este artigo inscreve-se no projeto mais amplo de escrita de um livro sobre a história e a memória de Canudos.

Referências

ALMEIDA, Cícero Antônio F. de. O álbum fotográfico de Flávio de Barros: memória e representação da guerra de Canudos. História, Ciências, Saúde-Manguinhos [online]. 1998, v. 5, n. suppl [Acessado 4 Novembro 2022], pp. 305-315. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59701998000400017.

ARQUEOLOGIA e reconstituição monumental do Parque Estadual de Canudos. Salvador, BA: UNEB, 2002.

BARROS de, Flávio. Álbum Canudos, 1897 (IBHB, Salvador da Bahia).

BARTHES, Roland. La chambre claire. Note sur la photographie. Paris: Cahiers du cinéma/Gallimard/Seuil, 1980.

BOAVENTURA Edivaldo. O Parque estadual de Canudos. Salvador: SCTB, 1997.

BUSCATTO Marie. Voyage du côté des «perdants» et des «entrepreneurs de mémoire». Ethnologie française, 2006/4 (Vol. 36), p. 745-748. DOI: 10.3917/ethn.064.0745

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 3. Ed. Rio de Janeiro: Laemmert, 1905.

DANTAS, Paulo. Nordeste – 1955. Revista Brasiliense, janeiro-fevereiro, 1956, p. 49-63.

FOLIARD, Daniel. Combattre, punir, photographier. Empires coloniaux, 1890-1914. Paris: La Découverte, 2020.

HORCADES, Alvim Martins. Descrição de uma viagem a Canudos. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 1996.

LAGO, Bia e Pedro Corrêa do. Brésil. Les premiers photographes d’un empire sous les tropiques. Paris: Gallimard, 2005.

NEIVA, Luiz Paulo. Canudos: uma nova batalha. Salvador: Universalis Edições, EDUNEB, 2016.

MONTEIRO, Vanessa Sattamini Varão. Canudos: as crianças do sertão como butim de guerra. Rio de Janeiro: PUC-Rio (mestrado), 2007.

PIEDADE, Lelís. Histórico e Relatório do Comitê Patriótico da Bahia (1897-1901). Salvador: Portfolium, 2002. (1. ed., 1901).

RELATORIO dos Trabalhos do Conselho Interino de Governo. Bahia: Typ. do Diario da Bahia, 1882.

ROZEAUX, Sébastien. “Canudos n’existe plus!” Histoire et mémoire d’un urbicide dans le sertão brésilien (1896-1897). In: LE MAO C., CHASSAIGNE P. et LASTÉCOUÈRES C. (dir.). Urbicides, destructions et renaissances urbaines du XVIe siècle à nos jours. Bordeaux: Éditions de la Maison des sciences de l’homme d’Aquitaine, 2021, p. 197-209.

SOARES, Henrique Duque Estrada de Macedo. A Guerra de Canudos. Rio de Janeiro: Tipografia Altina, 1902.

REZENDE, Sérgio. A guerra de Canudos. Produção Morena filme,1996.

VILLA, Marco Antônio. Canudos: o povo da terra. São Paulo: Atica, 1997.

ZAMA, César. Libelo Republicano Acompanhado de Comentários Sobre a Guerra de Canudos. Salvador: Centro de Estudos Baianos da Universidade Federal da Bahia, 1989. (1. ed., 1899).

ZILLY, Berthold. Flávio de Barros, o ilustre cronista anônimo da guerra de Canudos. Estudos Avançados, 13(36), 1999, p. 105-113.

Publicado

2023-02-07

Como Citar

SEBASTIEN, R. O álbum de guerra de Flávio de Barros: da história à memória (1897-2022). Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 12, n. 2, p. 117–138, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v12n2.p117. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/15614. Acesso em: 24 jul. 2024.