Práticas de letramento e a escrita juvenil de estudantes de escolas públicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v12n1.p135

Palavras-chave:

Letramento, Marcas Identitárias, Estudantes-poetas, Escola Pública, Semiárido Brasileiro

Resumo

Este estudo tem por finalidade refletir sobre as escritas juvenis, especialmente, de estudantes poetas oriundos de Escolas Públicas do Semiárido nordestino, levando em conta as marcas de identidades e de letramento como prática social presente em textos de meninas poetas que desenvolvem textos a partir do letramento escolar. Assim, há de problematizar se essas escritas refletem as práticas sociais de letramento para marcar o lugar de fala, por conseguinte, as marcas identitárias de jovens estudantes de Escolas Públicas. E mais. Como os agentes diretamente envolvidos com Educação Pública podem contribuir para potencializar essas escritas juvenis? Para fundamentar este estudo, optamos pelo diálogo de Street (2010; 2014); Hall (2019) e (CERTEAU, 2012). Uma perspectiva de pesquisa bibliográfica e documental de textos com escritas que trazem marcas identitárias de estudantes de Ensino Médio de Escolas Públicas.

[Recebido em: 21 mai. 2022 – Aceito em: 18 jun. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cosme Batista dos Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Pos-doutor em Ciência da Informação pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) e Estágio Sênior/CAPES em Lexiculturologia pela Universidade Católica Portuguesa (UCP), de Braga. Doutor e mestre em Linguística Aplicada pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Possui graduação em Letras pela Universidade de Pernambuco (UPE, 1992). Atualmente é Professor Pleno da Universidade do Estado da Bahia.

Nazarete Andrade Mariano, Universidade Estadual de Pernambuco - UPE

Doutoranda e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural na UNEB – Campus II, especialista em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa (FACINTTER) e Mídias na Educação (UESB/NTE) e graduada em Licenciatura em Letras, Português e Inglês pela UPE - Universidade Estadual de Pernambuco (Campus Petrolina-PE), Campus em que atua como professora assistente no Curso de Letras desde 2019.

Vitor Castro Brito, Universidade Estadual de Pernambuco - UPE

Graduando Letras. UPE, Campus Petrolina.

Referências

GAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honsesko. Chapecó, SC: Asgos, 2009.

CERTEAU, Michel. (1980). A Invenção do Cotidiano 1. Artes de fazer. 18. ed. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

DERRIDA, Jacques. (1930). Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Trad. Marileide Dias Esqueda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

EVARISTO, Conceição. Escrevivências: Identidade, gênero e violência. Belo Horizonte: Idea Editora, 2016.

HALL, S. (1992). A Identidade Cultural na Pós-modernidade. 12. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2019.

MARIANO, A. Nazarete; SANTOS, Camila Batista da dos. Conversa Afiada: um lugar de criação estudantil. Petrolina: Editora Gráfica Franciscana, 2019.

MARIANO, A. Nazarete. Professoras Inventoras: das práticas de invenção docente à pesquisa–formação-ação. Paris: Edilvre, 20l8.

OLIVEIRA, Maria Anória de Jesus. Raça e gêneros: entrelaces versus afirmação identitária negra. In. NGUZU – Ano 1, n. 1, março/julho. Revista do Núcleo de Estudos Afro-Asiáticos (NEAA) da Universidade Estadual de Londrina (UEL). 2011. p. 106-115

OLSON, David R. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. Trad. Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1997.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Jandaíra, 2020.

SANTOS, Cosme Batista dos. Letramento e senso comum: a popularização da linguística na formação do professor. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011.

SOUZA, Ana Lúcia S. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música: hiphop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Linguística e antropologia. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural, v.1. Trad. Betrariz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac & Naify, 2000, p. 79-92.

STREET, Brian. Os novos estudos sobre o letramento: históricos e perspectivas. In: MARINHO, Marilda; CARVALHO, Gildinei (Org.). Cultura Escrita e Letramento.. por. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STREET, Brian. (2014) letramentos sociais: Abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial.

Publicado

2022-08-29

Como Citar

SANTOS, C. B. dos; MARIANO, N. A.; BRITO, V. C. Práticas de letramento e a escrita juvenil de estudantes de escolas públicas. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 12, n. 1, p. 135–154, 2022. DOI: 10.30620/pdi.v12n1.p135. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/15002. Acesso em: 17 abr. 2024.