O AVANÇO DA MILITARIZAÇÃO NAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS: AUTORITARISMO E SILENCIAMENTO X DEMOCRACIA E REFLEXÃO

  • Maria Amélia Silva Nascimento
  • Jailma dos Santos Pedreira Moreira

Resumo

Trata-se de uma reflexão sobre o avanço da militarização na educação brasileira, enfocando, principalmente, as Escolas Cívico-Militares (Ecim). Dessa forma, buscamos tecer algumas reflexões sobre as implicações desse processo na vida dos estudantes, da escola e da sociedade. Para tanto, consideramos atos, planos e documentos oficiais relativos ao assunto e mapeamos artigos, dissertações e teses, que nos forneceram pistas importantes para favorecer nosso debate, assim como apontaram o que já se tem produzido sobre tal temática. Além disso, para nos ajudar a pensar a questão, apoiamo-nos em estudos de pesquisadores da educação e da cultura, tais como: Paulo Freire (1985, 1996, 2005, 2007, 2008), Adorno (1995, 2019), Foucault (2014), Spivak (2010), entre outros. Com os estudos feitos, vários signos apontaram para a falácia da redução da violência e da melhoria do rendimento escolar como justificativas para a imposição da Ecim no território brasileiro. Isto foi demonstrado, na medida em que, de forma violenta, essa militarização tem formatado subjetividades, silenciado sujeitos, através da metodologia disciplinar, hierárquica e autoritária, que anula a palavra, a cultura, o saber do outro. Essa operação traduz sua lógica neoliberal, de mercado e de controle, inviabilizando, portanto, o ambiente democrático e autorreflexivo, que condiz com a educação, enquanto ato emancipador, que ajuda a construir sujeitos e não objetos/peças de uma engrenagem. Por fim, reforçamos a importância de mais estudospesquisas, para que, de fato, se possa refletir sobre que educação, estudantes, sociedade queremos. Se queremos uma escola ou uma cela, uma cadeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-05-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 83
  • PDF downloads: 46