LITERAGINGA: NA CADÊNCIA DA ESCRITA PEFORMÁTICA

LITERAGINGA: IN THE RHYTHM OF THE PERFORMATIVE WRITING

  • Katiane Oliveira UFES
  • Michele Schiffler
Palavras-chave: Literatura. Capoeira. Performance. Literaginga.

Resumo

Literaginga é epistêmica, ao situar a literatura e a ginga como produtora de potência crítica e subjetiva, trazendo questionamentos à produção literária e constituindo uma metodologia, a partir da criação do dispositivo de leitura como análise de literaturas a serem observadas. A noção de literaginga age como instância de movimento, estética e escrita, pois dá vazão à mudança de perspectiva sobre a ideia aqui apresentada. Esse artigo consiste na apresentação de um recurso sinestésico aproximando elementos fortes da memória cultural negro-brasileira, como a capoeira, por seu teor simbólico, para o trato com ferramentas usadas na literatura. Para isso, foi utilizado o aporte teórico dos estudos fomentados pelos aspectos característicos da literatura, que recorreu a Antônio Cândido (2006), a fim de pensar a relação entre literatura e sociedade. Para friccionar os certames relacionados a criação de palavras usou a noção exposta por Guilbert (1975). Para fomentar aos estudos da performance aproximando com a literatura recorreu-se a Graciela Ravetti (2002). Além disso, invocou aos saberes dos mestres de capoeira para refletir sobre a sua importância cultural e social. O objetivo apontou para a verificação cultural do conceito literaginga a fim de construir uma dialética entre capoeira e literatura, compreendendo, o desenvolvimento e o aprofundamento de novas metodologias dos saberes. A metodologia está pautada em estudo bibliográfico, com base em material já elaborado e constituído principalmente de livros e artigos científicos. Os resultados apontam para uma nova categoria de análise que se aproxima das produções literárias contemporâneas negro-brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Schiffler

Possui graduação em Letras (Português/Espanhol) pela Universidade Federal de São Carlos (2002) e mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2006). Doutora em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo (2014), atualmente é pesquisadora no Núcleo de Estudos e Pesquisas Africanidades e Brasilidades (NAFRICAB) e do Grupo de Estudos Bakhtinianos (GEBAKH), da Universidade Federal do Espírito Santo, atuando como Bolsista de Pós-Doutoramento Capes/Fapes, junto ao Programa de Pós-graduação em Linguística (PPGEL UFES). Tem experiência nas áreas de Educação e Linguística Aplicada, com ênfase em Estudos Culturais, atuando principalmente nos seguintes temas: processo educacional formativo, indústria cultural, Teoria Crítica, literatura brasileira, Machado de Assis, história da arte, cultura hispânica, literatura espanhola e hispano-americana, teatro popular, análise do discurso, literatura de resistência, multiculturalismo, cultura e identidade, Pós-Colonialismo, estudos africanos, performances e comunidades tradicionais. Em 2013, participou do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior, Capes, realizando pesquisas junto ao Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Referências

ADORNO, Camille. A arte da capoeira. 6. ed. Goiânia, GO: Kelps, 1999.
ALMEIDA, Gladis Maria de Barcellos. “Neologismos sob um olhar discursivo”. In: MARTINS, Evandro Silva; CANO, Waldenice Moreira; MORAES FILHO, Waldenor Barros (Org.) Léxico e morfofonologia: perspectivas e análises. v. 4. Uberlândia: EDUFU, 2006, p. 105-112.
BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Bernadini et al. 4. ed. São Paulo: Unesp, 1998.
BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 5. ed. Trad. P. Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
CANDIDO, Antonio. “O direito à literatura”. In: __. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 2004. p. 169-191.
CANDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. 9ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.
CAMPOS, Hélio. Capoeira Regional: a escola de Mestre Bimba. Salvador: EDUFBA, 2009.
EVARISTO, Conceição. Olhos d'água. Pallas Editora, 2016.
CRUZ, José Luiz Oliveira. A capoeira angola na Bahia. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 1997.
CUTI, Luiz Silva. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.
DANTAS, Luís Thiago Freire. Filosofia de África: perspectivas descoloniais. Tese (Doutorado em Filosofia). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2018.
DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.
FALCÃO, José Luiz Cirqueira. O jogo da capoeira em jogo e a construção da práxis capoeirana. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia – UFBA, Salvador, 2004.
RAVETTI, Graciela. Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Departamento de Letras Românicas, Poslit/FALE/UFMG 2002
ROSA, Allan Santos da. Reza de mãe. São Paulo: Nós, 2016.
GUILBERT, L. La créativité lexicale. Paris: Larousse, 1975.
História da capoeira; mestre Pastinha e outros mestres, Carolina Canguçu, Produção: TVE 2017. Disponível em: Acesso em: 15 mar. 2020. Mín.1:23).
OLIVEIRA, Josivaldo Pires de; LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. Capoeira, Identidade e Gênero: Ensaios Sobre a História Social da Capoeira No Brasil. Salvador: EDUFBA, 2009.
Sales, Karina Lima Traços da periferia [manuscrito]: Política e performance em produções literárias marginais-periféricas contemporâneas / Karina Lima Sales. - 2019.
SCHIFFLER, Michele Freire. Narrativas machadianas: transcendência e historicidade no processo formaivo / Michele Freire Schiffler. -- São Carlos : UFSCar, 2006. 126 p.
SILVA, Gladson de Oliveira. Capoeira do engenho à universidade. 2. ed. São Paulo: o autor, 1995.
SILVA, Cidinha. Um exu em nova york. 1º ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2018.
SCHCHNER, Richard. Performance theory, revised and expanded edition. New York and London: Routledge, 1994.
TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: Difel, 2009.
ZUMTHOR, Paul. Recepção, performance, leitura. São Paulo: Cosac&Naify, 2012.
Publicado
2023-01-09
Métricas
  • Visualizações do Artigo 16
  • PDF downloads: 31