NAJAT EL HACHMI – DISCURSO DE RESISTÊNCIA E IDENTIDADE NO CONTEXTO DA MIGRAÇÃO

  • Sabriny dos Santos Doutoranda em línguas românticas na Herich-Heine-Universität
Palavras-chave: Najat El Hachmi, Migração, Análise do Discurso, Escrita feminina, Identidade

Resumo

O presente artigo visa analisar o romance La hija extranjera (2015), de Najat  El Hachmi, com o objetivo de verificar como se dá a construção identitária de mulheres migrantes através da narrativa de migração. O estudo ainda procura dar destaque ao discurso de resistência projetado por El Hachmi em sua obra e a reivindicação por uma construção identitária que deixe em evidência a sua própria voz e sua existência enquanto sujeito autônomo. Para tanto, a fundamentação teórica  das  discussões propostas será baseada na perspectiva Análise do Discurso – Patrick Charaudeau (2009) – sobre os conceitos de identidade social e discursiva. Com a análise, foi possível compreender a obra de El Hachmi como uma importante manifestação de resistência. Ao contestar imaginários sobre a mulher migrante a autora coloca em evidência a urgência de se tratar da construção de identidades na migração por uma perspectiva mais plural que leve em consideração a voz migrante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Luciane & NEUMANN, Gerson. A escrita entre mundos de Najat El Hachmi: gênero, política e pertencimento. Revista Conexão Letras,. Vol.13. Porto Alegre 2018, p. 65-76
BUENO, Andrés Montaner & FERNÁDEZ, Eduardo Encabo. Reflexiones sobre la construcción de la identidad cultural a partir del estudio de la novela La hija extranjera de Najat el Hachmi: implicaciones sociales y educativas. In: Europa: identidad, migración y exilio. Espéculo nº 56 UCM – 2016. p. 159-174
CHARAUDEAU, P. Les stéréotypes, c ́est bien, les imaginaires, c ́est mieux. In : BOYER, H. Stéréotypage, stéréotypes : fonctionnements ordinaires et mises en scène. Langue(s), discours. Vol. 4. Paris : Harmattan, 2007. p . 49-63.
CHARAUDEAU, Patrick. Identidade social e identidade discursiva, o fundamento da competência comunicacional In: PIETROLUONGO, Márcia (Org.). O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p. 309-326. Disponível em: . Acesso em: 6 Jan. 2021.
hooks, bell. Talking Back: Thinking Feminist, Talking Black. Boston: South End Press, 1989.
EL HACHMI, Najat. La hija extranjera. Tradução: Rosa María Prats. Barcelona: Planeta, 2015.
HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG/UNESCO, 2003.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 9e.d. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.
PATERSON, J. M. (2015). O sujeito em movimento: pós-moderno, migrante e transnacional. Letras De Hoje, 50(2), 179-184.Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-7726.2015.2.21339 Acesso em: 6 de Janeiro de 2021.
SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
Publicado
2021-08-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 15
  • PDF downloads: 22