MICROFINANÇAS - SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA VERSUS ALCANCE SOCIAL NA ÁFRICA SUBSARIANA

  • Nuno Miguel Teixeira Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal
  • Elves Rodrigues Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal
Palavras-chave: microfinanças, sustentabilidade financeira, alcance social, trade-off, áfrica subsariana

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar a sustentabilidade financeira versus alcance social das instituições de microfinanças na região da Africa Subsariana. A amostra foi constituída por 246 instituições de microfinanças presentes nessa região que têm os seus resultados publicados na base de dados da organização MIX (Microfinance Information Exchange) no ano de 2009, sendo esta a fonte de informação mais completa sobre o setor. Para a realização do estudo, consideraram-se vários indicadores sociais e financeiros de referência para as entidades especializadas na avaliação do desempenho das instituições de microfinanças (como são os casos da MIX e da Planet Rating) e que são normalmente utilizados em trabalhos de investigação similares. De acordo, com os resultados obtidos verificou-se que as instituições com montantes de empréstimos inferiores face ao PIB per capita do respetivo país onde exercem a atividade conseguem ter, um maior alcance social, porque concedem empréstimos de mais pequena dimensão, cujo público-alvo são os clientes com menos rendimentos e abrangem um maior número de mulheres nas operações financeiras que realizam. Evidenciou-se, também, a existência de trade-off entre alcance social e desempenho financeiro, ou seja, as instituições que tinham como público-alvo os mais pobres apresentavam indicadores económicos e financeiros menos positivos. Genericamente, constatou-se que as instituições com maior foco nos mais pobres tinham rendibilidades mais baixas, embora cobrassem taxas de juros mais altas e tivessem melhores indicadores de eficiência na atividade. Relativamente à estrutura financeira, verificou-se que essas instituições não têm tanta capacidade para atrair depósitos e apresentam uma autonomia financeira superior face às outras, possivelmente por terem acesso a donativos e subsídios de fundos perdidos, pois, em média os resultados gerados na atividade são negativos e por si só não garantem a sustentabilidade financeira. Finalmente, estudaram-se as condicionantes do desempenho financeiro das microfinanças na África Subsariana, tendo-se constatado que são sobretudo a dimensão e a eficiência que condicionam a rendibilidade da atividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nuno Miguel Teixeira, Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal
Gestão e Finanças
Elves Rodrigues, Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal
Finanças

Referências

AMBROZIO, A. Microfinanças: Alcance versus Sustentabilidade; Visão do Desenvolvimento nº 67, BNDES, 2008.

BANCO MUNDIAL. New Estimates Reveal Drop In Extreme Poverty 2005-2010; Press Release Nº:2012/297, 2012.

BRAU, J.; WOLLER, G. Microfinance: A Comprehensive Review of the Existing Literature; Journal of Entrepreneurial Finance and Business Ventures; Vol. 9; Nº1; pp. 1-26, 2004.

BORBA, P. Relação entre o desempenho financeiro e desempenho social de instituições de microfinanças na América Latina; Tese de doutoramento; Faculdade de economia, administração e contabilidade; Universidade de São Paulo, 2012.

CGAP. Instituições Financeiras de “duplo resultado”: Implicações Para o Futuro das Microfinanças; periódico Nº8; www.cgap.org, 2004.

COELHO, M.; TAPAJÓS L; RODRIGUES, M. Políticas sociais para o desenvolvimento: superar a pobreza e promover a inclusão; Simpósio Internacional sobre Desenvolvimento Social. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, UNESCO, 2010.

DALTRO, H.; SANTANA, J. Sustentabilidade do Microcrédito: Uma Análise da Experiência do Banese; Brazil, 2010.

DIAS, J.; PSICO, J. O Desempenho Social das Instituições de Microfinanças em Moçambique; Economia Global e Gestão. Lisboa: INDEG-ISCTE; ISSN 0873-7444. XIII:2, 2008.

GIOVANNI, Ferro.; LUZZI, Sylvain. Measuring the Performance of Microfinance Institutions; Genève; Haute Ecole de Gestion de Genève, 2006.

GOIRIA, Jorge ; GOITISOLO, Beatriz. Profitability and social performance of microfinance institutions : empirical evidence of relations between different tupes of variables; Revista de Economia Mundial; Nº 27, 2010.

GONZALEZ, Rodrigo; SAVOIA, José; MONTEIRO, Marcelo; SECURATO, José. Uma Comparação do Desempenho de Instituições Microfinanceiras do Brasil e da América Latina; X Seminário em Administração FEA – USP, 2007.

LEDGERWOOD, J. Microfinance Handbook. A Institutional and Financial Prespective (Sustanaible Banking with Poor); World Bank, 2000.

MAES, P.; REED, L. State of the Microcredit Summit Campaign Report; 2012.

MORDUCH, J. The Microfinance Promise; Journal of Economic Literature Vol. XXXVII; pp. 1569–1614, 1999.

MOUTINHO, Luíz; HUTCHESON, Graeme. Statistical Modelling for Management; SAGE, 2008.

OMRI, Waleed; CHKOUNDALI, Ridha. The convergence between outreach and financial performance in Mediterranean MFI’s: a panel data analysis; Mediterranean and Middle East papers; Springer, 2011.

PINTO, José; CURTO, José. Estatística para economia e gestão: instrumentos de apoio à tomada de decisão; Edições Sílabo, 1999.

PINTO, José; CURTO, José. Estatística para economia e gestão: instrumentos de apoio à tomada de decisão; Edições Sílabo, 1999.

PLANET FINANCE BRASIL. Indicadores de desempenho – Project Planet Finance – NOVIB; Planet Finance, 2008.

PSICO, J. Microfinanças - Solução para o Combate à Pobreza?; Escolar Editora, 2010.

RODRIGO, G.; RICARDO, A. A sustentabilidade das microfinanças solidárias; Revista de Administração - RAUSP, vol. 40; núm. 1; enero-marzo, 2005; pp. 19-33; Universidade de São Paulo; São Paulo; Brasil, 2005.

TEIXEIRA, Nuno. A Rendibilidade e a Criação de Valor; XIII Encuentro AECA – Aveiro, 2008. TEIXEIRA, Nuno. A avaliação do desempenho financeiro no setor das tecnologias de informação; Tese de doutoramento não publicada; ISCTE; Lisboa, 2013.

VINCENT, G. Sustainable Microentrepreneurship:The Roles of Microfinance: Entrepreneurship and Sustainability in Reducing Poverty in Developing Countries; www.gdrc.org, 2002.

Publicado
2013-12-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1108
  • ARTIGO downloads: 218
Seção
Artigos