O Tempo de Aprender na Escola para Aqueles/as que não têm “Tempo a Perder”

Rosemeire Reis

Resumo


Trata-se de uma reflexão sobre o tempo e as atividades para aprender destinados a jovens e pessoas adultas do Ensino Médio na modalidade EJA, a partir de um estudo realizado com estudantes do noturno de uma escola pública em Maceió. Os achados obtidos por questionários, grupo de discussão e entrevistas fazemparte de uma pesquisa quantiqualitativa mais ampla. Os pressupostos teóricos utilizados são asnoções de relação com o saber e com os saberes (Charlot, 2000, 2001, 2009) em suarelação com a concepção de tempo de estudo. Tal concepçãose articula, por sua vez, com seus modos de apropriaçãona sociedade (Norbert Elias, 1998) e os sentidos de aprender na contemporaneidade (Bauman, 2008). Identifica-se que os/as estudantes sentem-se injustiçados por seu tempo de estudo “roubado” quantitativamente, relacionam suas dificuldades para aprender com os modos aligeirados de estudo vivenciados. Há uma grande incidência da concepção de aprender como receber os saberes passivamente, “escutar o que o/a professor/a explica”, e como ter acesso aos conhecimentospara atender demandas instrumentais. Identifica-se que a própria sociedade e as lógicas de organização dos tempos escolares contribuem para essa compreensão, o que não deixa de ser questionado por muitos/as estudantes que reivindicam outros sentidos do que é aprender na escola. 


Texto completo:

PDF

Referências


Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar.

Cambi, F. (1999). História da pedagogia. São Paulo: Editora Unesp.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed Editora.

Charlot, B. (Org.). (2001) Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artmed Editora.

Charlot, B. (2005). Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed.

Charlot, B. (2009). A escola e o trabalho dos alunos. Sísifo, Revista de Ciências da Educação, 10, pp. 89-96.

Elias, N. (1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

Reis, R. (2012, jul. /set.). Experiência escolar de jovens/alunos do ensino médio: os sentidos atribuídos à escola e aos estudos. Educação e Pesquisa, 38(3), pp. 637-652.

Van Zanten, A. (2001). L´école de la périphérie: scolarité et ségrégation en banlieue. Paris: Presses Universitaires de France.

Weller, W. (2006). Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, 32(2), pp. 241-260.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos