Formação dos profissionais de saúde mental para o contexto do Sistema Único de Saúde:

compromisso político e humanístico

  • Ana Carolina Cerqueira Medrado Universidade Federal da Bahia

Resumo

O artigo objetiva identificar na literatura problemas relacionados à formação dos profissionais de saúde mental para o contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como mapear políticas de educação em saúde que busquem solucionar tal problemática, enfatizando o campo da saúde mental. Para tanto, foi feita uma revisão bibliográfica considerando referências da área e documentos oficiais como leis, decretos e portarias. Realizou-se uma retomada histórica da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica, que tiveram como repercussão o SUS e a política de saúde mental em voga no país, respectivamente, visando elucidar as bases ideológicas dos dois movimentos. O texto discorre brevemente sobre as principais problemáticas da formação em saúde no Brasil: hiperespecialização, distanciamento das questões políticas e ideológicas que norteiam o SUS e a Reforma Psiquiátrica, influência das questões mercadológicas, hegemonia de práticas hospitalocêntricas, ideário liberal de saúde. O panorama de ensino apresentado compromete as conquistas sociais alcançadas pelo sistema de saúde brasileiro. Visando modificar essa realidade, o Ministério da Saúde tem atuado em parceria com o Ministério da Educação desenvolvendo políticas como Pró-Saúde, PET Saúde, entre outras, com o intuito de garantir um corpo profissional que responda às demandas de saúde do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Cerqueira Medrado, Universidade Federal da Bahia

Psicóloga; especialista em saúde mental na modalidade Residência Multiprofissional em Saúde (UNEB); mestra em Saúde, Ambiente e Trabalho (UFBA); doutoranda em Psicologia Social (UFBA).

Publicado
2020-12-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 202
  • PDF downloads: 269