Dos fios da memória à tessitura da história

narrativas sobre o Programa de Educação Integrada (PEI) do Mobral no sertão de Alagoas

  • Andresso Marques Torres Universidade Federal de Alagoas
  • Jailson Costa da Silva Instituto Federal de Alagoas
  • Marinaide Freitas Universidade Federal de Alagoas

Resumo

o presente artigo tem como foco o Programa de Educação Integrada (PEI) pertencente ao Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral) criado em 1967 na Ditadura Civil-Militar e implementado nos anos 1970. Esse Movimento teve uma difusão em larga escala por todo território brasileiro, chegando a praticamente todos os municípios brasileiros. As ações do PEI estavam diretamente ligadas à continuidade da escolaridade e visava a então formação primária dos sujeitos oriundos tanto do Programa de Alfabetização Funcional (PAF), também, do Mobral, quanto de pessoas jovens e adultas que não tinham concluído essa etapa escolar. Nesse sentido, e tendo em vista as incursões empíricas já realizadas (Moura; Freitas, 2007; Amorim; Freitas; Moura, 2009; Lima, 2010, Silva, 2013; 2018), situadas nos Centros de Referência em Educação de Jovens e Adultos (EJA), que algumas universidades públicas dispõem, a exemplo a UERJ, com o intuito de garantirem a memória da modalidade, objetivou-se em analisar, por meio das memórias dos sujeitos partícipes, as ações de continuidade da escolarização implementadas pelo PEI no período correspondente à sua atuação (1973-1985) tendo como base o sertão santanense. Com efeito, ao tratar em continuidade fazemos com o sentido de “permanência escolar”, compreendendo-a como possibilidade de “duração e transformação” (Reis, 2009). A pesquisa trilhou os pressupostos teórico-metodológicos da História oral, fundamentando-se nos trabalhos de Alberti (2018); Portelli (2010, 2016), e privilegiou as narrativas memorialistas (Bosi, 1994) dos sujeitos estudantes egressos do PEI, ex-professores, ex-supervisoras, e também as fontes documentais conseguidas na Secretaria Municipal de Educação, do município de Santana do Ipanema. Os dados apontaram que o PEI centrou-se na zona urbana, com ampla matrícula inicial e final (40 a 50 alunos por turma) e a permanência escolar, nesse contexto, relacionou-se à saída dos sujeitos da zona rural e muitos egressos do PEI, para conclusão dos estudos na zona urbana, revelando as “táticas” acionadas pelos sujeitos diante do cenário educacional excludente da época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andresso Marques Torres, Universidade Federal de Alagoas

Mestrando pela Universidade Federal de Alagoas. É membro do Grupo de Pesquisa Multidisciplinar em Educação de Jovens e Adultos/CNPq

Jailson Costa da Silva, Instituto Federal de Alagoas

Professor do Instituto Federal de Alagoas, Campus Piranhas. Líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação de Jovens e Adultos/Ifal/CNPq e Vice-Líder do Grupo de Pesquisa Multidisciplinar em Educação de Jovens e Adultos/Ufal/CNPq. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal de Alagoas

Marinaide Freitas, Universidade Federal de Alagoas

Professora do Centro de Educação, da Universidade Federal de Alagoas, atuando na graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/Ufal). Doutora em Linguística pela Ufal. Líder do Grupo Pesquisa Multidisciplinar em Educação de Jovens e Adultos/Ufal/CNPq

Publicado
2020-12-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 174
  • PDF downloads: 182