AUTOR/AUTORIA EM LIMA BARRETO SOB A ÉGIDE BAKHTINIANA

  • Antonio Victor Silva Bomfim Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Urbano Cavalcante Filho Instituto Federal da Bahia (IFBA)
Palavras-chave: Autor. Autoria. Teoria Bakhtiniana. Lima Barreto.

Resumo

o presente artigo, tem por objetivo analisar e problematizar aspectos sobre autor/autoria na obra Diário íntimo (1956) do pré-modernista Lima Barreto a partir da abordagem da teoria bakhtiniana. Assim, tomamos como foco principal a noção de autor e autoria empreendida por Bakhtin, em especial dos textos/ensaios presentes em Estética da criação verbal (2003) e Questões de literatura e de estética (2010)), com o intuito de evidenciar de que ou quais forma(s) Lima Barreto utilizou tal noção em seus escritos. Nessa esteira discursiva, pesquisas recentes, que se encontram no cerne da temática analisada, têm mostrado que Lima Barreto não utilizou a ficção ou o discurso autoral apenas para confessar, pois isso foi uma leitura promovida pelo cânone literário para rebaixar a obra a uma possível ficção de ínfima qualidade. Nesse sentido, não pretendemos enquadrar a obra de Lima Barreto a partir da vida do autor; ao contrário, evidenciar como ele utilizou o discurso autobiográfico ou ficcional para marcar-se enquanto sujeito da enunciação. A análise empreendida neste trabalho, de caráter bibliográfico e de tipologia qualitativa, alicerçado primordialmente, além da obra do teórico Bakhtin (2003, 2006, 2008, 2010, 2015, 2016), nas contribuições dos trabalhos de Barreto (1956), Faraco (2005), Schwarcz (2017), entre outros/as, nos permite inferir que Lima Barreto deu significação ao texto a partir das particularidades e experiências de sua vida, englobando, simultaneamente, o texto, o contexto e, sobretudo, o leitor, cuja importância estabelecerá uma função precípua em cotejar possíveis sentidos na criação estético-verbal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Victor Silva Bomfim, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Graduando em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), membro do Grupo de Pesquisa Linguagens, Discurso e Sociedade (LINDES - CNPq/IFBA).

Urbano Cavalcante Filho, Instituto Federal da Bahia (IFBA)

Doutor em Língua Portuguesa e Filologia pela Universidade de São Paulo (USP), Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal da Bahia

Referências

BAJTÍN, Mikhail. Yo también soy (Fragmentos sobre el outro). Méjico: Taurus, 2000.
BAKHTIN, Mikhail 2008. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
______. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: editora 34, 2016.
______. [1979]. Autor e personagem na atividade na atividade estética. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 03-192.
______. [1979]. A autobiografia e a biografia. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 164-180.
_____. [1923-1924]. O problema do conteúdo, do material e da forma na criação literária. In: ______. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernardini et al. São Paulo: HUCITEC, 2010.
______. Teoria do Romance I: A estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. São Paulo: 34, 2015.
BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5 ed. Campinas: Pontes Editores, 2005.
BOMFIM, Antonio; SACRAMENTO, Sandra. Profissão de fé e Dom de Iludir: invisibilidade ao direito de fala. Revista Discentis, UNEB, v. 7, n. 2, p. 22-35, ago. 2019. Disponível em: http://revistas.uneb.br/index.php/discentis. Acesso em: 26 de outubro de 2020.
BRAIT, Beth. Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In: BRAIT, Beth. (Org.) Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. São Paulo: Editora da Unicamp, 1997.

BARRETO, Lima. Diário íntimo. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1956.
CANDIDO, Antonio. Iniciação à literatura brasileira. 4 ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2004.
CASTILHO, Denis. Os sentidos da modernização. Boletim Goiano de Geografia. v. 30, n. 02, p. 125-140, jul. 2010. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/bgg/article/view/13802. Acesso em 01 de out. 2019.
FARACO, Carlos. Autor e Autoria. In: BRAIT, Beth. (Org). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.
FIGUEIREDO, Carmem Lúcia Negreiros de. O arquivo e o olhar: da vida literária à rede de imagens culturais. Matraga.Rio de Janeiro, v.14, n.21, jul./dez. 2007.
SOUZA, F. Gralha de. A Belle Époque carioca: imagens da modernidade na obra de Augusto Malta (1900-1920). 2008. 162 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. 2008. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFJF_af6013da318fd989e75226a64f4ac2f9. Acesso em 21 set. 2019.
SCHWARCZ, Lília. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
SOARES; Lisandra, MACHADO; Paula. ‘’Escrevivências’’ como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em Psicologia Social. Revista Psicologia Política, v. 17, n. 39, p. 203-219, 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2017000200002. Acesso em 10 de out. 2019.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O manifesto comunista. 10 ed. Tradução Lucia Cumo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.
Publicado
2021-02-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 127
  • PDF downloads: 59
Seção
Artigos