EDUCAÇÃO E SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO EM PRÓTESE E ÓRTESE – INTEGRANDO ENSINO E PESQUISA

Menilde A. S. Bião, Marcelo M de Oliveira, Jamilton A Dias, André V. A. de Carvalho

Resumo


Este artigo consiste em um relato de experiência sobre as atividades realizadas pelo Projeto de Extensão em Prótese e Órtese: Integrando Ensino e Pesquisa, na Faculdade Estácio no município de Feira de Santana. O projeto desenvolveu ações de Ensino, Pesquisa e Extensão para produção de conhecimento na área de Tecnologia Assistiva com enfoque em prótese e órtese com o objetivo de capacitar estudantes e/ou profissionais para habilitação/reabilitação de pessoas com deficiência, usuárias de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção, além de compartilhar conhecimento sobre Tecnologia Assistiva (TA) com a comunidade acadêmica, usuários e/ou familiares e profissionais do município. Buscou-se realizar palestras, oficinas com experiência de aprendizado: avaliação, prescrição e moldagem, visitas técnicas, seminários, desenvolvimento de protótipos de baixo custo com os alunos da disciplina de órtese e prótese, exposições dinâmicas e esclarecedoras que proporcionaram entendimento claro e objetivo para todos. Os objetivos do projeto foram alcançados, com cerca de 450 estudantes e 40 profissionais beneficiados com esclarecimentos sobre os direitos da pessoa com deficiência e esclarecimentos sobre os aspectos legais para aquisição de recursos de TA, além de 50 pacientes beneficiados com recursos de Tecnologia Assistiva disponibilizados pelo projeto: próteses para membro superior (3D), órteses suropodálicas e meios auxiliares de locomoção. O Projeto contribuiu para educação e construção de conhecimento em Tecnologia Assistiva dos sujeitos envolvidos. 



Texto completo:

PDF

Referências


Alves, A., Matsukura, T., 2014. Revisão sobre Avaliações para Indicação de Dispositivo de Tecnologia Assistiva. Rev. Ter Ocup Univ São Paulo. 25 (2): 199-207.

Berch, R., 2013. Introdução à Tecnologia Assistiva.

Disponível em:

http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assisti

a.pdf. Acessado em: 29. Agos. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Trabalho e

da Educação na Saúde. Confecção e manutenção de órteses,

próteses e meios auxiliaries de locomoção: confecção

manutenção de próteses de membrosinferiores, órteses

suropodálicas e adequação postural em cadeia de

rodas/Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho

e da Educação na Saúde – Brasilia: Ministério da

Saúde,2013.

Brasil. Decreto 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui

Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência –

Plano Viver sem Limite. 2011.Disponível em

Decreto/D7612.htm.> Acesso em 30 de setembro de 2016.

Baião,J.2012 Funcionalidades e Tecnologias da impressora

D. Itatiba: Universidade São Francisco.

Carvalho J, 2003Amputações de Membros Inferiores: Em

Busca da Plena Reabilitação. São Paulo: Manole; 2003.

Guimarães M., 2015 Inclusão laboral da pessoa com

deficiência: proposta de ferramentas para identificação da

capacidade funcional, das exigências da tarefa e do

desempenho. 2015.Tese (Doutorado) – Universidade Federal

de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação, Programa

de Pós-Graduação.

IBGE, 2011 – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Tabulação Avançada do Censo Demográfico 2010. Rio de

Janeiro.

Jonhon, T; Boule, G; Bell, G.J; Bell, R., 2018“Walking a

matter of quantity and quality physical activity for type 2

diabetes management, “Applied Phisiology, Nutrition and

Metabolism, v. 33, n. 4, p. 797 – 801, 2008.

May,J.2004. Avaliação e Tratamento após amputação de

membro inferior.In: O’SULIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J.

Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 5. ed. São Paulo:

Manole, pp. 619-640.

Merino, D., 2014. Metodologia para prática projectual do

design: com base no projeto centrado no usuário e com

ênfase no design universal. 2014. 1 v. Tese (Doutorado) –

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico,

Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção.

OMS. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. São Paulo.

ISBN 978-85-64047-02-0. 2011.

OMS, Um manual prático para o uso da Classificação

Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

(CIF). Versão preliminar para discussão. Outubro de 2013.

Genebra.

World Health Organization. International Classification of

FunctioningD., 2001 isability and Health (ICF). Geneva:

World Health Organization.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.