Atualização de mapa territorial em Unidade Básica de Saúde, com utilização de técnica de geoprocessamento: um relato de experiência

Samir Pacheco Rios Duarte, Géssica Souza de Almeida, Bianca Souza Bacelar Lima, Eliana Maria de Carvalho

Resumo


A atenção básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde em um determinado território.Portanto este trabalho teve como objetivo desenvolver o geoprocessamento e georreferenciamento para a atualização do mapa territorial da área de abrangência da Unidade de Saúde de Missão de Sahy, território da zona rural do município de Senhor do Bonfim-BA. Este relato de experiência foi realizado por quatro discentes do curso de Enfermagem da Universidade Estadual da Bahia como atividade do Estágio Supervisionado I na Atenção Primária em Saúde. A construção do mapa trouxe informações espaciais e geográficas, como também informações e caracterização da população no sentido de compreender o território e sua população, facilitando melhor diagnóstico da situação de vida da comunidade trazendo possibilidades para uma gestão mais próxima da realidade dos problemas locais, além de considerar o mapa como ferramenta tecnológica necessária na rotina das Unidades Básicas de Saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE.(2017). Portaria nº 2436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica. Brasilia, DF.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção a saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontanea – Brasilia: Ministerio da saúde, 2011. 56 p: il.

MAFUANI, F. Estágio e sua importância para a formação do universitário. Instituto de Ensino superior de Bauru. 2011.

JUSTO, .L G. et al. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s.l.], v. 21, n. 1, p.1345-1354, 2017. FapUNIFESP (SciELO).

FERRETTI, F et al. Sleep quality in the elderly with and without chronic pain. Brazilian Journal Of Pain, [s.l.], v. 1, n. 2, p.141-146, 2018.GN1 Genesis Network.

SOUZA, L D A dos S. Missão do Sahy : Hãm ha Topa, yãymaih xix ayuhuk (Terra de Deus, índios e não-índios) / por Leila Damiana Almeida dos Santos Souza. - 2013. 129 f.: il.

GUIMARÃES, R. B. Geografia e saúde coletiva no Brasil. Saúde e Sociedade, [s.l.], v. 25, n. 4, p.869-879, dez. 2016. FapUNIFESP (SciELO).

MOREIRA, K. F. A.et al. (2019). Aprendendo, ensinando e mapeando território: vivências de acadêmicos de

enfermagem. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(4), e240.

CAMINHA, N. de O et al. O perfil das puérperas adolescentes atendidas em uma aternidade de referência de Fortaleza-Ceará. Esc.Anna Nery [online].2012, vol.16, n.3, pp.486-492.ISSN 1414-8145.

REBOLLEDO EAS, NETO FC, GIATTI LL. Experiencias, beneficios y desafíos del uso de geoprocesamiento para el desarrollo de la atención primaria de salud. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e153.

PINA, M de F de Conceitos básicos de Sistemas de Informação Geográfica e Cartografia aplicados à saúde. Maria de Fátima de Pina e Simone M. Santos. Brasília: OPAS, 2000.

PINTO, L. F.; ROCHA, C. M. F. Inovações na AtençãoPrimária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologiade comunicação e informação para apoio à gestão local.Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, p.1433-1448,2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.