Estudantes no cárcere: Uma análise a partir da categoria religião na Penitenciária Feminina do Distrito Federal

Erlando da Silva Reses, Walace Roza Pinel

Resumo


Pretendemos neste artigo problematizar a oferta da EJA e sua relação com a categoria religião, a partir da experiência na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. Para tanto, o artigo apresenta uma reflexão teórica, bem como dados da pesquisa de campo, visando mapear a oferta dessa modalidade procurando as relações com o chamado “bom comportamento”, relacionando-a com o acesso na educação formal junto àquele espaço. Por meio dos dados, demonstramos que ocorre uma expressiva presença de mulheres que pertencem às religiões hegemônicas, com um consequente alijamento da presença de minorias religiosas, especialmente ligadas às populações negras, maioria absoluta no cárcere. Nesse sentido, é importante ressaltar as relações históricas entre as políticas voltadas às populações periféricas, às quais muitas vezes se associam com a precarização de oportunidades no mercado formal de trabalho. Observamos o crescimento exponencial do discurso conservador religioso, assim como o aumento das políticas de hiperencarceramento, que parecem atingir, nesse momento, também as mulheres. Procuramos em nossas reflexões compreender a prática religiosa enquanto elemento constitutivo humano. Nesse sentido, o estudo permitiu constatar a histórica omissão, por parte do Estado brasileiro, no atendimento a uma parcela da população que permanece privada de seus direitos básicos ligados especialmente à Educação e à livre manifestação religiosa.


Texto completo:

PDF

Referências


Brandão, C. (2012). A educação popular antes e agora: lembranças de ontem, perguntas para agora. São Paulo.

Brasil. (2015). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias:INFOPEN Mulheres, Brasília.

Del Priore, M. (2014). Do outro lado: a história do sobrenatural e do espiritismo. Editora Planeta do Brasil.

Foucault, M. Microfísica do poder, v. 1, p. 179-193, 1979.

Gaudad, L. (2015). Mulas, olheiras, chefas & outros tipos: heterogeneidade nas dinâmicas de inserção e permanência de mulheres no tráfico de drogas em Brasília/DF e na Cidade do México. Brasília: Universidade de Brasília.

Goffman, E. (1971). As características das instituições totais. Organizações complexas. São Paulo: Atlas.

Karpowicz, D. (2016). Congregação Bom Pastor D’angers: história da administração das prisões femininas no Brasil. Florianópolis: ABHR.

Lima, E. de M. (1982). Delinquência e mulher na legislação penal de 40. In: Luz, M.T. O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. Rio de Janeiro: Graal.

Lopes, L. L. P.et al. (2005).As religiões nas celas: um estudo das opções religiosas das mulheres afro-descendentes nos presídios femininos da capital paulista. São Paulo: Universidade Metodista.

Oliveira, L. (2003). O atendimento às mulheres presas na penitenciária feminina do DF: Uma análise do ideário da gestão compartilhada e em rede das políticas públicas sociais na década de 1990. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Pinel, W. (2017). Educação em prisões: um olhar à formação profissional na penitenciária feminina do Distrito Federal. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Saffioti, H. (1987). Feminismos e seus frutos no Brasil: movimentos sociais na transição democrática. São Paulo: Cortez.

Ventura, J. (2016). A oferta de Educação de Jovens e Adultos no estado do Rio de janeiro: primeiras aproximações. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, 4(8), 9-35.

Wacquant, L. (2001). As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Ed. Zahar.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos