Análise Textual Discursiva e as trajetórias educativas de adultos na Educação de Jovens e Adultos (EJA): um exercício metodológico

Fernanda de Brito Kulmann Conzatti, Tárcia Rita Davoglio

Resumo


O presente estudo teve como objetivo realizar um exercício piloto para estruturar a metodologia de uma pesquisa mais ampla, a qual visou investigar os sentidos que os sujeitos adultos de uma turma de Educação de Jovens e Adultos atribuem à retomada da trajetória escolar. Foram entrevistados dois sujeitos, servidores públicos, na faixa etária dos 45 anos de idade e estudantes do Ensino Médio da EJA de uma escola da rede pública, localizada na cidade de Porto Alegre/Rio Grande do Sul. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e gravadas em áudio, com prévia autorização dos sujeitos. Utilizou-se a metodologia da Análise Textual Discursiva (ATD) para a análise das informações transcritas. Os resultados apontaram para a emergência de três categorias: abandono escolar na infância/adolescência; retorno aos estudos na vida adulta madura e mudanças provocadas pelas vivências na EJA, que reforçam a literatura sobre a origem socioeconômica e cultural do público que a frequenta. Outrossim, os resultados também apresentaram fatores que demonstraram as potencialidades da Educação na vida desses sujeitos, empoderando-os para atuarem, de forma ativa, nos diferentes contextos pelos quais circulam. A Análise Textual Discursiva mostrou-se bastante assertiva para reconstruir as trajetórias escolares e seus significados para os educandos adultos maduros da EJA. 


Palavras-chave


Educação de Adultos; Educação de Jovens e Adultos; Análise Textual Discursiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C. E. B. dos S. (2012). Alunos idosos na EJA: a importância da família e dos grupos de convivência no processo de escolarização. 2012. 99f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Petrópolis.

Amado, J. (2011). Ciências da Educação – Que estatuto epistemológico? In: Revista Portuguesa de Pedagogia. Coimbra: Universidade de Coimbra Extra Série, p. 45-55.

Barros, R. P. de; Foguel, M. N; Ulyssea, (2007). Gabriel (orgs.). Desigualdade de Renda no Brasil: Uma Análise da Queda Recente. IPEA: Rio de Janeiro, v.2.

Caldeira, L. C. (2001). Da escolarização à reinvenção de si: os sentidos da aprendizagem para o aluno da EJA. 2011. 204f. Tese (Doutorado em Educação) – Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Carrano, P. C. R. (2007). Educação de Jovens e Adultos e Juventude: o desafio de compreender os sentidos da presença dos jovens na escola da "segunda chance". Disponível em: http://www.emdialogo.uff.br/sites/default/files/educacao_de_jovens_e_adultos_e_juventude_-_carrano.pdf. Acesso em: 15 jan. 2015.

Campos, J. D. P. de. (2014). Cartografia de vida no trabalho educativo com jovens e adultos: conversas-em-ação. 2014. 72f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Conzatti, F. de B. K.; Davoglio, T. R. (2016). Estado de conhecimento da produção acadêmica sobre o aluno adulto da Educação de Jovens e Adultos (2011-2014). Educação por Escrito, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 59-73, jan.-jun.

Cortes, R. P. R. M (2012).. Sentidos da educação de jovens e adultos na perspectiva do aluno idoso. 101f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Petrópolis.

Costa, D. H.; Calvão, L. (2002). Trabalho infantil. In: G. frigotto; M. Ciavatta (orgs.). A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, p. 131-140.

Coura, I. G. M. (2008). Entre medos e sonhos nunca é tarde para estudar: a terceira idade na educação de jovens e adultos. GT-18: Educação de Jovens e Adultos. Prefeitura Municipal de Contagem. Disponível em: < http://www.anped.org.br/reunioes/ 31ra/1trabalho/ GT18-4504--Int.pdf > Acesso em: 17 out. 2014.

Espinosa, B. (2008). de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica.

Haddad, S. (Coord.). (2002). Educação de jovens e adultos no Brasil (1986-1998). Série Estado do Conhecimento, 8. Disponível em: https://www.inesul.edu.br/site/documentos/serie_estado_conhecimento.pdf Acesso em: 23 jan. 2016.

Juliano, M. C. C.; Yunes, M. A. M. (2014). Reflexões sobre rede de apoio social e como mecanismo de proteção e promoção de resiliência. Ambiente & Sociedade, São Paulo, XVII (3), p. 135-154.

Lara, P. J. de. (2011). Educação de Jovens e Adultos: perspectivas e evasão no município de Cáceres-MT. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Oeste Paulista.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, E.P.U.

Moraes, R.; Galiazzi, M. do C. (2006). Análise Textual Discursiva: Processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, v.12, n.1, p.117-128.

Moraes, R.; Galiazzi, M. do C. (2011). Análise Textual Discursiva. 2. ed. revisada. Editora Unijuí: Unijuí.

Oliveira, M. K. de. (2004). Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e Pesquisa, São Paulo, 30 (20), p. 211-229.

Palacios, J. (2004). Mudança e desenvolvimento durante a idade adulta e a velhice. In: Coll, C.; Marchesi, Á.; Palacios, J. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia evolutiva. 2. ed., v. 1. Porto Alegre: Artmed, p.371-388.

Papalia, D. E; Olds, S. W.; Feldman, R. D. (2010). Desenvolvimento humano. 10. ed. Porto Alegre: Artmed.

Patto, M. H. S. (2000). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rey, F. G. (2004). A emergência do sujeito e a subjetividade: sua implicação para a Psicologia Social. In: O Social na Psicologia e a Psicologia Social – A emergência do sujeito. Editora Vozes. Petrópolis.

Santos, B. de S. (2008). Um discurso sobre as ciências. 5 ed.. Cortez: São Paulo.

Santos, B.S. (2012). A motivação humana: influência dos aspectos sociais no contexto educativo. In: Santos, B.S.; Antunes, D. D.; Bernardi, J. (Orgs.). Processos Motivacionais em Contextos Educativos: teoria e prática. Portugal: Edições Pedagógicas, LDA, p. 11-22.

Soares, A. C. da S. (2013). O Diurno na educação de jovens e adultos: quem são esses sujeitos? 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Soares, L.; Silva, F. R.; Ferreira, L. O. F. (2011). A pesquisa em Educação de Jovens e Adultos: um olhar retrospectivo sobre a produção do período de 1998 a 2008. In: Soares, Leôncio (org.). Educação de Jovens e Adultos: o que revelam as pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Vargas, P. G. ; Gomes, M. de F. C. (2013). Aprendizagem e desenvolvimento de jovens e adultos: novas práticas sociais, novos sentidos. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 2, p. 449-463, abr./jun.

Vygotski, L. S. (1996). La crisis de los siete años. In. Vygotski, L.S. Obras escogidas. Tomo IV. Madrid: Visor.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos