Qual o lugar da experiência na formação de professores e professoras da Educação de Jovens e Adultos?

Jacqueline Monteiro Pereira

Resumo


O artigo busca contribuir para o campo da formação de professores da Educação de Jovens e Adultos com base em estudos das relações entre experiência, memória e narração desses sujeitos, notoriamente já caracterizados por sua diversidade. Mais especificamente, adotam-se princípios teórico-metodológicos da pesquisa (auto)biográfica, buscando compreender como os professores da EJA compõem suas experiências e memórias que constituem e são constituídas pelas suas trajetórias de vida-formação. A partir da escrita de memoriais, o texto discute questões sobre o lugar da experiência a partir da análise de rastros das memórias de toda uma vida dedicada ao Magistério. Essas trajetórias narradas revelam identidades docentes registradas em memoriais de formação, possibilitando a constituição de uma cartografia das experiências.


Palavras-chave


Experiência; Formação Docente em EJA; Memória e Narração

Texto completo:

PDF

Referências


André, M. (2006). Pesquisa, formação e prática docente. In. André, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 5ª ed. Campinas: Papirus, p. 55-69.

Arenhaldt, R. (2012). Vidas em conexões (in) tensas na UFRGS: o Programa Conexões de Saberes como uma Pedagogia do estar-junto na Universidade. 254 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Arroyo, M. G. (2006). Formar Educadores e Educadoras de Jovens e adultos. In. Soares, L. (org.) Formação de Educadores da Educação de Jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, SECAD MEC/Unesco, p. 17-32

Benjamin, W. (1994). O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskovi. In: Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e história da cultura. 7ª ed. Tradução de Sérgio P. Rouaner. Ed. São Paulo: Brasiliense, p. 197-221.

Bragança, I. F. S. (2008). Histórias de vida e formação de professores/as: um olhar dirigido à literatura educacional. In: Souza, E. C.; Mignot, A C. V. (Orgs.). Histórias de vida e formação de professores. Rio de Janeiro: Quartet; Faperj, p. 65-88.

Calligaris, C. (1998). Verdades de Autobiografias e Diários Íntimos. Estudos Históricos. CEPEDOC/FGV, v.11, n.21, Rio de Janeiro, pp. 43-58.

Catani, D. B. e Vicentini, P. P. (2003). “Minha vida daria um romance”: lembranças e esquecimentos, trabalho e profissão nas autobiografias de professores. Mignot, A. C. V. & Cunha, M. T. S. (org.) Práticas de memória docente. São Paulo: Cortez, p. 149-166.

Certeau, M. (2005). A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Trad. de Ephraim F. A. e Lúcia E. O. Petrópolis: Vozes.

Diniz-Pereira, J. E. (2010). A epistemologia da experiência na formação de professores: primeiras aproximações. Revista Brasileira de Formação Docente, v. 02, n. 02, p. 83-93. Disponível em: www.formacaodocenteautenticaeditora.com.br/artigo/exibir /7/15/1 Acessado em: 10. set. 2016

Diniz-Pereira, J.E.; Fonseca, M.C.F.R. (2001). Identidade docente e formação de educadores de jovens e adultos. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 26, n. 2, p.51-73. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/26138/15253 Acessado em: 23 de set. de 2016.

Ferraço, C. E.. (2007). pesquisa com o cotidiano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98 p.73-95, Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n98/a05v2898.pdf Acessado em: 23 de jul. de 2016.

Ferreira, N. S. C. (2004). Repensando e ressignificando a gestão democrática da educação na “cultura globalizada”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1227-1249. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22619.pdf Acessado em: 15 de mar. 2017;

Freire, P. (1994). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 49ª ed., São Paulo: Cortez.

¬

Freire, P. (1998). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Josso, M.C. (2004). Experiências de vida e formação. Trad. de Trad. José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez.

Larrosa, J. (2005) Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Trad. João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, v.19 , p.19-28 Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf : Acessado em: 12 de fev. de 2016.

Nascimento, G. L. S. (2010). Memorial de Formação: um dispositivo de pesquisa-ação-formação. Dissertação (Mestrado em Educação). XXX, 166 f. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Nogueira, E. G. D. e Prado, G, do V. T. (2014). Narrativas e imaginários: perspectivas outras na formação de professores. In: Alves, F. L.; Schroeder, T. M. R.; Barros, A. T. P. Diálogos com o Imaginário. Curitiba: CRV, p. 71-84

Nóvoa, A. (1995). Os professores e as histórias da sua vida. In: Nóvoa, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, p. 11-30

Nóvoa, A. (1992). Formação de professores e profissão docente. In: Nóvoa, A Os professores e a sua formação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, p. 313-330.

Nunes, C. M. F.; Cunha, M. A. de A. (2005). A "escrita de si" como estratégia de formação continuada para docentes. Revista Espaço Acadêmico [online], n. 50, p. 11-23, Disponível em: www.espacoacademico.com.br/.../50pc_cunhanunes.htm. . Acessado em: 04 de out. de 2017.

Oliveira, I. B. (2005). Criação curricular, autoformação e formação continuada no cotidiano escolar. In: Ferraço, C. E. (Org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. São Paulo: Cortez, p. 43-67.

Pereira de Queiroz, M.I (1988). Relatos orais: do indizível ao dizível. In: von Simon, O.M. (Org.). Experimentos com História de Vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice. p. 14-23.

Peres, L. M. V.; Oliveira, V. F. (2002). Imagens e imaginários: a dimensão simbólica do vivido e do pensado na formação de professoras. Cadernos de Educação. Pelotas: FAE/UFPEL, n. 18, p. 153-170. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/download/6594/4578 Acessado em: 24 de jan. de 2017.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Trad. de Francisco Pereira. Petrópolis: Vozes.

Souza, E. C. de (Org.). (2015). (Auto) biografias e documentação narrativa: redes de pesquisa e formação. Salvador: EDUFBA.

Santos, J. J. R. dos. (2010). Especificidades dos saberes para a docência na educação de pessoas jovens e adultas. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 6, n. 8, p. 157-176. Disponível em http://periodicos.uesb.br/index.php/praxis/article/viewFile/292/325. Acessado em: 26 de maio de 2017

Ricoeur, P. (1976). Tempo e narrativa (Tomo 1). Trad. de Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos