Adolescentes e jovens em conflito com a lei

a percepção de “punição” no regime socioeducativo de internação

Palavras-chave: Educação, Socioeducação, Punição

Resumo

A partir do objeto investigado, o sistema socioeducativo, este artigo tem o objetivo de investigar a percepção de adolescentes e jovens que estão em cumprimento de medida socioeducativa de internação em um Centro de Atendimento e Medida Socioeducativa (CASE). A metodologia de abordagem qualitativa iniciou-se por meio de revisão teórica, abarcando autores que contribuem para a temática como Foucault (1987); Freire (1980; 1987); Volpi (1999); Soares (2002); Onofre (2007); Leal e Carmo (2014), entre outros. Por seguinte pesquisa de campo por meio de entrevistas semiestuturadas com um grupo de 6 adolescentes e jovens que cumprem medida de internação no CASE. Foi realizada a triangulação dos documentos, referencial teórico e dados empíricos gerados por meio das entrevistas, no qual passaram também por uma análise de conteúdo com o propósito de apreender a percepção dos colaboradores da pesquisa em questão. Os documentos investigados demonstram que a socioeducação deve cumprir a oferta de educação, e isso é constatado, porém os teóricos desse tema defendem que deve-se abranger uma formação além do ensino de disciplinas, para atuação cidadã efetiva em seu contexto e seu convívio político-social. A análise demonstrou que há limitações na implementação da ação socioeducativa, pois, esses sujeitos apontam que o sistema é uma oportunidade de continuidade formativa, contudo ainda é também uma via punitiva pelo conflito que eles possuem com a lei.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celeste Anunciata Moreira, Departamento Geral de Ações Socioeducativas (DEGASE)

Assistente Social do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (DEGASE), Mestre em Política Social (UFF), Especialista em Gestão de Políticas Sociais (UFF), Doutora em Serviço Social (UFRJ). E-mail: celestea66@gmail.com

Referências

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. Racismo Estrutural. Coleção Feminismos Plurais - Coord. Djamila Ribeiro. São Paulo: Pólen, 2019.
BRASIL. Lei 8.069/90, de 13 jul. 1990. Institui o Estatuto da Criança e do Adolescente. Ministério da Justiça, Brasília, 1990.
______. Lei nº12435/2011. Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. Presidência da República, Brasília, 2011.
______.Lei 12.594/2012 Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional. Presidência da República, Brasília 2012.
______Conselho Nacional do Ministério Público. Panorama da execução dos programas socioeducativos de internação e semiliberdade nos estados brasileiros/ Conselho Nacional do Ministério Público. – Brasília: CNMP, 2019.
BORGES, Juliana. Encarceramento em Massa. Coleção Feminismos Plurais - Coord. Djamila Ribeiro. São Paulo: Pólen, 2019.
BRETTAS, Tatiana. Capitalismo dependente, neoliberalismo e financeirização das políticas sociais no Brasil. Temporalis, Brasília, vol.17, n.34, 2017, p.53-76.
COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Aventura Pedagógica: caminhos e descaminhos de uma ação educativa. Columbus Cultural Editora. São Paulo, 1990
COUTINHO, Carlos Nelson. Contra corrente: ensaios sobre a democracia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2 a . ed. rev., 2008.
______.Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. 3ªed. Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 2007.
CUNHA, Kelita Rejanne Machado Gonçalves; OLIVEIRA, Maria Claudia Santos Lopes de. Adolescências e judicialização da conduta juvenil. Barbarói, [s.l.], v. 2, n. 50, p.107-130, 5 jul. 2017. APESC - Associação Pro ensino em Santa Cruz do Sul. Disponível em: em https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/11143/7298. Acesso em: 25/12/2020.
FANON, F. Pele Negra, Máscaras Brancas. Rio de Janeiro: EDUFBA, 2008.
GRAMSCI. Os intelectuais e a organização da cultura. 8ª edição. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
GRUPPI, Luciano. O conceito de hegemonia em Gramsci. 4 ª ed. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1978.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da Violência 2019. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2018. Disponível em:
https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34784&Itemid=432. Acesso em: 15/09/2020.
MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Os Pensadores).
MBEMBE, a. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Traduzido por: Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.
NASCIMENTO, A. O Genocídio do Negro Brasileiro. Processo de um Racismo Mascarado. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.
OLIVEIRA, Maria Cláudia Santos Lopes de. Da medida ao atendimento socioeducativo: implicações conceituais e éticas. In: I. L. Paiva, C. Souza & D. B. Rodrigues (Orgs.), Justiça juvenil: teoria e prática no sistema socioeducativo (p. 141-160). Natal: Editora da UFRN. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/1/11814. Acesso em 10/10/2020.
OLIVEIRA, Eliseu Cunha de ; DAZZANI, Maria Virgínia Machado. O Que é Socioeducação? Uma Proposta de Delimitação Conceitual. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, n. 17, p. 71-81, 2018. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/adolescencia. Acesso em 27/09/2019.
PIMENTEL, A. ; BARROS, B. W. As prisões no Brasil: espaços cada vez mais destinados à população negra do país. In: INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2020.
PINTO, P.; SILVA, R. (2014). Socioeducação: que prática é essa? In I. L. Paiva, C. Souza & D. B. Rodrigues (Orgs.), Justiça juvenil: teoria e prática no sistema socioeducativo (p. 141-160). Natal: Editora da UFRN. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/1/11814. Acesso em 10/10/2020.
RANIERE, E. A invenção das medidas socioeducativas. Tese de Doutorado Não-Publicada. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2014. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/87585/000911217.pdf?sequenc. Acesso em: 15/08/2018.
RIZZINI, Irene; SPOSATI, Aldaíza; OLIVEIRA, Antonio Carlos de. Adolescências, direitos e medidas socioeducativas em meio aberto. São Paulo: Cortez, 2019.
SARTORI, V. B. Direito, política e reconhecimento: apontamentos sobre Karl Marx e a crítica ao Direito. Revista da Faculdade de Direito – UFPR, Curitiba, v. 61, n. 2, p. 203-233, maio/ago. 2016.
SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. 2ªed. São Paulo: Veneta, 2020.
Publicado
2021-04-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 44
  • Html downloads: 2
Como Citar
Moreira, C. A. (2021). Adolescentes e jovens em conflito com a lei: a percepção de “punição” no regime socioeducativo de internação. Plurais Revista Multidisciplinar, 6(1), 171-188. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.10543