Gestão estratégica: uma análise do primeiro ciclo de implementação em uma Instituição de
Ensino Superior Confessional da Bahia [2014-2018]
68
Salvador, v. 5, n. 1, p. 68-95, jan./abr. 2020
GESTÃO ESTRATÉGICA: uma análise
do primeiro ciclo de implementação
em uma Instituição de Ensino Superior
Confessional da Bahia [2014-2018]
TÂNIA MOURA BENEVIDES
Universidade Federal da Bahia (UFBA), Faculdade Adventista da Bahia (FADBA). Doutora
em Administração pela Universidade Federal da Bahia (2012), Mestre em Administração
Estratégica pela Universidade Salvador (2003), Graduada em Administração pela Faculdade
Ruy Barbosa (1996). ORCID: 0000-0001-9191-7831. E-mail: taniamoura2511@gmail.com
MARCO ANTÔNIO LEAL GÓES
União Boliviana da IASD (Bolívia), Mestre em Administração pela Universidade Federal
da Bahia (2019), Graduado em Psicologia pela Universidade da Amazônia (1991). Diretor
de Departamento de Educação União Boliviana da IASD. ORCID: 0000-0002-9798-9745.
E-mail: marco.goes@adventistas.org.bo
JÉSSICA NASCIMENTO DE OLIVEIRA
Graduada em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Pesquisadora
no campo de Segurança Pública e membro do grupo de pesquisa Águas (UFBA),
atuando no projeto Qualidade do Ambiente Urbano de Salvador – QUALISalvador.
Extensionista em Política e Estratégia (2017) pela Associação dos Diplomados da Escola
Superior de Guerra, Delegacia da Bahia, ADESGBA. ORCID: 0000-0001-8542-9364.
E-mail: jessiica.oliveira3@gmail.com
Tânia Moura Benevides, Marco Antônio Leal Góes e Jéssica Nascimento de Oliveira
69
Salvador, v. 5, n. 1, p. 68-95, jan./abr. 2020
GESTÃO ESTRATÉGICA: uma análise do primeiro ciclo de implementação em uma Instituição de Ensino
Superior Confessional da Bahia [2014-2018]
O presente estudo teve como objetivo analisar a implementação do primeiro ciclo [2014-2018] de geso estratégica
em uma instituição de ensino superior confessional da Bahia, a Faculdade Adventista da Bahia (FADBA). Para a
realização desse estudo partiu-se das pesquisas bibliográca e documental para alicerçar o estudo. A seguir foi
realizada a pesquisa de campo, utilizando-se da entrevista e do questionário para levantamento de dados primários.
Ao nal do processo pode-se constatar que a instituição possui fatores diferenciais que favorecem a implementação
da geso estratégica tais como: losoa denominacional consolidada, alinhamento de procedimentos, hierarquia
de funções denidas e respeitadas, e um planejamento estratégico elaborado de acordo com as necessidades da
organização.
Palavras-chave: Gestão. Geso Estratégica. Instituição Confessional.
GESTIÓN ESTRATÉGICA: un análisis del primer ciclo de implementación en una Institución Confesional
de Educación Superior en Bahia [2014-2018]
El presente estudio tuvo como objetivo analizar la implementación del primer ciclo [2014-2018] de gestión estratégica
en una institución confesional de educación superior de Bahía, el Colegio Adventista de Bahía (FADBA). Para
llevar a cabo este estudio, se utilizó una investigación bibliogca y documental para apoyar el estudio. Se llevó a
cabo la siguiente investigación de campo, utilizando la entrevista y el cuestionario para recopilar datos primarios.
Al nal del proceso se puede ver que la institución tiene factores diferenciales que favorecen la implementación
de la gestión estratégica tales como: losofía confesional consolidada, alineación de procedimientos, jerarquía de
funciones denidas y respetadas, y una planicación estratégica elaborada según las necesidades de la organización.
Palabras clave: Gestión. Gestión estratégica. Institución confesional.
STRATEGIC MANAGEMENT: an analysis of the rst implementation cycle in a confessional higher
education institution in BAHIA [2014-2018]
El presente estudio tuvo como objetivo analizar la implementación del primer ciclo [2014-2018] de gestión estratégica
en una institución confesional de educación superior de Bahía, el Colegio Adventista de Bahía (FADBA). Para
llevar a cabo este estudio, se utilizó una investigación bibliogca y documental para apoyar el estudio. Se llevó a
cabo la siguiente investigación de campo, utilizando la entrevista y el cuestionario para recopilar datos primarios.
Al nal del proceso se puede ver que la institución tiene factores diferenciales que favorecen la implementación
de la gestión estratégica tales como: losofía confesional consolidada, alineación de procedimientos, jerarquía de
funciones denidas y respetadas, y una planicación estratégica elaborada según las necesidades de la organización.
Keywords: Management. Strategic management. Confessional Institution.
Gestão estratégica: uma análise do primeiro ciclo de implementação em uma Instituição de
Ensino Superior Confessional da Bahia [2014-2018]
70
Salvador, v. 5, n. 1, p. 68-95, jan./abr. 2020
GESTÃO ESTRATÉGICA: UMA ANÁLISE DO PRIMEIRO CICLO
DE IMPLEMENTAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO
SUPERIOR CONFESSIONAL DA BAHIA [2014-2018]
Introdução
A literatura sobre gestão estratégica, nas últimas décadas, se avolumou com o objetivo de
analisar o campo de gestão das organizações, dada complexidade dessas. Entretanto, como des-
taca Almeida Filho (2014), nem sempre foi assim, pois esse campo de conhecimento passou por
quatro momentos distintos. São eles: até o nal da década de 1950 quando não se utilizava o
adjetivo estratégico ou o substantivo estratégia atrelado a denominação “gestão, relegando-os ao
uso militar; ao longo da década de 1960 – quando a percepção do dinamismo dos mercados e a
elevação da turbulência no contexto exigiram abordagens mais dinâmicas e sistêmicas, fazendo
com que organizações distintas criassem departamentos de business strategy, o que vai se reetir
nas escolas de administração. Assim, as empresas com gestão mais avançada e o setor público,
introduziram-se práticas do planejamento estratégico. É nesse período que Igor Ansoff escreve
o livro intitulado “From Strategic Planning to Strategic Management”; ao nal dos anos 1980
todas essas mudanças vieram a inuenciar as práticas de gestão das organizações. Nesse terceiro
momento, emerge o paradigma porteriano de planejamento estratégico; por m, ao nal dos anos
1990 e no início do século XXI, “as provocações inicialmente acadêmicas que levaram à quarta
geração das tecnologias de planejamento e administração estratégica se difundem grandemente”
(p.279). Essa nova forma de gerir estrategicamente organizações se estrutura com o trabalho de
Kaplan e Norton, uma metodologia denominada de Balanced Scorecard (BSC). Aqui destaca-se
a difusão da abordagem crítica de Mintzberg e seus colaboradores.
As muitas denições dadas para a terminologia estratégia, remete a ideia de tratar a orga-
nização como um todo, buscando entender as multifaces de suas interações internas e externas
capazes de criar ações coletivas que alcancem todos os seus níveis. Nesse sentido, a estratégia foi
denida por Porter (1989) como uma forma de criar uma posição exclusiva e valiosa, envolvendo
um diferente conjunto de atividades compatíveis entre si; por Mintzberg (2009) como um padrão,
um uxo de ações ou decisões; por Kaplan e Norton (1997) como uma forma de criar uma posição
Tânia Moura Benevides, Marco Antônio Leal Góes e Jéssica Nascimento de Oliveira
71
Salvador, v. 5, n. 1, p. 68-95, jan./abr. 2020
exclusiva e valiosa, envolvendo um diferente conjunto de atividades entre si. Assim, entende-se
que a gestão estratégica se popularizou, dada ecácia e relevância para atingimento de resultados
organizacionais, tornando-se uma prática social.
Costa (2015) observa que os ciclos das mudanças, estando cada vez menores, exigem que
o tempo de reação das empresas e entidades se encurte. Tendências, mudanças de valores, novas
tecnologias, surgimento ou desaparecimento de agentes de mercado, ocorrem na atualidade com
maior frequência e com menor horizonte de previsibilidade. Segundo Xavier e Sobrinho (2002)
a prestação de um serviço cada vez melhor, também tem levado as organizações educacionais ao
campo da competitividade. Assim, a educação, em toda sua complexidade, vem sofrendo trans-
formações signicativas nos últimos vinte anos em função de dois fenômenos: o intensivo uso da
tecnologia e o processo mais concreto de globalização. Os processos formativos se modicaram de
forma denitiva, inuenciando as agendas pedagógicas, as estruturas organizativas e os modelos
organizacionais da ciência do ensino-aprendizagem. A educação deve ser entendida em seu contexto
geral, com um elevado propósito transformador. Para a educação, que trabalha quase que exclusi-
vamente com a transformação do ser humano em um processo contínuo de mudança, imaginá-la
estanque ou aprisionada a um único modelo de gestão, a faz contraditória ao m último de sua
razão de ser. Neste sentido, estudar a gestão estratégica em ambientes de instituições educacionais
é desenvolver aprendizado sobre as ações e interações institucionais que em última instância, pode
afetar o processo de transformação do indivíduo e sua relação com os serviços oferecidos.
Levando-se em consideração que as organizações educacionais também apresentam a ne-
cessidade de garantir o direcionamento e atingimento do propósito organizacional, esta pesquisa
se destina a responder a seguinte pergunta de partida: Qual o resultado, na percepção dos gestores
e colaboradores de uma instituição confessional de educação superior no estado da Bahia, da im-
plementação do primeiro ciclo de gestão estratégica [2014 a 2018] impactou a instituição?
O objetivo geral desse estudo é o de identicar a percepção de gestores e colaboradores em
relação ao resultado da implementação da gestão estratégica na Faculdade Adventista da Bahia
(FADBA) no período de 2014 a 2018. Especicamente buscou-se: descrever o modelo de gestão
estratégica adotado na IES estudada; caracterizar o perl do público-alvo e a sua inuência no
processo de gestão estratégica; identicar os principais impactos gerados com a adoção da gestão
Gestão estratégica: uma análise do primeiro ciclo de implementação em uma Instituição de
Ensino Superior Confessional da Bahia [2014-2018]
72
Salvador, v. 5, n. 1, p. 68-95, jan./abr. 2020
estratégica na IES; e analisar a gestão e a efetividade da estratégia no âmbito da organização em
pesquisa.
Esta pesquisa se mostra relevante por abordar uma questão central no processo de gestão,
que é o delineamento das etapas/estratégias planejadas para a organização, com consequente apri-
moramento dos colaboradores que leve à melhoria do serviço prestado e a satisfação do cliente;
também busca compreender o desenvolvimento das organizações educacionais, tendo em vista o
papel delas na formação do indivíduo e difusão do conhecimento, observando o uso e a adequa-
ção do uso da gestão estratégica nesse contexto. Neste aspecto, gestores educacionais, bem como
todos os demais colaboradores, precisam se adequar, atualizar e procurar modicar sua postura,
frente ao trabalho administrativo-pedagógico e as outras áreas do gerenciamento educativo, am
de acompanhar as constantes mudanças e avanços ocorridos na atualidade, transformando-se em
elementos fundamentais na concretização de uma gestão educativa mais eciente. Assim, as novas
formas de organização do trabalho dependerão dos direcionamentos e objetivos estratégicos da
empresa (FERNANDES, 2013).
Este artigo está organizado em cinco seções. A primeira seção é a introdução, onde estão
os elementos delineadores da pesquisa. Na segunda seção está o referencial teórico, que apresenta
a fundamentação teórica relacionada a gestão estratégica, os modelos adotados e seus principais
conceitos. A terceira seção trata da metodologia adotada. Na quarta seção está a caracterização
da instituição pesquisada e o delineamento de sua estrutura de gestão. As considerações nais
constituem a última seção desse artigo.
Gestão Estratégica
Estratego é o termo grego para estratégia (VOLTOLINI, 2004) e estava diretamente rela-
cionado ao cargo de um comandante da antiga Atenas. No livro “A Arte de Guerra”, atribuído a
Sun Tzu e datado de 500 a. C. já se encontrava o emprego da terminologia. Os séculos XIX e XX
são marcados pelo surgimento de inúmeras literaturas que passam a incorporar estratégia aos mais
variados ramos do saber humano, em especial às empresas e aos negócios (TOMMASI; WARD;
HADDAD, 1996).