A QUESTÃO QUILOMBOLA NO BRASIL: APONTAMENTOS PARA UM DEBATE HISTÓRICO

Jairo Hely Silva

Resumo


As questões que abrangem as situações nas quais as comunidades quilombolas estão envolvidas, no Brasil, apontam vários fatores de ampliação dos horizontes das atuais análises, dialogando com problemas de considerável importância para a sociedade. Nos últimos anos, estudos que buscaram entender as nuances destes problemas, abordaram demandas e implicações que estão presentes nos longos caminhos percorridos pelas comunidades quilombolas, num processo materializado desde o plano social até o legal. Nesse sentido, admite-se que uma análise da questão quilombola só pode ser alcançada a partir da concepção da existência de um ininterrupto conflito histórico, no qual estes grupamentos sociais estão envolvidos. Assim, intuímos que as realidades dialógicas envolvendo as comunidades quilombolas no Brasil, ocorrem numa complexa relação de construção histórica da identidade, mediada a partir da interação conflituosa com o “todo social”. A fim de entender como se materializam os fatores que implicam na chamada questão quilombola, o presente artigo buscou indicar pontos para um debate visando contribuir com as discussões históricas sobre as comunidades quilombolas no Brasil.

Palavras-chave


Comunidades Quilombolas; Discussões Históricas; Identidade Étnica.

Texto completo:

PDF

Referências


Agostinho, L. L.; Carvalho, L. C.; Nunes, K. B. F.; RIBEIRO, C. G. Situação atual das comunidades quilombolas no Brasil. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis/SC, 17 ago. 2017. Disponível em: investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-constitucional/335957-situacao-atual-das-comunidades-quilombolas-no-brasil. Acesso em: 10 fev. 2019.

Albuquerque, W. R.; Fraga Filho, W. Uma História do Negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

Almeida, A. W. B.; Terras de Preto, terras de santo, terras de índio: uso comum e conflito. In Brasil. Ministério de Desenvolvimento Agrário – MDA; Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável – CONDRAF. Brasil Rural em Debate: coletânea de artigos. Brasília: CONDRAF/MDA, p. 104-136. 2010.

Amorim, A. M. M. Multiculturalismo e etnicidade: os quilombolas e a construção da cidadania no Brasil contemporâneo. Revista Universitas Humanas, Brasília, 8(1), 83-106. 2011.

Andrade, M. P. Quilombolas – Etnicidades emergente? Subsídios para uma discussão. Ciências Humanas em Revista, 4(1), 49-60. 2006.

Arruti, J. M. Mocambo: Antropologia e História do Processo de Formação Quilombola. Bauru: Edusc, 2006.

Arruti, J. M. Políticas públicas para quilombos: terra, saúde e educação. In PAULA, Marilene de; HERINGER, Rosana (Orgs.). Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, ActionAid, 75-110. 2009.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. 22. Ed. São Paulo: Atlas, 2004.

Chalhoub, S. Visões da Liberdade: Uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

Costa, S. A mestiçagem e seus contrários: etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo. Tempo Social Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 143-158, 2001. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2016.

Gilroy, P. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo, Ed. 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

Gomes, F. S. De olho em Zumbi dos Palmares: histórias, símbolos e memória social. São Paulo, Claro Enigma, 2011.

Gomes, L.; Marques, C. E. A Constituição de 1988 e a ressignificação dos quilombos contemporâneos: limites e potencialidades. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(81), 137-255. 2013.

Guerra, R. Quilombolas: a luta pelo direito de existir. Repórter Brasil, São Paulo, 14 ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018.

Hall, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

Jorge, A. L.; Brandão, A. A produção social da “questão quilombola” no Brasil. O Social em Questão Revista do Departamento de Serviço Social – PUC Rio, Rio de Janeiro, 35, 349-374. 2016.

Leite, I. B. Laudos periciais antropológicos em debate / Organizadora Ilka Boaventura Leite. Florianópolis: Co-edição NUER/ABA/2005.

O’Dwyer, E. C. (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

Santos, D. M. Os quilombolas e sua inserção nas políticas públicas: subsídios à discussão da política de ATER quilombola. Revista de Políticas Públicas, 21(2), 1019-1043. 2017.

Shiraishi Neto, J. Direito dos povos e das comunidades tradicionais no Brasil: declarações, convenções internacionais e dispositivos jurídicos definidores de uma política nacional. Joaquim Shiraishi Neto, org. Manaus: UEA, 2007.

Silva, E. H. O Lugar do Índio. Conflitos, esbulhos de terras e resistência indígena no século xix: o caso de escada-pe (1860-1880). 1995. 128 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Taylor, C. A política de reconhecimento. In: Gutman, A (Ed.). Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Lisboa: Piaget, p. 45-94.1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.29327/10.29327/ouricuri.v9.i1.a6

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 Base de Indexadores: