RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA DE CAPITAL DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NEGOCIADAS NA NYSE E A VARIAÇÃO DA SELIC

  • Ricardo Medeiros Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
  • Anelisa de Carvalho Ferreira Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
  • João Paulo Calembo Batista Menezes Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
  • Naiara Leite dos Santos Sant'ana Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
  • Sabrina Amélia de Lima e Silva Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Estrutura de Capital, Pecking Order, Tradeoff, Taxa Básica de Juros, Selic.

Resumo

Este estudo verificou como a estrutura de capital das empresas brasileiras, listadas na NYSE, são afetadas pelo aumento da taxa básica de juros (Selic), no período de 2008 a 2014. A amostra foi composta por todas as empresas brasileiras que são listadas na NYSE (New York Stock Exchange). Os dados foram coletados através de fontes secundárias, sendo as informações contábeis obtidas das bases de dados Bloomberg e Compustat, e as informações da taxa Selic foram obtidas no website do Banco Central. Foram feitos testes de comparação de médias, teste t de student, além do teste para verificar se houve quebra de estrutura, teste de Chow. Já para verificar a o impacto da taxa Selic na estrutura de capital, foi feita regressão múltipla de dados em painel balanceado com efeitos aleatórios. Os resultados mostram que as empresas brasileiras que atuam na NYSE possuem uma relação positiva com a alavancagem, entretanto, quando essa taxa ultrapassa 10%, o nível de endividamento dessas empresas sofre uma redução, demostrando que as empresas que atuam na NYSE são afetadas de forma menos intensa do que as demais empresas brasileiras, e que só realizam o ajuste da estrutura de capital quando a taxa ultrapassa 10%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Medeiros, Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorando em Administração (Finanças) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestrado em Administração pela UFPE, graduação em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2012), atuando principalmente nos seguintes temas: estrutura de capital, sustentabilidade, bpmn, mini curso, bizagi, instituições financeiras e risco sistemático
Anelisa de Carvalho Ferreira, Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Administração (Finanças) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), possui mestrado em Contabilidade pelo Instituto Universitário de Lisboa (2011), pós-graduação em Finanças pelo IBMEC-MG (2006), graduação em Ciências Contábeis (2004) e Administração (2016) pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Atualmente é Professora Assistente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Mucuri. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis.

João Paulo Calembo Batista Menezes, Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorando em administração pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, possui graduação em Contabilidade pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2004), pós-graduação em finanças pelo IBMEC-MG (2006), Mestrado pelo Instituto Superior de Economia e Gestão de Portugal - ULISBOA (2011) e graduação em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2016). Atualmente é professor auxiliar da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Mucuri. Tem experiência profissional na área Contábil, onde já atuou como contabilista, consultor e auditor.
Naiara Leite dos Santos Sant'ana, Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
Professora Assistente da Universidade Federal de Juiz de Fora, campus Governador Valadares. Doutoranda na Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG em Administração, linha Finanças. Graduanda em Administração na Universidade Estácio de Sá. Mestra em Administração, área Gestão de negócios, economia e mercados, linha Controladoria e Finanças Corporativas pela Universidade Federal de Lavras - MG. Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de São João Del-Rei UFSJ.
Sabrina Amélia de Lima e Silva, Programa de Pós-Graduação em Administração – CEPEAD – Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Administração/Finanças e Mestre em Administração/Finanças (2015) no Centro de Pós Graduação e Pesquisas em Administração - CEPEAD da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Bacharel em Ciências Atuariais (2012) pelo Instituto de Ciências Exatas - ICEx da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

Referências

Almeida, M. A. Estrutura de capital e divulgação voluntária de informações de responsabilidade social corporativa das empresas brasileiras. Tese de Doutorado em Administração, PROPAD-UFPE - Recife: O Autor, 2014.

Antoniou, A., Guney, Y. & Paudyal, K. The Determinants of Capital Structure: Capital Market Oriented versus Bank Oriented Institutions. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 43 (1), p. 59-92, 2008.

Assaf Neto, A. Finanças Corporativas e Valor. São Paulo: Atlas, 2010.

Assaf Neto, A., Lima, F. G. Curso de Administração Financeira, 3 ed. São Paulo: Atlas, 2014.

Banco Central do Brasil - BCB. Economia e finanças. Selic – Mercado de títulos públicos. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/htms/selic/conceito_taxaselic.asp, 2016.

Bastos, D. D., Nakamura, W. T. Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, n. 50, p.75-94, 2009.

Brito, R. D., Lima, M. R. A Escolha da Estrutura de Capital sob Fraca Garantia Legal: O Caso do Brasil. Revista Brasileira de Economia – RBE, Rio de Janeiro, vol. 59, n. 2, p. 177-208, 2005.

Ceretta, P. S., Barba, F. G., Casarin, F., Kruel, M., & Milani, B. Desempenho financeiro e a questão dos investimentos sócio-ambientais. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 3, n. 3, p. 72-84, set – dez, 2009.

Correa, C. A., Basso, L. F. C., Nakamura, W. T. A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e Tradeoff, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie, vol. 14, n. 4, p. 106-133, 2013.

Damodaran, A. Finanças corporativas: teoria e prática (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman, 2004.

Durand, D. Cost of Debt and Equity Funds for Business: Trends and Problems of Measurement. Conference on Research on Business Finance. New York: National Bureau of Economic Research. p. 215-162, 1952.

Frank, M. Z., Goyal, V. K. Testing the pecking order theory of capital structure. Journal of Financial Economics, v. 67, p. 217-248, 2003.

Jensen, M. C. Agency costs of free cash flow, corporate finance and takeovers. American Economic Review. v. 76, p. 323-329, 1986.

Jonghe, O., Diepstraten, M., Schepens, G. Banks’ size, scope and systemic risk: What role for conflicts of interest? Journal of Banking & Finance, 2015.

Karma, O., Sander, P. The impact of financial leverage on risk of equity measured by loss-oriented risk measures: an option pricing approach. European Journal of Operational Research, v. 175, n. 3, p. 1340-1356, 2006.

Klotzle, M. C., Biagini, F. L. Fatores determinantes da estrutura de capital de empresas brasileiras. Revista de Economia e Administração, v. 3, n. 3, p. 253-271, 2004.

Lumby, S. Investment appraisal and financing decisions: a first course in financial management. 4.ed. Chapman & Hall, 1991.

Machado, Luiz K. C., Prado, José W., Vieira, Kelly C., Antonialli, Luiz M., & Santos, A. C. A relevância da estrutura de capital no desempenho das firmas: uma análise multivariada das empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 9, n. 4, art. 3, p. 397-414, out/dez, 2015.

Miller, M. H. Debt and Taxes. Journal of Finance, v.32, 1977, p. 261-75, 1977.

Modigliani, F., Miller, M. H. Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. American Economic Review, v.52, n.3, jun, p.433-443, 1963.

Modigliani, F., Miller, M. H. The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment: reply. The American Economic Review, v. 49, n. 4, set, p. 655-669, 1959.

Modigliani, F., Miller, M. H. The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment. American Economic Review, v. 48, n.3, jun, p.261-297, 1958.

Myers, Stewart C., Majluf, Nicholas S. Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics. N. 13, pp. 187-221, 1984.

Myers, Stewart C. Determinants of corporate borrowing, Journal of Financial Economics, n. 5, pp.147-175, 1977.

_______. The capital structure puzzle. The Journal of Finance, v. 39, n. 3, p. 574-592, July, 1984.

_______. Capital Structure. The Journal of Economic Perspectives. v. 15, n. 2, p. 81-102, 2001.

Nakamura, W. T., Martin, D. M. L., Forte, D., Carvalho Filho, A. F., Costa, A. C. F., & Amaral, A. C. Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro – análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003. Revista Contabilidade & Finanças, n. 44, p. 72-85, 2007.

Nicoli Junior, J., Funchal, B. O efeito da diversificação corporativa na estrutura de capital das firmas brasileiras. Revista Contabilidade e Finanças, v. 24, n. 62, p. 154-161, mai – ago, 2013.

Perobelli, F. F. C., Famá, R. Determinantes da estrutura de capital: Aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 37, 2002.

Rajan, R. G., Zingales, L. What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance, v. 50, n. 5, p. 1421-1460, 1995.

Ross, Stephen A. The determination of financial structure: the incentive-signaling approach. The Bell Journal of Economics, Spring, Vol.8, n.1, pp.23-40, 1977.

Thies, C. F., Klock, M. S. Determinants of capital structure. Review of Financial Economics, v. 2, p. 40-52, 1992.

Titman, S., Wessels, R. The Determinants of Capital Structure Choice. The Journal of Finance, v. 43, n. 1, p. 1-19, 1988.

Wald, J. K. Capital structure with dividend restrictions. Journal of Corporate Finance, v. 5, jun, 1999.

Publicado
2017-08-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 885
  • ARTIGO downloads: 921
Seção
Artigos