DA EDUCAÇÃO RURAL À EDUCAÇÃO DO CAMPO:REVISÃO CRÍTICA

  • Mary Rangel Universidade Federal Fluminense(UFF) Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Rosângela Branca Carmo Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Resumo

O propósito deste estudo é recuperar alguns dos eventos históricos da educação ruralque esclarecem o percurso da evolução de seu significado para a concepção, sociale politicamente mais ampla, da educação do campo, observando e problematizando,nesse percurso, fatores que fundamentam reivindicações por maior atenção à escolae às práticas pedagógicas. A metodologia inclui revisão de estudos, cujos aportescríticos sustentam a problematização, construída no estilo ensaístico. A revisão apontaum longo tempo de pouca atenção política ao contexto rural e suas escolas, cujocurrículo e práticas têm sido submetidos ao modelo da escola urbana. Destaca-se,então, a relevância histórica de movimentos sociopolíticos em prol da valorizaçãodos sujeitos do meio rural, incluindo indígenas e remanescentes dos quilombos,reconhecendo-se sua importância para a vida e a história do país. Assim, no percursohistórico e nos aportes críticos revistos neste artigo, observa-se a crescente ênfase emrecursos e condições que propiciem a oferta de um processo educativo contextualizado,assegurando-se também os princípios de qualidade educacional. Desse modo, esteestudo demonstra o quanto o campo inspira reflexões e requer a continuidade eaprofundamento de estudos que visibilizem suas questões e apelos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mary Rangel, Universidade Federal Fluminense(UFF) Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Doutorado em educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pós-Doutorado em Psicologia Social pela PontíifíciaUniversidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora Titular de Didática da Universidade Federal Fluminense(UFF).Professora Titular da área de Ensino-Aprendizagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Assessora Pedagógica:Institutos Superiores La Salle (RJ) e Colégio La Salle Abel (RJ)
Rosângela Branca Carmo, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)
Mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora do Departamento de Ciências da Educaçãoda Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Referências

ARAUJO, S. R. M. de. Educadores do campo: descobrindo os caminhos da formação inicial para os monitores das

Escolas Famílias Agrícolas do Estado da Bahia. Revista da Faeeba. Educação e Contemporaneidade. Salvador, v.

, n. 34, p. 131-144, 2010.

ARROYO, M. A educação básica e o movimento social do campo. In: ______; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 147-158.

BURKE, P. The historical anthropology of early modern Italy: essays on perception and communication. Cambridge

[Cambridgeshire]; New York: Cambridge University Press, 1987.

CALAZANS, M. J. Para compreender a educação do Estado no meio rural – traços de uma trajetória. In: THERRIEN,

J.; DAMASCENO, M. N. (Coords.). Educação e escola no campo. Campinas: Papirus, 1993. p. 172-184.

______; CASTRO, L. F. M. de; SILVA, H. R. S. Questões e contradições da educação rural no Brasil. In: WERTHEIN,

J.; BORDENAVE, J. Díaz (Orgs.). Educação rural no Terceiro Mundo: experiências e novas alternativas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. p. 179-188.

CALDART, R. S. Os movimentos sociais e a construção da escola (do sonho) possível. Contexto & Educação. Ijuí,

s.n., v. 10, n. 41, p. 100-131, jan./mar. 1996.

______. Educação em movimento – Formação de educadores e educadoras no MST. Petrópolis: Vozes, 1997.

______. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, M. C.; CALDART,

R. S.; MOLINA, M. C. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 147- 58.

CAVALCANTE, R. L. A. A escola rural e seu professor no “Campo das Vertentes”. 2003. Tese (Curso de Doutorado

em Educação) - Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2003.

CONAE 2010. Conferência Nacional de Educação. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano

Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação. Documento Final. Brasília: Imprensa Oficial, 2010.

CULTI, M. N.; SOUZA, J. B. da L. Estratégia de comercialização para melhorar a renda de pequenos produtores familiares rurais de leite. Revista da Faeeba. Educação e Contemporaneidade. Salvador, v. 19, n. 34, p. 175-189, 2010.

FARIA FILHO, L. M. de. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, E. M. T. (Org.). 500 anos de educação

no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 45-86.

FREIRE, P. A pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura

econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1990.

______. Trabalho como princípio educativo: por uma superação das ambiguidades. Boletim técnico do SENAC.

Rio de Janeiro, v. 11, n.3, p. 175-192, set./dez. 1985.

GRIFFTHS, V. L. Problemas da educação rural. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 10, p. 41-55, 1980.

LEITE, S. C. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2002.

LIMA, M. B. de. Do saber da conquista à conquista do saber: educação e autonomia no campo. 1998. Dissertação

(Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 1998.

MENDONÇA, S. R. Estado e educação rural no Brasil: alguns escritos. Niterói, RJ: Vício de Leitura; FAPERJ, 2007.

MENEZES, I. D. A cor do invisível: saberes nas experiências educativas organizadas pela central das associações

das comunidades de fundo e fecho do pasto da região do Senhor do Bonfim. Bahia. Revista da Faeeba. Educação

e Contemporaneidade. Salvador, v. 19, n. 34, p. 97-108, 2010.

PASSINI, E. Y. Alfabetização cartográfica e o livro didático: uma análise crítica. Belo Horizonte: Lê, 2000.

PINTO, M. da C. Um elogio do ensaio. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

QUEIROZ, Z. F. de. A escola rural e a questão do saber: do saber universal ao saber construído pelo homem do campo. Dissertação. 1992 - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 1992.

RAPOSO, M. da C. A dimensão pedagógica dos movimentos sociais no campo. São Luis, MA: Edufma, 1999.

RIBEIRO, C. de J. História de uma escola para o povo: projeto João-de-Barro-Maranhão. São Luís: UFMA, 1985.

RICHARDSON, R. J. Pobreza rural, desenvolvimento e educação. Educação & Sociedade, São Paulo: n. 14, p.

-82, abr. 1983.

ROCHA, M. I. A. A construção histórica da escola no meio rural em Minas Gerais. Cadernos de Textos do 1º Encontro

Estadual de Minas Gerais, Belo Horizonte, p. 5-12, 1998.

SAVIANI, D. As teorias da educação e o problema da marginalidade. In: ______. Escola e democracia. São Paulo:

Cortez, 1983. p. 7-49.

______. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOUZA, M. A. Educação do campo: propostas e práticas do MST. Petrópolis: Vozes, 2006.

SOUZA, M. F. do V. de. A fábrica de professores e a padronização do conhecimento. 2006. Tese (Doutorado em

Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.

SKLIAR, C. Pedagogia improvável da diferença. E se o outro não estivesse ai? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

WERLE, F. O. C. Educação rural em perspectiva internacional. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

WERNECK, H. Se a boa escola é a que reprova, o bom hospital é o que mata. 8 ed. Rio de Janeiro: DPA, 2000.

Publicado
2013-08-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1576
  • PDF downloads: 669
Como Citar
RANGEL, M.; CARMO, R. B. DA EDUCAÇÃO RURAL À EDUCAÇÃO DO CAMPO:REVISÃO CRÍTICA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 20, n. 36, 12 ago. 2013.