EDUCAÇÃO DO CAMPO, ESCOLAS, RURALIDADES E O PROJETO DO PNE

  • Maria Antônia de Souza Universidade Tuiuti do Paraná (UTP).
  • Patrícia Correia Paula Marcoccia Secretaria Municipal de Educação de Curitiba

Resumo

Este artigo problematiza educação do campo, os aspectos da realidade das escolaspúblicas e as metas previstas no projeto do Plano Nacional de Educação (2011-2020).O trabalho, fruto de análise documental e bibliográfica, toma por referência a educaçãodo campo como derivada da experiência coletiva dos movimentos sociais detrabalhadores. Em meio ao debate da educação nacional é necessário reconhecer queo Brasil possui identidades e ruralidades que são determinadas por projetos políticosdiferenciados. A tensão entre latifúndio e terra como meio de vida e de trabalho épermanente na história brasileira. A partir do final da década de 1990, simpósios,seminários e conferências demonstraram o caráter público e coletivo da educaçãodo campo, em oposição ao caráter tecnicista e urbano que historicamente marcou aeducação rural no Brasil. Constata-se que a conjuntura política nacional foi favorávelà efetivação das demandas feitas pelos trabalhadores do campo, embora com muitoslimites e controles fiscais e jurídicos. O Projeto do Plano Nacional de Educação inserea educação do campo como uma ampla frente de necessidades a serem enfrentadas erealidades a serem reconhecidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Antônia de Souza, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP).
Geógrafa (UNESP/Presidente Prudente). Mestre e Doutora em Educação (UNICAMP). Docente do Programa de Pós-Graduação– Mestrado e Doutorado em Educação – da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Bolsista Produtividade em Pesquisa doCNPq – 1D
Patrícia Correia Paula Marcoccia, Secretaria Municipal de Educação de Curitiba
Mestre em Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná(UFPR). Pedagoga da Secretaria Municipal de Educação de Curitiba. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Educação doCampo, Movimentos Sociais e Práticas Pedagógicas (NUPECAMP).

Referências

BRASIL. Lei nº 8.315, de 23 de dezembro de 1991. Dispõe sobre a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem

Rural - SENAR, nos termos do artigo 62 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial [da]

República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 24 dez. 1991. Disponível em:<http://www.senarpr.

org.br/arrecadacao/lei_8315_1991.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2011.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833.Disponível em:<http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=75723>. Acesso em: 26 fev. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica das Escolas do Campo. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 9 abr.2002. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB012002.pdf>. Acesso em: 23 fev. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares,

normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo.

Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 29 abr. 2008. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/

cne/arquivos/pdf/2008/rceb002_08.pdf>. Acesso em: 23 fev. 2011.

BRASIL. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa

Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 nov. 2010a. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20072010/Decreto/D7352.htm>. Acesso em: 23 fev. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto de Lei nº 8.035, de 20 de dezembro de 2010. Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 20 dez. 2010b. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/sileg/Prop_Detalhe.asp?d=490116>. Acesso em: 23 fev. 2011.

CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. Currículo sem Fronteiras, v. 3, n. 1, p. 60-81, jan./jun. 2003. Disponível em:. Acesso em: 18 mar. 2011.

CALDART, Roseli Salete. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 147-158.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO – CONAE. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, diretrizes e estratégias de ação. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/conae/documento_referencia.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2011.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Primeira Conferência Nacional “Por uma Educação Básica do Campo”. In:

ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. (Org.). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 19-64.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Projeto Societário contra-hegemônico e educação do campo: desafios de conteúdo, método e forma. In: MUNARIM, Antonio et al. (Org.). Educação do campo: reflexões e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2010. p. 19-46.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/universo.

php?tipo=31o/tabela13_1.shtm&uf=41>. Acesso em: 10 mar. 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Contagem da População 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem2007/contagem.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA – INCRA. I Censo Nacional da Reforma Agrária. Brasília, DF: MEPF, 1996.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Panorama

da Educação do Campo. Brasília, DF: INEP, 2007. Disponível em: <http://www.red-ler.org/panoramaeducacao-campo.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2011.

MARCOCCIA, Patrícia Correia de Paula. Escolas Públicas do Campo: indagação sobre a educação especial na

perspectiva da inclusão educacional. 2011. 191 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2011.

MONLEVADE, João Antônio Cabral de. Plano Nacional de Educação 2011-2020: um esboço. Brasília: Senado

Federal, 2010. (Coleção Consultoria Legislativa). Disponível em: <http://www.senado.gov.br/senado/conleg/Agenda_

legislativa/Capitulo_20_Joao_Monlevade.pdf>. Acesso em: 16 mar.2011.

MUNARIM, Antônio et al. Política pública de educação do campo: a articulação entre o Estado e a sociedade. In:

AUED, Bernadete Wrublevski; VENDRAMINI, Célia Regina (Org.). Educação do campo: desafios teóricos e práticos. Florianópolis: Insular, 2009. p. 53-65.

PEREIRA, Roberval Eloy. A consolidação de escolas unidocentes como política de educação para a zona rural

no estado do Paraná. São Paulo: AnnaBlume; Curitiba: Fundação Araucária, 2002.

SOUZA, Maria Antônia de. Educação e movimentos sociais do campo: a produção do conhecimento no período de 1987 a 2007. Curitiba: UFPR, 2010.

VEIGA, José Eli da. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

VERDE, Valéria Villa. Territórios, ruralidade edesenvolvimento. Curitiba: IPARDES, 2004.

Publicado
2013-08-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1227
  • PDF downloads: 646
Como Citar
SOUZA, M. A. DE; MARCOCCIA, P. C. P. EDUCAÇÃO DO CAMPO, ESCOLAS, RURALIDADES E O PROJETO DO PNE. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 20, n. 36, 12 ago. 2013.