NÃO SER SÓ UM CARREGADOR DE LIVRO: Elaborações de jovens rurais sobre a escola

  • Catarina Malheiros da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB

Resumo

Considerando a centralidade da escola para a realização dos projetos individuais, esteartigo busca compreender os sentidos das experiências escolares para os/as jovens doDistrito Espraiado e fazendas, localizados em área rural do município baiano de Palmasde Monte Alto. Realizou-se um trabalho de campo, no qual a observação participante, aetnografia e a realização de grupos de discussão constituíram os principais instrumentosde coleta de dados. Foi realizada análise de 02 grupos de discussão com jovens dosexo masculino e feminino, matriculados nos anos finais do ensino fundamental. Aanálise foi feita com base no Método Documentário de Interpretação desenvolvidopor Karl Mannheim e adaptado para a pesquisa social empírica por Ralf Bohnsack.Os resultados apresentados aqui apontam que a escola tem significados positivos paramoças e rapazes, haja vista que se trata de uma área rural de pequeno município emque o processo de escolarização se deu de forma tardia e sexista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catarina Malheiros da Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB
Mestre em Educação. Doutoranda em Educação pela Universidade de Brasília. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa GERAJU- Educação e Políticas Públicas: gênero, raça/etnia e juventude.

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo et al. Dilemas e estratégias dos jovens rurais: ficar ou partir. Estudos Sociedade e Agricultura,

Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 236-271, 2004.

BOHNSACK, Ralf; WELLER, Wivian. O método documentário e sua utilização em grupos de discussão. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 11, n. 2, p.19-38, mar./ago. 2006.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A partilha da vida. São Paulo: GEIC/Cabral, 1995.

______. O trabalho de saber. Porto Alegre: Sulina, 1999.

CARNEIRO, Maria José. Juventude rural: projetos e valores. In: ABRAMO, Helena Wendel; BRANCO, Pedro Paulo Martoni (Orgs.). Retrato da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005. p. 243-261.

CASTRO, Elisa Guaraná de; CARNEIRO, Maria José (Orgs.). Juventude rural em perspectiva. Rio de Janeiro:Mauad X, 2007.

CHARLOT, Bernard (Org). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 33-50.

______. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n.

, p. 47-63, maio 1996.

CORTI, Ana Paula; SOUZA, Raquel. Diálogos com o mundo juvenil: subsídios para educadores. São Paulo: Ação Educativa, 2004.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes?: reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, out. 2007. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 15 mar. 2010.

______. A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

Instituto Brasileiro de Geografia eEstatística (IBGE). Municípios brasileiros. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 4 abr. 2011.

NOVAES, Regina; VANNUCHI, Paulo (Orgs.). Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

PAIS, José Machado. Culturas juvenis. 2 ed. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2003.

PEREIRA, Jorge Luiz de Goes. Entre campo e cidade: amizade e ruralidade segundo jovens de Nova Friburgo.

Estudos Sociedade e Agricultura, v. 12, n. 2, p. 322-351, out. 2004.

SARTI, Cynthia A. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Autores Associados, 1996.

SILVA, Vanda. Sertão de jovens. São Paulo: Cortez, 2004.

SPÓSITO, Marília Pontes. Algumas reflexões e muitas indagações sobre as relações entre juventude e escola no

Brasil. In: ABRAMO, Helena Wendel; BRANCO, Pedro Paulo Martoni (Orgs.). Retrato da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005. p. 87-127.

______. Transversalidades no estudo sobre jovens no Brasil: educação, ação coletiva e cultural. Educação e Pesquisa,

São Paulo, v. 36, n. especial, p. 95-106, 2010.

STROPASOLAS, Valmir Luiz. O mundo rural no horizonte dos jovens. Florianópolis: EDUFSC, 2006.

VEIGA, José Eli da. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. 2 ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

VIEIRA, Rosângela Steffen. Tem jovem no campo! tem jovem homem, tem jovem mulher. In: WOORTMANN,

Ellen F.; MENACHE, Renata; HEREDIA, Beatriz (Orgs.). Margarida Alves. Brasília: MDA/ IICA, 2006. p. 195-214. Coletânea sobre estudos rurais e gênero.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel (Coord.). Juventude rural: vida no campo e projetos para o futuro.Recife, 2006. Relatório de pesquisa.

WEISHEIMER, Nilson. Juventudes rurais: mapa de estudos recentes. Brasília: MDA/NEAD, 2005.

WELLER, Wivian. Minha voz é tudo o que eu tenho: manifestações juvenis em Berlin e São Paulo. Belo Horizonte:

EDUFMG, 2011.

______. Grupos de discussão: aportes teóricos e metodológicos. In: ______; PFAFF, Nicolle (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 54-66.

______. Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, mai./ago. 2006.

______. A contribuição de Karl Mannheim para a pesquisa qualitativa: aspectos teóricos e metodológicos. Sociologias,

Porto Alegre, ano 7, n.13, p. 260-300, jan./jun. 2005.

______ et al. Karl Mannheim e o método documentário de interpretação: uma forma de análise das visões de mundo.

Sociedade e Estado, Brasília, v. 17, n. 2, p. 375-396, jul./dez. 2002.

Publicado
2013-08-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 210
  • PDF downloads: 111
Como Citar
SILVA, C. M. DA. NÃO SER SÓ UM CARREGADOR DE LIVRO: Elaborações de jovens rurais sobre a escola. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 20, n. 36, 7 ago. 2013.