PEDAGOGIA 2.0 NA WEB SOCIAL E O SEU IMPACTO NO AUTOCONCEITO DE ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO

  • José António Moreira Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta, Portugal.
Palavras-chave: Autoconceito acadêmico. Pedagogia 2.0. Web social

Resumo

A vertiginosa evolução das tecnologias de informação e da comunicação (TIC) e o advento da Internet propiciaram o surgimento de uma sociedade em rede marcada por mudanças acentuadas na economia, impulsionando o nascimento de novos paradigmas, modelos, processos de comunicação educacional e novos cenários de
aprendizagem. É precisamente um desses cenários pedagógicos na web social que pretendemos analisar, descrevendo o seu impacto no autoconceito acadêmico de vinte e nove estudantes de pós-graduação, a partir da análise qualitativa das suas perceções
e narrativas e tendo como referencial o Modelo Pedagógico Virtual® da Universidade Aberta, Portugal. Os resultados mostram que o design do ambiente, ancorado nos princípios do construtivismo, da autonomia, da flexibilidade, da inclusão e da interação,
podem ter efeitos muito positivos no autoconceito acadêmico dos estudantes do ensino superior, em nível das diferentes dimensões consideradas: Motivação, Orientação para a Tarefa, Confiança nas suas Capacidades e Relação com os Colegas. São discutidas
as implicações dos resultados encontrados, tanto do ponto de vista de intervenção prática, quanto em termos de investigações futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José António Moreira, Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta, Portugal.

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra (UC). Professor do Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta, Portugal. Diretor da Delegação Regional do Porto da Universidade Aberta, Portugal. Investigador Integrado no Grupo de Políticas e Organizações Educativas e Dinâmicas Educacionais (gruPOEDE) do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra. Coordenador Científico da Unidade Móvel de
Investigação de Estudos do Local (ELO) da Universidade Aberta.

Referências

BARDIN, L. L´analyse de contenu. Paris: PUF, 1977.

BASSO, M. et al. Redes sociais: espaço de aprendizagem digital cooperativo. Conjectura: Filosofia e Educação,v.18, n. 1, p. 135-149, 2013.

BENTO, F. Autoconceito e participação social do estudante do ensino superior. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade Psicologia Ciências da Educação, Coimbra, 1997.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Do conhecimento à política. In: CASTELLS, M.; CARDOSO, G. (Org.) A sociedade em rede. Do conhecimento à acção política. Debates – Presidência da República. Lisboa: Imprensa Nacional, 2005. p.17-30. Disponível em: <http://www.cies.iscte.pt/destaques/documents/Sociedade_em_Rede_CC.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

______. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

CHU, M.; MEULEMANS, Y. The problems and potencial of Myspace and Facebook usage in academic libraries. Internet Reference Services Quarterly, v. 13, n. 1, p. 69-76, 2008.

ESTEVÃO, C.; ALMEIDA, L. Prática desportiva e medidas de autoconceito físico e académico. In: ALMEIDA, L. S. et al (Ed.). Actas do IV Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 512-519.

GARRISON, D.; ANDERSON, T. El e-learning en el siglo XXI. Investigación e práctica. Barcelona: Octaedro, 2005.

GOULÃO, M. Ensinar e aprender em ambientes online: alterações e continuidades na(s) prática(s) docente(s). In: MOREIRA, J. A.; MONTEIRO, A. (Org.). Ensinar e aprender online com tecnologias digitais: abordagens teóricas e metodológicas. Porto: Porto Editora, 2012. p. 77-98.

HEW, K. F. Student´s and teacher´s use of Facebook. Computers in Human Behaviour, v. 21, p. 662-676, 2011.

LEE, M.; McLOUGHLIN, C. Teaching and learning in the Web 2.0 era: empowering students through learnergenerated content. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning, v. 4, n. 10, p. 21-34, 2007.

LIMA, M.; SECO, G. Autoconceito académico em adultos. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. XXIV, p. 303-315, 1990.

MCLOUGHLIN, C.; LEE, M. Pedagogy 2.0: critical challenges and responses to Web 2.0 and social software in tertiary teaching. In: LEE, M.; McLOUGHLIN, C. (Ed.). Web 2.0 based e-learning: applying social informatics or tertiary teaching. Hershey: Information Science Reference, 2011. p. 43-69.

MILES, M.; HUBERMAN, A. Drawing valid meaning from qualitative data: toward a shared craft. Educational Researcher, v. 13, n. 5, p. 20-30, 1984.

MONTEIRO, A.; MOREIRA, J. A. O blended learning e a integração de sujeitos, tecnologias, modelos e estratégias de ensino-aprendizagem. In: MONTEIRO, A. et al (Coord.). Blended learning em contexto educativo: perspetivas teóricas e práticas de investigação. Santo Tirso: De Facto Editores, 2012. p. 33-58.

MOREIRA, J. A. (Re) Pensar o ensino com objetos de aprendizagem audiovisuais em ambientes presenciais e online. In: MOREIRA, J. A.; MONTEIRO, A. (Org.). Ensinar e aprender online com tecnologias digitais: abordagens teóricas e metodológicas. Porto: Porto Editora, 2012. p. 77-98.

MOREIRA, J. A.; MONTEIRO, A. O trabalho pedagógico em cenários presenciais e virtuais no ensino superior. Educação, Formação & Tecnologias, v. 3, n. 2, p. 82-94, 2010.

MOREIRA, J. A.; JANUÁRIO, S.; MONTEIRO, A. Educar na rede social. In: MOREIRA, J. A.; BARROS, D.; MONTEIRO, A. (Org.) Educação a Distância e eLearning na Web Social. Santo Tirso: Whitebooks-CEIS20, 2014. p. 23-38.

OKADA, A. Competências-chave para coaprendizagem na era digital. Fundamentos, métodos e aplicações. Santo Tirso: Whitebooks, 2014.

PEMPECK, A.; YERMOLAYEVA, A.; CARVET, L. College students´social networking experiences on Facebook.Journal of Applied Developmental Psychology, n. 30, p. 227-238, 2009.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SALMON, G. E-tivities: the key to teaching and learning online. Londres: Routledge, 2003.

SCHOEDER, J.; GREENBOWE, T. The chemistry of Facebook: using social networking to create an online community for the organic chemistry. Innovate: Journal of Online Education, v. 5, n. 4, p. 22-31, 2009.

SIMÕES, M.; SERRA, A. A importância do auto-conceito na aprendizagem escolar. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. 21, p. 233-252, 1987.

URHAHNE, D. et al. Academic self-concept, learning motivation, and test anxiety of the underestimated student.British Journal of Educational Psychology, n. 81, p. 161-177, 2011.

VALA, J. A análise de conteúdo. In: SILVA, A.; PINTO, J. (Org.). Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições afrontamento, 1986.

VEIGA, F. Estudo de um instrumento de autoconceito escolar: “Self-concept as a learner scale”. In: GONÇALVES, M. et al (Eds.). Avaliação psicológica: formas e contextos. Braga: APPORT, 1996. p. 365-380.

WANG, F.; HANNAFIN, M. J. Design-based research and technology-enhanced learning environments. Educational Technology Research and Development, v. 53, n. 4, p. 5-23, 2005.

WILSON, R. E.; GOSLING, S. D.; GRAHAM, L. T. Review of Facebook research in the social sciences. Perspectives on Psychological Science, v. 7, n. 3, p. 203-220, 2013.

Métricas
  • Visualizações do Artigo 1360
  • PDF downloads: 270
Como Citar
Moreira, J. A. (1). PEDAGOGIA 2.0 NA WEB SOCIAL E O SEU IMPACTO NO AUTOCONCEITO DE ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO. Revista Da FAEEBA - Educação E Contemporaneidade, 24(44). https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n44.p%p