DESAFIOS PARA UM ENSINO CONTEXTUALIZADO E CRÍTICO DO INGLÊS COMO A LÍNGUA DO MUNDO

Palavras-chave: Expansão da Língua Inglesa. Ensino de Língua Inglesa. Inglês como Língua Franca.

Resumo

Este estudo tem como propósito discutir sobre alguns desafios enfrentados no ensino da língua inglesa na contemporaneidade. Para tanto, buscou-se refletir a expansão do inglês desde os seus primórdios até os dias de hoje. Em seguida, foram analisadas, de forma breve, as implicações dessa língua global. Desse modo, pode-se perceber que, no atual contexto de globalização, a língua inglesa é a mais falada do planeta e, por conta disso, ela se desterritorializa e passa ser a língua de todos, assumindo um papel sem precedentes na história. O referencial teórico incluiu autores como Pennycook (2007), Moita Lopes (1996, 2008), Jenkins (2006), Graddol (2006), Crystal (2003, 2005), Schütz (2013), Blommaert (2010), Ostler (2010), entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sigrid Rochele Gusmão Paranhos Magalhães, Doutoranda em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia - Brasil

Mestra em Língua e Cultura. Graduada em Letras com habilitação em Língua Inglesa e Literaturas.

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira.14. ed. São Paulo: Hucitec Editora, 2010.

BLOMMAERT, J. The sociolinguistics of globalization. New York, USA: Cambridge University Press, 2010.

BURGESS, A. A Literatura Inglesa. Tradução de Duda Machado. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1996.

CEVASCO, M. E; SIQUEIRA, V. L. Rumos da Literatura Inglesa. São Paulo: Ática, 1985.

COUTO, M. Três fantasmas mudos para um orador luso-afônico. In: VALENTE, A. (Org.) Língua portuguesa e identidade: marcas culturais. Rio de Janeiro: Editora Caetés, 2007.

CRYSTAL, D. English as a Global Language. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

CRYSTAL, D. A Revolução da Linguagem. Tradução de Ricardo Quintana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

GIMENEZ, T.; BORDINI, M. Estudos sobre Inglês como Língua Franca no Brasil (2005 – 2012): uma metassíntese qualitativa. Signum: Estud. Ling., Londrina, n.17, v.1, jun., 2014, p.10-

GRADDOL, D. English Next: why global English may mean the end of English as a foreign language. The British Council. London: The English Company, 2006.

JENKINS, J. Current Perspective on Teaching World Englishes and English as a Lingua Franca. Tesol Quarterly, v. 40, n. 1, mar., 2006. p. 157-181.

KACHRU, B. B. Standards, codification and sociolinguistic realism: the English language in the outer circle. In: QUIRK, R.; WIDDOWSON, H. English in the world: teaching and learning and literatures. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1985, p.11-30.

KUMARAVADIVELU, B. A. Linguística Aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 129-148.

LACOSTE. Y. Por uma abordagem geopolítica da difusão do inglês. In: RAJAGOPALAN, K,; LACOSTE, Y. (Org.). A Geopolítica do Inglês. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 7-11.

LE BRETON, J-M. Reflexões anglófilas sobre a geopolítica do inglês. In: LACOSTE, Y; RAJAGOPALAN, K. (Org.). A Geopolítica do Inglês. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p.12-26.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de Linguística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de aprendizagem de ensino/aprendizagem de línguas. 6. reimpr. Campinas, SP:

Mercado das Letras, 2006.

MOITA LOPES, L. P. da. (Org.). Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

ORTIZ, R. Mundialização: saberes e crenças. São Paulo: Brasiliense, 2006.

OSTLER, N. The last lingua franca: English until the return of Babel. New York: Walker & Company, 2010.

PENNYCOOK, A. A Linguística Aplicada nos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Org.). Linguística Aplicada e Transdisciplinaridade:

questões e perspectivas. 2. reimpr. São Paulo: Mercado de Letras, 2007. p. 21-46.

RAJAGOPALAN, K; LACOSTE, Y. (Org.). A Geopolítica do Inglês. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. 3. reimpr. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SCHÜTZ, R. História da Língua Inglesa. English Made in Brazil, 2013. Disponível em: <http://www.sk.com.br/sk-enhis.html> Acesso em: jan/2015.

SEIDLHOFER, B. Closing a conceptual gap: the case for a description of English as a Lingua Franca. International Journal of Applied Linguistics, v.11, n.2, 2001. p.133-158.

SILVA, A. M. da. Literatura Inglesa para Brasileiros. Curso completo de literatura e cultura inglesa para estudantes brasileiros. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna, 2005.

SIQUEIRA, D. S. P. Inglês como língua internacional: por uma pedagogia intercultural crítica. 2008. 359f. Tese de Doutorado (Língua e Cultura) - Universidade Federal da Bahia – UFBA, Salvador, BA.

Publicado
2018-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 206
  • ♪Áudio♪ downloads: 4
Como Citar
Magalhães, S. R. G. P. (2018). DESAFIOS PARA UM ENSINO CONTEXTUALIZADO E CRÍTICO DO INGLÊS COMO A LÍNGUA DO MUNDO. Cenas Educacionais, 1(1), 185-206. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/5143
Seção
Dossiê Temático