BANDITISMO POR QUESTÃO DE GÊNERO: A INSERÇÃO E CRIMINALIZAÇÃO DA MULHER NO CANGAÇO

  • Aline Silva do Nascimento 7133215081
Palavras-chave: cangaço, banditismo, questão de gênero, criminalização, mulher no cangaço, cangaceiras

Resumo

     O artigo aborda o cangaço a partir da perspectiva de gênero. Examina a inserção do sexo feminino no banditismo nordestino, como forma de ruptura do lugar social ou como resultado da própria violência de gênero. Resgata os depoimentos das sobreviventes sobre o cotidiano no grupo, em que afirmam que a cangaceira era uma dona de casa como outra qualquer e que deviam, acima de tudo, respeito aos maridos.Em idos da década de 30, a violência contra a mulher era naturalizada. A legislação vigente positivava o sexismo. Longe de naturalizar ou relativizar as violências cometidas pelo cangaço, a intenção aqui é demonstrar que essas violências não eram exclusivas dos cangaceiros, mas sim, conjunto de normas sociais, morais e legais, vigentes. Nessa linha de entendimento, afirmamos que a sanção criminal da cangaceira se pautava na transgressão do lugar feminino; que o sistema criminal opera com base na discriminação de gênero, punindo a transgressão feminina com maior agressividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-02-25
Métricas
  • Visualizações do Artigo 78
  • PDF downloads: 78
Edição
Seção
Artigos