A FAVELA COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

Elton Andrade dos Santos, Adam Aaron Lima Martem Santos

Resumo


O trabalho apresenta uma análise das favelas em relação a educação ambiental, trazendo aspectos e formas importantes na aplicação de programas  educacionais, que buscam maior autonomia da população visando a sustentabilidade. A partir da reflexão e inserção da população, seriam promovidas transformações no espaço produzido, visando a melhoria da qualidade de vida. Afirmando assim o poder da auto-organização da população dos moradores, sem necessidade de vínculos partidários ou institucionais.

As favelas são espaços construídos resultantes da produção espontânea das habitações, em função da ausência de políticas públicas nos espaços ocupados pela população de renda baixa. Em geral, fatores sociais e econômicos se espacializam de diferentes formas no espaço urbano, delineando a morfologia e a organização do solo. Os processos de urbanização das cidades são fortemente influenciados pelo mercado imobiliário, que produzem desigualdades e o favorecimento de parte da população que dispõe de renda equipamentos em relação a outra parte aquelas de baixa renda e do outro, as que possuem um maior poder econômico.

 


Texto completo:

A FAVELA COMO INSTRUMENTO

Referências


BUENO, Laura Machado de Mello. O que é a favela? Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009. P. 50.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. 2003.

MARICATO, E. Metrópole na periferia do capitalismo. São Paulo: Hucitec, 1996.

FILHO, Thomé Eliziário Tavares. Educação ambiental e qualidade de vida na favela. Disponível em:. Acesso em: 13 set 2016.

SILVA, M. O. da S. Políticas de Habitação e Preço da Terra. Seminário Internacional da Terra Urbana e Habitação de Interesse Social. Anais. Campinas: FAU-PUC, 2000.

COSTA, Érico. Favela: retrato da exclusão social. Disponível em:

vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.045/608>. Acesso em: 23 set 2016.

MEYER, M. A. A Educação Ambiental: uma proposta pedagógica. Em aberto, 1991, p.41-46.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Gara-mond, 2002.

MEDINA, N. Educação ambiental: Uma nova perspectiva. Série Cadernos Pedagógi-cos. Cuiabá: Secretaria Municipal de Educação e Universidade Federal do Mato Grosso, 1994.

PEDRINI, A; COSTA, E. A; GHILARDI, N. Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de educação ambiental. Ciência & educação, 2010. p.163-169.

TOZONI-REIS, M. F. de C. Pensando a educação ambiental. Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental, 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO/MEC. Desenvolvimento e educa-ção ambiental. Brasília: INEP, 1992.

BRANDÃO, C. (org). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1990.

GRACIANI, J.S. Ações e estratégias para a atuação na gestão participativa socioambi-ental. Educação Continuada à distância. 2003.

NUNES, Débora. Pedagogia da participação: trabalhando com comunidades. Tradução Ciro Sales; Salvador: UNESCO/Quarteto, 2002.

MENEZES, D. Em defesa do planeta. Revista Nova Escola, São Paulo, 2007, p.41-51.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.