USO DE JOGOS DIDÁTICOS: DESAFIOS E SUPERAÇÕES NA VISÃO DE UMA PROFESSORA DE QUÍMICA

BÁRBARA TAVARES MOREIRA, TATIANA AMARAL VARJAO, SUZANA SANTANA SANTOS

Resumo


Este trabalho apresenta a experiência de uma professora supervisora (PS) do Pibid-Química/UNEB, na elaboração e aplicação de jogos didáticos (JDs), os desafios por ela enfrentados e os reflexos em sua prática. Usou-se metodologia qualitativa, colhendo-se relatos orais e escritos, examinando-os com base na Análise Textual Discursiva. Buscou-se capturar os elementos essenciais dos relatos para identificar e discutir pontos de dificuldades e o processo de reelaboração da prática da PS. Concluiu-se que a parceria Universidade/Educação Básica (EB) foi profícua à conduta reflexiva da PS e que o uso de JDs foi laborioso, mas prazeroso e educativo, favorecendo o processo ensino-aprendizagem em aspectos diversos.

Referências


CAILLOIS, R. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990.

CARDOSO, M. C. Baú de memórias: representações de ludicidade de professores de educação infantil /Programa Pós- Graduação- Mestrado em Educação/FACED/UFBA. – 2008.170 f.

CUNHA, M.B. Jogos didáticos de química. Santa Maria: Grafos, 2000.

______. Jogos de química: desenvolvendo habilidades e socializando o grupo. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 12, 2004. Resumos ENEQ – 028. Goiânia, 2004.

______. Jogos no ensino de Quimica: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Revista Química Nova na Escola, n. 2, p. 92-98, maio 2012.

DESLAURIERS, JP; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPART, J.; DESLAURIERS, JP; GROULX, LH; LAPERRIÈRE, A; MAYER, R; PIRES, A. A Pesquisa Qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

GARCEZ, E. S. C. o Lúdico em Ensino de Química: um estudo do estado da arte. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) -Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

GHEDIN, Evandro. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. / PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Org)In. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012, 224p.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo, SP: Perspectiva, 2001.

KISHIMOTO, T.M. O jogo e a educação infantil. In: ______. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. – 7. ed. – São Paulo: Cortez, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí, 2007

PIRES, A. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, J.; DESLAURIERS, JP; GROULX, LH; LAPERRIÈRE, A; MAYER, R; PIRES, A. A Pesquisa Qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

REY, F. G. Pesquisa Qualitativa e Subjetividade. Os processos de construção da informação. Tradução de Silva, M. A. F. São Paulo: PioneiraThomson Learning, 2005.

ROSA, S.S. Construtivismo e mudança. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SOARES, M. H. F. B. Jogos e Atividades Lúdicas para o Ensino de Química. Goiânia: Kelps, 2013.

SOLÉ, I. e COLL, C. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, C. (org.), MARTÍN, E., MAURI. T., MIRAS, M., ONRUBIA, J., SOLÉ, I. e ZABALA, A. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, p. 9-28, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.