ANTONIO FERRÃO MONIZ DE ARAGÃO E SUA CLASSIFICAÇÃO DAS CIÊNCIAS: BAHIA, SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

Marcelo Dantas Duarte de Ávila

Resumo


Neste artigo introdutório, apresentamos um panorama da classificação das ciências elaborada pelo pensador baiano Antonio Ferrão Moniz de Aragão e publicada em 1878, no primeiro volume do Catálogo Geral das obras de Sciencias e Litteratura que contem a Biblioteca Pública da Província da Bahia, de sua autoria. Inicialmente, lançamos algumas luzes sobre a vida deste personagem, que estudou Natural Philosophy na Universidade de Londres entre os anos de 1830 e 1834. Em seguida, expomos, muito sucintamente, as principais ideias sobre classificação das ciências dos pensadores que mais o influenciaram sobre o tema: Ampère, Cournot e Comte. Mostramos ainda que a classificação elaborada por Antonio Moniz consistia na divisão do conhecimento em dois grandes troncos: ciências cosmológicas e ciências noológicas. Cada tronco era dividido em três partes, uma contendo as ciências teóricas, outra as ciências concretas e a terceira as ciências práticas, totalizando cinquenta e sete ciências. Concluímos, por fim, apresentando os quadros sinópticos com a classificação das ciências elaborada por Antonio Moniz.


Texto completo:

XML

Referências


ANJOS, Liane dos. Sistemas de Classificação do Conhecimento na Filosofia e na Biblioteconomia: uma visão Histórico-conceitual crítica com enfoque nos conceitos de classe, categoria e de faceta. Tese de doutorado. ECA/USP, 2008. São Paulo.

ARAGÃO, Antonio Moniz Sodré de. Memória sobre a Biblioteca Pública. Salvador, Tipografia Constitucional, 1872.

ARAGÃO, Antonio Ferrão Moniz de. Catálogo Geral das obras de Sciencias e Litteratura que contem a Biblioteca Pública da Província da Bahia. 3 v. Salvador: Typografia Constitucional. 1º v. 1878, 2º v. 1880, 3º v. 1883.

______. Diários.

______. Elementos de Matemathicas. Salvador: Tipografia Pedroza, 1858.

ÁVILA, Marcelo Duarte Dantas de Ávila. Antonio Ferrão Moniz de Aragão: Manuscritos Matemáticos e Filosóficos na cidade de Salvador – 1855 a 1886. Dissertação de mestrado. Salvador: UFBa, 2005.

COMTE, A. Os Pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1978.

DANTES, Maria Amélia M. As Instituições imperiais na historiografia das ciências no Brasil. In: HEIZER, Alda & VIDEIRA, Antonio Augusto P. (org.). Ciência, Civilização e Império nos Trópicos. Rio de Janeiro: Access Editora, 2001.

DANTES, Maria Amélia M. & HAMBURGER, Amélia Império. A Ciência, os Intercâmbios e a História das Ciências: Reflexões sobre a atividade científica no Brasil. In: A Ciência nas relações Brasil –França (1850 – 1950); São Paulo. EDUSP, 1996.

DIAS, André Luís Mattedi. Engenheiros, Mulheres, Matemáticos: Interesses e disputas na profissionalização da matemática na Bahia (1896 – 1968). Tese de doutoramento, USP, 2002. LIMA Jr. Francisco P. Ferrão Moniz, “um amigo da sabedoria”. Salvador: A Tarde, p.1, caderno 2, 30 de junho de 1987.

LACERDA, Gustavo Biscaia de. O momento comteano: República e Política no pensamento de Auguste Comte. [tese], Florianópolis, SC, 2010. UFSC

LIMA Jr. Francisco P. Ferrão Moniz, “um amigo da sabedoria”. Salvador: A Tarde, p.1, caderno 2, 30 de junho de 1987.

POMBO, Olga. Da classificação dos seres à classificação dos saberes. Disponível em: . Acessado em: 27 de abril de 2015.

SILVA, Circe Mary Silva da. A Matemática positivista e sua difusão no Brasil. Vitória: EDUFES, 1999.

VALENTE, Vagner Rodrigues. Uma história da Matemática escolar no Brasil, 1730 –1930 .2ª ed. São Paulo: Annablume, 1999.

VIDEIRA, Antonio Augusto Passos. Luiz Cruls e a astronomia no Imperial Observatório do Rio de Janeiro entre 1876 e 1889. In: HEIZER, Alda & VIDEIRA, Antonio Augusto P. (org.). Ciência, Civilização e Império nos Trópicos. Rio de Janeiro: Access Editora, 2001, p. 125-126.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.