Donde está la traducción... a leitura comparada de ‘Un niño entre hombres y cangrejos’ e ‘Homens e caranguejos’

Thiago Azevedo Sá de Oliveira

Resumo


A leitura comparada de Un niño entre hombres y cangrejos (1966), edição espanhola do romance Homens e caranguejos (1967), de Josué de Castro (1908-1973), reconhece na tradução as apropriações e transposições do processo tradutório do único romance atribuído ao autor pernambucano. A tradução hispânica, de Maria Isabel Martino e Angel Ruiz Camps, expõe o fluxo de circulação internacional do romance josueniano. Nos anos de 1960, período do chamado boom latino-americano, a difusão da língua hispânica ensejou a reflexão da escolha pelo idioma castelhano como condicionante de apelo à unidade cultural latino-americana. Em face da aproximação entre Un niño entre hombres y cangrejos e Homens e caranguejos, nesse artigo busca-se observar em que medida a tradução atua como uma, dentre outras práticas, de realização da obra original. Ciente do papel intelectual exercido por Josué de Castro, compreende-se a experimentação tradutória de Un niño entre hombres y cangrejos como ato criativo de reescrita, que estimula a sobrevivência interpretativa e leitora do texto (BERMAN, 2013; LEFEVERE, 1992) e a ampliação do espaço recepcional da obra (JAUSS, 1979).


Palavras-chave


Josué de Castro; Recepção; Tradução literária

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

TABULEIRO DE LETRAS | Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens da Universidade do Estado da Bahia (PPGEL - UNEB) | ISSN 2176-5782