Promoção do desenvolvimento de funções executivas em crianças: apresentação do PIAFEx e evidências de estudos nacionais

Natália Martins Dias

Resumo


Tem sido crescente a ênfase dos estudos internacionais ao desenvolvimento e à investigação de programas de intervenção para estimulação de funções executivas em crianças (e.g. Diamond, Barnett, Thomas & Munro, 2007; Diamond & Lee, 2011; Barnett et al., 2008; Rosário, Núñes & González-Pienda, 2007). Muitos desses programas configuram currículos ou complementos curriculares, com implementação em contexto de sala de aula, a exemplo do Tools of the Mind (Bodrova & Leong, 2007), Sarilhos do Amarelo (Rosário & cols., 2007) ou do PATHS - Promoting Alternative Thinking Strategies (Riggs, Greenberg, Kusch &, & Pentz, 2006), entre outros. Porém, apesar da crescente ênfase internacional a este tipo de intervenção, ainda são muito incipientes os estudos nacionais nesta área. De fato, até meados de 2013 não havia no Brasil um procedimento sistemático, e com eficácia comprovada por meio de estudos empíricos, para estimulação destas habilidades em crianças. Perante esta lacuna foi desenvolvido o Programa de Intervenção em Autorregulação e Funções Executivas _ PIAFEx. Este capítulo apresentará o PIAFEx e um resumo dos resultados de estudos nacionais conduzidos com o procedimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Ardila, A. (2008). On the evolutionary origins of executive functions. Brain and Cognition, 68, 92–99.

Barnett, W. S., Jung, K., Yarosz, D. J., Thomas, J., Hornbeck, A., Stechuk, R., & Burns, S. (2008). Educational effects of the tools of the mind curriculum: A randomized trial. Early Childhood Research Quarterly, 23, 299–313.

Blair, C., & Diamond, A. (2008). Biological processes in prevention and intervention: The promotion of self-regulation as a means of preventing school failure. Development and Psychopathology, 20, 899–911.

Bodrova, E., & Leong, D. J. (2007). Tools of the mind. OH: Merrill/Prentice Hall.

Capovilla, A. G. S., & Dias, N. M. (2008). Desenvolvimento de habilidades atencionais em estudantes da 1ª à 4ª série do ensino fundamental e relação com rendimento escolar. Psicopedagogia, 25, 198–211.

Cutting, L. E., Materek, A., Cole, C. A. S., Levine, T. M., & Mahone, E. M. (2009). Effects of fluency, oral language, and executive function on reading comprehension performance. Annals of Dyslexia, 59, 34–54.

Diamond, A. (2013). Executive functions. Annual Review of Psychology, 64, 135–168.

Diamond, A., & Lee, K. (2011). Interventions shown to aid Executive Function development in children 4 to 12 years old. Science, 333, 959–964.

Diamond, A., Barnett, W. S., Thomas, J., & Munro, S. (2007). Preschool program improves cognitive control. Science, 318, 1387–1388.

Dias, N. M. (2013). Desenvolvimento e avaliação de um programa interventivo para promoção de funções executivas em crianças. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Disponível em: http://neuropsiinfantil.wordpress.com/publicacoes/teses-e-dissertacoes

Dias, N. M., & Seabra, A. G. (2013). Programa de intervenção sobre a autorregulação e funções executivas – PIAFEx. São Paulo: Memnon.

Dias, N. M. & Seabra, A. G. (no prelo, 2015). The Promotion of Executive Functioning in a Brazilian Public School: A Pilot Study with 1st Graders of Elementary. The Spanish Journal of Psychology.

Dias, N. M., & Seabra, A. G. (em preparação a). Is it possible to promote executive functions in preschoolers? Evidence from a developing country.

Dias, N. M. & Seabra, A. G. (em preparação b). Intervention for executive functions development in children in early elementary school: effects on formal learning and behavior.

Menezes, A., Dias, N. M., Trevisan, B. T., Carreiro, L. R. R., & Seabra, A. G. (submetido). Intervention for executive functions in Attention Deficit and Hyperactivity Disorder. Arquivos de Neuro-psiquiatria.

Menezes, A., Godoy, S., Teixeira, M. C. T. V., Carreiro, L. R. R., & Seabra, A. G. (2012). Definições teóricas acerca das funções executivas e da atenção. Em: A. G Seabra & N. M. Dias (Orgs.), Avaliação neuropsicológica cognitiva: atenção e funções executivas. Vol. 1. (pp. 34-41). São Paulo: Memnon.

Menon, V. (2010). Developmental cognitive neuroscience of arithmetic: implications for learning and education. Mathematics Education, 42, 515–525.

Moffitt, T. E., et al. (2011). A gradient of childhood self-control predicts health, wealth, and public safety. PNAS, 108, 2693–2698.

Riggs, N. R., Greenberg, M. T., Kusch, C. A., & Pentz, M. A. (2006). The mediational role of neurocognition in the behavioral outcomes of a social-emotional prevention program in elementary school students: effects of the PATHS curriculum. Prevention Science, 7, 91–102.

Rosário, P., Núñes, J. C., & González-Pienda, J. (2007). Auto-regulação em crianças sub-10: Projecto sarilhos do amarelo. Porto, Portugal: Porto Editora.

Strauss, E., Sherman, E. M. S., & Spreen, O. (2006). A Compendium of Neuropsychological Tests: Administration, norms and commentary. New York, NY: Oxford University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.