Utilização das mídias sociais para educação em saúde pela LAPFITO: do instagram a oficinas de saúde e a interação entre academia e comunidade

Ariele Souza Lima Melo, Adriana Anunciação dos Santos, Andresa Graciele da Silva Braga, Carine Paixão da Silva

Resumo


Considerando a utilização tradicional das plantas medicinais e dos fitoterápicos, por vezes sem conhecimento prévio, demonstra-se relevante a discussão e expansão dos conhecimentos importantes sobre as plantas para os acadêmicos e para a comunidade, tanto no ambiente físico quanto virtual, onde é possível atingir maior público por transcender as barreiras físicas, como a distância. Este estudo pretende descrever como a liga acadêmica pôde utilizar a ferramenta tecnológica virtual, o instagram, e suas possibilidades de atividades correlacionadas com os eventos físicos realizados para estreitamento das relações da comunidade com os estudantes e profissionais de saúde permitindo e facilitando o acesso ao conhecimento de forma simples e compreensível. Este artigo possui um texto descritivo sobre a abordagem realizada pela liga acadêmica, com dados obtidos da própria rede social utilizada(instagram). Dessa forma foi possível perceber que o instagram pode ser uma ferramenta utilizada para educação em saúde, mas que deve ser usado com cautela e com referencial científico.



Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Adriana. Instagram: saiba tudo sobre esta rede social! Disponível em: Acesso em: 26 maio2018.

ALONSO, R. J. Tratado de fitomedicina: bases clínicas y farmacológicas. Buenos Aires: ISIS, 1998. 1039 p.

BANDEIRA NETO; Pinto, Ebenézeret al. Utilização de mídias digitais como meio de educação em saúde no contexto de emergências: extensão universitária. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 47-58, dez. 2018.

BATISTA, L.M.; VALENÇA, A.M.G. A Fitoterapia no mbito da Atenção Básica no SUS: Realidades e Perspectivas. Pesquisa brasileira em Odontopediatria e Clínica integrada, v. 12, n. 2, p. 293-296, 2012.

BATISTA, L. M.; VALENÇA, A. M. G. A Fitoterapia no mbito da Atenção Básica no SUS: Realidade e Perspectiva.PesqBrasOdontopedClinIntegr, JoãoPessoa, v. 12, nº 2, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, 3 de maio de

BRASIL. Ministério da Saúde. RDC N° 26, DE 13 DE MAIO DE 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a SaúdeDepartamento de Atenção Básica. Cadernos deAtenção Básica. Praticas Integrativas e Complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília, 2012.

CYRINO, E. G. TORALLES-PEREIRA, M. L. Trabalhando com estratégias de ensinoaprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 780- 788, 200.

MAANEN, J. V. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface, In Administartive ScienceQartely.v. 24.nº4.Dcember.1979 b.pp. 539-550.

NEVES; J. L. Pesquisa Qualitativa-características, usos epossibilidades.Caderno de Pesquisa.São Paulo.v.1.nº 3.2ºsem./1996.

PRYBUTOK, G.; RYAN, S. Social media: The Key to Health Information Access for 18- to 30-Year-Old College Students. CIN: Computers Informatics Nursing, vol. 33, no. 4, p. 132-141, apr. 2015.

SANTOS, R.L. et al . Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde.Rev. bras. plantas med., Botucatu , v. 13, n. 4, p. 486-491, 2011..

SÁ, Kellen Miranda et al. Mídias Sociais como ferramenta de apoio às práticas integrativas em saúde na área de plantas medicinais. VITTALLE - Revista de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 30, n. 1, p. 144-151, jul. 2018. ISSN 2177-7853.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.