O USO DE TECNOLOGIAS COMO FERRAMENTA DO CUIDADO DA CRIANÇA HOSPITALIZADA

Denise Santana Silva dos Santos, Mariane de Jesus Souza Cordeiro, Rejane Reis dos Santos

Resumo


O processo da internação pode gerar impactos devastadores na vida de qualquer ser humano, visando uma forma de melhorar o sofrimento da internação. Com isso, torna-se de fundamental relevância a criação de estratégias como forma de atenuar o processo de hospitalização decorrente do estresse e ansiedade devido às consequências que a doença pode trazer ao paciente, como o sofrimento físico e emocional, as mudanças de rotina e outras limitações que a criança sofre no momento da hospitalização.   O uso das novas tecnologias de informação age como um potencializador nas atividades lúdicas no ambiente hospitalar possibilitando assim que a criança conheça e entenda melhor o momento pela qual ela está passando para desta forma enfrentar a situação dolorosa de forma mais suave, estimulando assim a sua autoestima e confiança. O uso de equipamentos eletrônicos como notebook, tablets, celulares dentre outros, tem se mostrado de forma atrativa para as crianças no âmbito hospitalar devido aos multimeios e inovação. Nesse sentido o uso da tecnologia pode ser uma ferramenta para o cuidado da criança hospitalizada. O presente trabalho trata-se de um estudo descritivo - exploratório, de natureza qualitativa. A pesquisa foi realizada na Unidade Pediátrica de um Hospital de grande porte na cidade de Salvador, Bahia. A pesquisa foi realizada com a participação de 15 enfermeiras da Unidade Pediátrica. Como resultado, emergiu das entrevistas realizadas a seguinte categoria analítica: o uso da tecnologia como ferramenta do cuidado. Com isso, o objetivo deste artigo é descrever o uso da tecnologia como ferramenta lúdica para o cuidado da criança hospitalizada.


Texto completo:

PDF

Referências


AURELIANO, D.M.M., 2015. A criança hospitalizada e a ludoterapia como fator benéfico para o tratamento. Disponível em: . [Acesso 17 Set 2016].

BAGGIO, M.A., 2006. O significado de cuidado para profissionais da equipe de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 08, n. 01, p. 09 – 16, 2006. Disponível em: . [Acesso 15 Mar 2017].

BRANCO, A.F.C, TEIXEIRA, F.R.M., 2017. A informação no contexto lúdico e o processo de tratamento e cura em hospitais pediátricos: uma experiência no Hospital da Criança da Bahia. Congresso Nacional de Educação. Disponível em: < http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalh os/TRABALHO_EV117_MD1_SA10_ID2192_2608201 8162820.pdf> [Acesso 10 Jul 2019].

BRASIL, 2001. Ministério da Saúde. Secretária de Assistência à Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf> [Acesso 15 Mar 2017].

BRASIL, 2006. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf>. [Acesso 03 Abr 2019].

BRITO T.R.P et al., 2009. As práticas lúdicas no cotidiano do cuidar em enfermagem pediátrica. Esc. Anna Nery Rev. Emfermagem, V.13, N.4, p. 802-808.

CARVALHO, A. M, BEGNIS, J. G., 2006. Brincar em unidade de atendimento pediátrico: aplicações e perspectivas, Minas Gerais.. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n1/v11n1a13.pdf>. [Acesso 21 Mar 2017].

CARVALHO, A. M, FONSECA, D. G, BEGNIS, J. G, AMARAL, A. M., 2004. Ludicidade e Saúde-Projeto de integração multiprofissioal, Minas Gerais, UFMG, 2004. Disponível em:< http://www.ufmg.br/proex/arquivos/7Encontro/Saude113 .pdf> [Acesso 04 Out 2016].

CINTRA, S.M.P, SILVA, C.V, RIBEIRO, C.A., 2006. O ensino do brinquedo/brinquedo terapêutico nos cursos de graduação em enfermagem no Estado de São Paulo. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 59, n. 4, p. 497-501. Disponíivel em: . Acesso [08 Jun 2019].

FORTUNA, T. R., 2007 Brincar, Viver e Aprender. In_ VEIGAS, D. Brinquedoteca Hospitalar: isto é humanização. Associação Brasileira de Brinquedotecas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Wared. Cap. 4

GIL, A.C., 2010. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas.

LEITE, J. A. SANDOVAL, J. M. H., 2003. O brincar como estratégia comunicativa de promoção da saúde em crianças hospitalizadas, Bahia, 2003. Disponível em . [Acesso em 04 Out 2016].

LIMA, K.Y.N et al., 2014. Atividade lúdica como ferramenta para o cuidado de enfermagem às crianças hospitalizadas. Revista Mineira de Enfermagem. v. 18.3. Disponível em: . [Acesso 02 Mai 2016].

MENRHY E. E, ONOCKO R., 2006. Agir em Saúde: um desafio para o público. 2 ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

MINAYO, M.C.S., 2006. O desafio do conhecimento. São Paulo: Editora Hucitec, 9.ª ed.

NICOLA G.D.O, FREITAS H.M.B, GOMES G.C, COSTENARO, R.G.S., 2014. Nietsche EA, Ilha S. Ludic care for hospitalized children: perspective of family caregivers and nursing staff. J res fundam care online. 2014; 6(2):703-15. Doi: 10.9789/2175- 5361.2014v6n2p703.

OLIVEIRA, V.B (Orgs.)., 2006. Brincando na escola, no hospital, na rua. Rio de Janeiro: WAK. p.127-130.

RAVELLI, A.P.X, MOTTA, M.G.C., 2005. O lúdico e o desenvolvimento infantil: um enfoque na música e no cuidado de enfermagem. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 58, n. 5, p. 611-613, Oct. . Disponível em:. [Acesso 10 Jul 2019].

RODEGHERI, G. S. M., 2004. Ludoteca hospitalar resgate do impulso lúdico, Rio Grande do Sul. Disponível em: [Acesso 27 Mar 2017].

SCHIMITZ, E. M., 2005. A enfermagem em Pediatria e Puericultura. São Paulo: Editora Atheneu.

SILVA, S. M. M., 2006. Atividades lúdicas e crianças hospitalizadas por câncer: o olhar dos profissionais e das voluntárias. In E. Bomtempo, E. G. Antunha & V. B. Oliveira (Orgs.), Brincando na escola, no hospital, na rua (pp.127-142). Rio de Janeiro: Wak.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA, 2016. Excesso no uso de eletrônicos pode prejudicar desenvolvimento, reafirma especialista da SBP em evento na Bahia.. Disponível em: < https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/excesso- no-uso-de-eletronicos-pode-prejudicar-desenvolvimento- reafirma-especialista-da-sbp-em-evento-na-bahia/>. [Acesso 03 Abr 2019].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.